O Rock em filmes

dia do rock 1
“Hoje é dia de rock, bebê”, disse Christiane Torloni. Melhor. Hoje é Dia “do” Rock”! Em 13 de julho de 1985 aconteceu o Live Aid, megaevento musical – em prol da Etiópia – que reuniu grandes artistas e ficou definido como “a data” do gênero musical. Ao menos no Brasil. Por que, apesar do Dia “Mundial” do Rock geralmente difundido, a celebração anual acontece somente por aqui.

Rock e cinema têm tudo a ver. Com esse frio e aproveitando a deixa, listo a seguir alguns dos melhores longas-metragens sobre o tema. Não considerei documentários: existem muitos e excelentes! Apesar de alguns baseados em fatos, são filmes de ficção, com atores. Que garantem a maratona do final de semana.

Alta Fidelidade (High Fidelity, 2000) – Baseado no livro do mestre da literatura pop, Nick Hornby, é ambientado numa loja de discos, estrelado por John Cusack, com Jack Black antes da fama e amigos discutindo as tais das listas, como essa que você lê.

Cazuza – O Tempo Não Para (2004) – Cinebiografia de um dos grandes poetas do rock nacional. Fosse uma produção sobre um artista famoso internacionalmente, Daniel de Oliveira seria indicado ao Oscar.

Escola de Rock (School of Rock, 2003) – O Ao Mestre, com Carinho dos roqueiros traz Jack Black em seu melhor papel libertando crianças do “sistema”. A trilha sonora é a cereja do bolo.

Johnny e June (Walk the Line, 2005) – Não vamos discutir se Johnny Cash e June Carter faziam rock ou não (ela obviamente, não). A trajetória do casal se mistura aos primeiros anos do gênero.

La Bamba (Idem, 1987) – Reprisado diversa vezes nas Sessões da Tarde, acompanha a vida de Ritchie Valens, uma das três vítimas do Dia em que a Música Morreu: ele, Buddy Holly e The Big Bopper faleceram em 3 de fevereiro de 1959 num acidente aéreo.

Não Estou Lá (I’m Not There, 2007) – A vida (ou das vidas – e lendas) contraditória (s) e intensa (s) de Bob Dylan, interpretado por Heath Ledger, Christian Bale, Richard Gere e até Cate Blanchett, entre outros.
Pink Floyd The Wall (Idem, 1982) – Baseado no famoso álbum do Pink Floyd, acompanha as “viagens” e o mundo interior do protagonista, o superstar Pink (Bob Geldof).

Quase Famosos (Almost Famous, 2000) – A juventude do cineasta Cameron Crowe transformada em fábula sobre os bastidores do rock setentista: adolescente decide ser jornalista musical e acompanha a turnê de banda em ascensão.

Rock of Ages (Idem, 2012) – Musical e fábula de elenco improvável e estelar sobre garota e garoto em busca do sucesso na música. Tom Cruise faz o roqueiro veterano Stacee Jaxx,  Catherine Zeta-Jones é a esposa do prefeito, reprimida, que acha rock “coisa do capeta”. A história alto astral dá cutucada nas boy bands.

Rock Star (Idem, 2001) – Mark Wahlberg é cantor e fã número 1 da banda fictícia de hard rock Steel Dragon. Acaba substituindo o vocalista. Diz a lenda que o filme é inspirado na saída de Rob Halford do Judas Priest.

Sing Street – Música e Sonho (Sing Street, 2016) – A história é conhecida. Adolescente encontra, no rock, o escape para superar o bullying, a rigidez do ensino religioso e as brigas dos pais, além da força para conquistar a garota dos sonhos. A diferença: o diretor é John Carney, dos encantadores Apenas Uma Vez e Mesmo se Nada Der Certo.

Somos Tão Jovens (2013) – Os primeiros passos de Renato Russo até formar a Legião Urbana, provavelmente a maior banda do rock brasileiro.

The Doors (Idem, 1991) – Cinebiografia do famoso grupo focada, claro, no vocalista Jim Morrison, encarnado à exatidão por Val Kilmer, que chegou a enlouquecer vivendo o personagem.

The Runaways – Garotas do Rock (The Runaways, 2010) – Cinebiografia da pioneira banda de rock formada apenas por mulheres. Kristen Stewart tentava se libertar das amarras da Saga Crepúsculo.

The Wonders – O Sonho Não Acabou (That Thing You Do!, 1996) – Tom Hanks dirigiu e escreveu a ascensão de uma banda fictícia dos anos 60 mas que representa bem tantas histórias reais, especialmente a resposta americana à Invasão Britânica de Beatles, Stones, etc. A canção principal é até hoje lembrada.

Tommy (Idem, 1975) – Baseado na “ópera rock” lançada em 1969 pelo The Who, reúne elenco de estrelas da música. Ann-Margret levou o Globo de Ouro e foi indicada ao Oscar.

Vida de Solteiro (Singles, 1992) – Cameron Crowe novamente na lista. O cineasta retrata as relações de jovens na Seattle da Era Grunge, de Alice in Chains, Pearl Jam, Soundgarden, Mudhoney, Screaming Trees, presentes na trilha sonora sensacional.

 

As opiniões embutidas nos textos são dos seus respectivos autores, e não refletem necessariamente a opinião do site ou de seu editor.
André Azenha
André Azenha

Jornalista, crítico de cinema, produtor cultural, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Escreve uma coluna semanal, aos sábados, para o jornal Expresso Popular, colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante, em Santos. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi.