Regina Duarte não entendeu nada

Regina Duarte sentiu o calo apertar. Sabe que pode perder o cargo de Secretária Especial de Cultura a qualquer momento. Talvez para demonstrar algum tipo de rebeldia, vá lá entender, postou uma foto do dramaturgo santista Plínio Marcos. Foto essa usada sem autorização do fotógrafo, Marcos Muzzi. Não tardou para que a filha de Plínio, Anna Barros, declarasse repúdio à publicação. E que Marcos pedisse sua exclusão.

Não se trata de perseguição à ex-Viúva Porcina. Mas de constatar o óbvio. Em sua história e, principalmente sua obra, Plínio falou aos excluídos, marginalizados, pessoas relegadas pelo status quo, pelo “cidadão de bem” tão defendido pelo atual governo federal.

Governo este que, ao assumir a liderança do país, decretou o fim do Ministério da Cultura, paralisou a produção audiovisual do país numa série de entraves burocráticos dentro da ANCINE – Agência Nacional de Cinema. Bolsonaro, em “live”, jogou para o alto folhas com projetos de séries de temática LGBTQ+, aprovadas em edital, dizendo que não seriam produzidas. Será que um documentário como Plínio Marcos: Nas Quebradas do Mundareu, de Julio Calasso, conseguiria ser feito hoje?

Não bastasse, Bolsonaro tratou com viés ideológico homenagens e citações a artistas. O presidente lamentou a morte do MC Reaça, de contribuição nula à história e à cultura brasileira. Simplesmente pelo alinhamento de ideias. Por outro lado, nomes imortalizados, respeitados dentro e fora do país, como Moraes Moreira, Aldir Blanc e Flavio Migliaccio, sequer foram lembrados. Mesmo sem uma nota oficial por parte do (des)governo federal, Regina poderia ter postado algo em suas redes sociais. Tardiamente lembrou de Flavio, seu colega de atuação. Segue ignorando as demais perdas da nossa arte.

Postar uma foto de Plínio somente quando periga ser demitida prova que ela não entendeu sua função – a de ser o elo de diálogo entre as necessidades da sociedade referentes ao acesso à cultura, às demandas da classe criativa, e seus chefes. Função essa que, para ser exercida, precisa de capacidade de diálogo, gestão, conhecimento amplo de um setor tão vasto, variado dentro de um país de proporções continentais.

Regina sabia que, ao se juntar ao bolsonarismo, estava se aliando a um pensamento intolerante, que entende toda e qualquer forma de reflexão, pensamento, expressão e manifestação (e aí cabem a cultura, a imprensa, etc) como algo incômodo e a ser abafado, proibido, censurado. Que não entende que a arte é livre, diversificada. Desavisada ela não estava. Sabia muito bem onde e com o que se envolvia. Não raras vezes defendeu o presidente.

E se revela extremamente despreparada ao estar no cargo pois não conhece a história e a obra de um dos principais ícones do teatro e da literatura do país: Plinio Marcos. Plinio, caso vivo, estaria revoltado com a situação do país. Jamais aceitaria ter sua imagem vinculada a quem está no poder atualmente.

Perdida, Regina – que chegou a postar imagens de supostos colegas de profissão “apoiadores” para sua nomeação e, criticada, teve que deletá-las – não entendeu nada: a que veio, o que fazer e como fazer. Não adianta, agora, chorar o leite derramado. A atitude mais digna, no mínimo, seria pedir desculpas e excluir a foto de Plínio de seus perfis.


 

André Azenha
Jornalista por formação, crítico de cinema, produtor cultural, pesquisador, curador, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Colaborou com críticas semanais nos jornais Expresso Popular e quinzenais no jornal A Tribuna. Colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest - Festival Internacional de Filmes de Santos, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest e PalafitaCon. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante. Atualmente participa do projeto Hora da Cultura, pela Secult Santos, levando sessões de filmes e bate-papos às escolas da rede municipal. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi. Escreveu sobre cinema para sites, jornais e revistas de Santos, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Limeira e Maceió. www.facebook.com/andreazenha01

2 thoughts on “Regina Duarte não entendeu nada

    1. Obrigado Marcelo. Vivemos tempos muito complicados. abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *