Os melhores escritores do Batman em todos os tempos

Este ano o Batman assopra oitenta velinhas, e esta data tão querida nos obriga a celebrar também aqueles que com uma máquina de escrever ou um teclado de computador escreveram as aventuras do Protetor de Gotham.

| Os melhores desenhistas do Batman em todos os tempos

Dito isso, após vários e vários pensamentos erráticos e elaborações mentais que levaram em consideração a importância de vários escribas no desenvolvimento do mito do Cavaleiro das Trevas, concebemos uma pequena lista que provavelmente não agradará a todos, mas certamente homenageará pelo menos uma parte dos roteiristas que ajudaram o Homem-Morcego a se tornar um dos personagens de ficção mais queridos de todos os tempos! Segue a lista:

Bill Finger

Reza a lenda que o jovem vendedor de sapatos Bill Finger sonhava se tornar um escritor de romances policiais, no melhor estilo Raymond Chandler. O que sobrou para ele foi escrever no regime de ghost writer as histórias de um homem fantasiado de morcego imaginado pelo cartunista Bob Kane. E ele fez esse trabalho da melhor maneira que pode, refinando os conceitos iniciais concebidos por Kane e praticamente criando todos os elementos básicos da mitologia do super-herói que seria conhecido no mundo inteiro como Batman! Tal contribuição não o torna apenas um dos mais importantes escritores do Cruzado Encapuzado de todos os tempos, mas também um dos maiores artífices da Cultura Pop do Século XX! Tanto que não é à toa que o maior prêmio para escritores de quadrinhos dos EUA – o Bill Finger Awards – toma emprestado o seu nome!

Gardner Fox

Dizem por aí que Gardner Fox escreveu mais de 4 mil roteiros para histórias em quadrinhos, o que o torna um dos mais prolíficos escritores da Nona Arte de todos os tempos. Mas o valor de Fox não pode ser medido apenas em números, já que ele ajudou a criar conceitos e personagens perenes até hoje como a Sociedade da Justiça, Liga da Justiça, Átomo, Gavião Negro e muitos outros. Em relação ao Batman a importância de Fox é inquestionável, já que ainda nos anos quarenta ele foi o primeiro escritor a escrever as histórias do Protetor de Gotham depois de Bill Finger e no início dos anos sessenta ele foi um dos encarregados de comandar uma pequena modernização das aventuras do personagem. Modernização essa que redundou na criação de Barbara Gordon, a mais famosa Batgirl de todos os tempos!

Bob Haney

Ele talvez fosse considerado apenas mais um entre os vários operários-padrão que trabalharam indústria americana de quadrinhos entre os anos cinquenta e setenta, mas… Bob Haney sabia exatamente quais elementos tornavam uma história de super-heróis atrativa, e ele exercitou esse conhecimento durante mais de quinze anos no gibi The Brave and the Bold, que trazia encontros do Batman com outros heróis da DC Comics em aventuras divertidíssimas que marcaram pelo menos duas gerações de leitores. E ainda teve tempo para escrever roteiros para animação televisiva do personagem produzida pelo estúdiio Filmation nos anos setenta!

Denny O’Neill

O primeiro trabalho profissional de Denny O’Neill para a indústria americana de quadrinhos foi um roteiro para o gibi feminino Millie the Model (da Marvel Comics), que foi publicado em 1965. Nada muito interessante, porém nos anos seguintes após uma passagem pela Charlton ele foi contratado pela DC Comics e sob o comando editorial de Julius Schwartz e ao lado de parceiros como Neal Adams, Bob Brown, Irv Novick e Frank Robbins ele resgatou de forma definitiva as raízes sombrias do Batman, tornando-o novamente uma criatura da noite. De lá para cá O’Neill escreveu ou editou centenas de revistas protagonizadas pelo Cavaleiro das Trevas, se tornando um dos responsáveis pela soturna caracterização psicológica que o personagem hoje apresenta nos quadrinhos e em outras mídias. Por essas e outras muita gente boa considera O’Neill o mais importante escritor do Batman de todos os tempos depois de Bill Finger!

Steve Englehart

Em meados dos anos setenta Steve Englehart era um super-astro dos Quadrinhos que pensava em abandonar de vez as histórias de super-heróis. Depois de tanto tempo trabalhando na Marvel ele meio que ficou de saco cheio desses fantasiados, vocês sabem como são as coisas! Porém, quando a DC Comics lhe ofereceu uma proposta de trabalho, Englehart vislumbrou a possibilidade de escrever roteiros para o Batman, o seu herói favorito na infância… E foi justamente isto que aconteceu! Ao lado do desenhista Marshall Rogers – na época começando a sua carreira nos Quadrinhos – Englehart armou uma pequena revolução no universo do Homem-Morcego, refinando a caracterização de Bruce Wayne e dando-lhe pela primeira vez um interessante romântico verdadeiramente interessante, no caso a bela Silver St. Cloud. Mas o “toque de classe” de Englehart foi a forma deliciosamente psicótica e engraçada como ele retratou o Coringa, e tal representação se transformou no principal modelo adotados pelos escritores que o sucederam nas revistas do Homem-Morcego.

Frank Miller

Na primeira metade dos anos oitenta o artista nascido em Vermont conhecido como Frank Miller havia virado o Quadrinho Americano de ponta-cabeça com seu trabalho na série mensal do Demolidor e com Ronin, uma espetacular minissérie futurista fortemente influenciada pela estética quadrinística europeia e japonesa. Mas ninguém esperava o impacto de Cavaleiro das Trevas, minissérie em quatro partes escrita e desenhada por Miller que trazia em um futuro não muito distante um brutal Batman de meia-idade combatendo o crime em uma Gotham City afundada na decadência urbana. Mais do que uma obra-prima, nos anos que se seguiram a sua publicação original, Cavaleiro das Trevas se tornou um dos principais elementos estruturantes da Mitologia do Homem-Morcego e uma das histórias em quadrinhos mais influentes de todos os tempos. O que não é pouca coisa!

Paul Dini

Desde o começo dos anos oitenta Paul Dini escreveu um montão de roteiros para desenhos animados produzidos pela Filmation Associates e Warner Bros. Animation, até que em 1992 ele se tornou um dos produtores e roteiristas de da série animada Batman: A Série Animada. Graças em grande parte aos roteiros espertos de Dini, o seriado é considerada por muita gente a melhor adaptação audiovisual do Cavaleiro das Trevas de todos os tempos e, além de tudo isso precisamos ser francos em relação a algo muito importante: um cara que cria uma personagem tão bacana como a Arlequina merece ser reverenciado!

Alan Grant

O escritor escocês Alan Grant iniciou sua carreira na famosa revista britânica de quadrinhos 2000 AD, até que no final dos anos oitenta ele migrou para o mercado americano. Inicialmente ao lado do colega John Wagner e posteriormente sozinho Grant concebeu para o Batman histórias enxutas, precisas e que exploravam os aspectos psicológicos do Homem-Morcego. Ah, Grant também é responsável por importantes acréscimos na Mitologia do personagem ao criar a “dupla” Ventríloquo e Scarface, o “anti-vilão” Anarquia e do mortífero Victor Zsasz.

Chuck Dixon

Poucos escritores escreveram tantas histórias relacionadas direta ou indiretamente ao universo do Batman quanto Chuck Dixon. Principal roteirista do personagem nos anos noventa, Dixon também emprestou seu talento para as séries mensais do Asa Noturna e Robin, além de ter sido o responsável pela criação do super-grupo feminino Aves de Rapina. E, é claro, ele é um dos co-criadores de Bane, um dos mais perigosos inimigos do Cruzado Encapuzado.

Grant Morrison

Os roteiros de Grant Morrison sempre foram de difícil compreensão. Ou ininteligíveis, segundo seus detratores! Entretanto, ninguém pode negar que este roteirista escocês metido a maluco sacudiu a mitologia do Batman ao revisitar antigas versões dos anos cinquenta do personagem, ao matá-lo na saga Crise Final, ao colocar Dick Grayson como seu substituto nas revistas mensais e, é claro, ao trazê-lo de volta na minissérie O Retorno de Bruce Wayne. Mas certamente o fato que tornou a passagem de Morrison pelos títulos do Homem-Morcego foi a criação de Damian, o filho de Bruce Wayne e atual Robin! E não nos esqueçamos de Asilo Arkham, uma das mais brilhantes graphic novels do Batman de todos os tempos!


 

Analista de sistemas nas horas vagas e colecionador de quadrinhos em tempo integral, ainda encontra um tempo para participar da organização da Santos Comic Expo, principal de quadrinhos do Litoral Paulista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *