CEMITÉRIO MALDITO (Pet Sematary, 1989) segue uma das melhores adaptações de Stephen King

O terror existente na literatura do Stephen King, embora vasto na execução, tem elementos bem recorrentes. Em sua grande maioria, envolve crianças e isso não é por mero acaso.Do ponto de vista infantil, qualquer sombra pode se tornar um monstro. Do ponto de vista adulto, é perturbador ver o mal dominar um ser inocente. Esse incômodo, independente de onde ele venha, é a essência de tudo o que há mais terrível em Cemitério Maldito.

Olhar para Cemitério Maldito depois de algumas décadas ainda é relevante, em especial pela eficiência e pelo poder de seu terceiro ato, que revela pouco e cria uma angústia. As lentes parecem saber tão pouco do que está acontecendo quanto os próprios personagens. Esse sentimento potencializa o terror do que está por vir, por mais que algumas resoluções de roteiro soem forçadas, mais uma vez, a pressa da montagem prejudica o resultado aqui.

Ainda é um filme com bons efeitos práticos, um texto interessante e que revela as consequências de não saber lidar com a perda. Nesse sentido, a obra se mantém interessante e, se relevado o ritmo pouco ágil de algumas sequências, segue como um ótimo exemplar do hoje nostálgico terror do final dos anos 80, assim como uma boa adaptação de um dos romances mais terríveis de Stephen King.
Stephen King é dez como autor.

Cemitério Maldito 
Pet Sematary 
Estados Unidos, 1989. 
De Mary Lambert. 
Com Dale Midkiff, Fred Gwynne, Denise Crosby, Brad Greenquist.
103 minutos.

Fred Gwynne, Dale Midkiff, and Michael Lombard in Pet Sematary (1989)

Pet Sematary (1989)

Rodrigo Rema nasceu em Santos, é amante de cinema, assistidor de séries e filmes, estes há 25 anos, sendo frequentador assíduo das salas de exibição semanalmente, leitor de livros e internet, praticante de tênis de mesa. Admirador desde a saga Star Wars até os heróis e vilões presentes em Os Vingadores, passando pelos clássicos de terror, como O Cemitério Maldito, O Iluminado e It: A Coisa, adaptados das obras de Stephen King.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *