10 anos de Wall-E

wall-e5
Em 1994, estava em andamento a produção do primeiro longa-metragem inteiramente produzido por computação gráfica, nos estúdios da então novata Pixar (que pertence à Disney). Empolgado com os resultados do que viria a se tornar o inovador Toy Story, o chefe criativo da empresa, John Lasseter, convocou os três principais subordinados para um almoço lendário. Em uma tarde, o quarteto formado por John mais Andrew Stanton, Pete Docter e o falecido Joe Ranft debateu, como numa conversa de bar, as ideias de muitos dos filmes que fariam sucesso nos anos seguintes.

Os primeiros rascunhos de Vida de Inseto (1998), Monstros S/A (2001) e Procurando Nemo (2003) ganharam vida naquele encontro. A primeira fagulha inicial de Wall-E também surgiu naquela tarde, devido à imagem de um robô vivendo sozinho numa Terra sem humanos. Aos poucos, Stanton desenvolveu o projeto. A paixão entre dois seres mecânicos, produzidos em um intervalo de 700 anos e tendo um planeta devastado como pano de fundo, levou 14 anos para sair do papel e teria sua première em 21 de junho em Los Angeles – no Brasil o longa-metragem seria lançado seis dias depois. O resultado foi simplesmente arrebatador: um espetáculo cinematográfico que não cabe em poucas palavras e tem tudo para agradar pessoas de todas as idades. Wall-E – cuja sigla vem de Waste Allocation Load Lifter – Earth-Class – é Chaplin encontrando Stanley Kubrick.

wall-e1
Dirigido e escrito por Stanton, o filme é uma superprodução de US$ 120 milhões. Com um roteiro certeiro, direção de arte espetacular, ótima trilha sonora, utilizando muito mais uma comunicação física do que propriamente diálogos, através de dois personagens “fofinhos”, a produção é uma delícia para todos os sentidos e sentimentos. Reúne bom humor, inteligência, sensibilidade e alguma dose de ironia.

A trama começa dando um recado: após entulhar a Terra de lixo e poluir a atmosfera com gases tóxicos, a humanidade deixou o planeta e passou a viver em uma gigantesca nave. O plano era que o retiro durasse alguns poucos anos, com robôs sendo deixados para limpar o planeta. Wall-E, o protagonista, é o último destes seres mecânicos, que se mantém em funcionamento graças ao auto conserto de suas peças. Sua “vida” consiste em compactar o lixo existente no globo, que forma torres maiores que arranha-céus. A única companhia que tem, por assim dizer, é uma barata destrambelhada. Mas um dia surge repentinamente uma nave, que traz um novo e moderno robô: Eva. A princípio curioso, Wall-E desenvolve aos poucos um sentimento pela robozinha.

wall-e2
Falasse um pouco mais sobre a poluição e teríamos um discurso à la Greenpeace. O recado é dado na medida. O espectador percebe o perigo de maltratar a natureza, mas logo em seguida é apresentado à uma história de amor, com o melhor das comédias românticas e ainda dissertando pequenas – e divertidas – insinuações.

Primeiro, o personagem principal é desajeitado, e sempre que se encontra em perigo é Eva quem toma a dianteira e vai literalmente à luta – o velho e hoje datado ditado que nenhum homem vive sem uma grande mulher. A dependência do ser humano à tecnologia também é satirizada de forma impagável. Sabem aquelas pessoas que ao invés de irem andando até a padaria da esquina, e preferem se locomover de carro por pura preguiça? Multipliquemos isso por mil e temos os homens e mulheres do futuro mostrados aqui.

wall-e4
Já a forma como o casal se relaciona é de encher os olhos. Claro, os dois são humanizados como aconteceu em filmes como O Homem Bicentenário e Eu, Robô. Ao contrário dessas produções, eles quase não falam. Todas as expressões se dão através dos olhos de Wall-E e da “boca” de Eva.

E do mesmo jeito que ocorre com adolescentes ingênuos que estão descobrindo o amor, a forma como eles demonstram o sentimento é buscando a mão do outro. Recheado de referências a clássicos da ficção-científica (principalmente 2001 – Uma Odisseia no Espaço, que celebrou 50 anos de seu lançamento em 2018), o público dificilmente passa mais de um minuto sem soltar aquele “óóóó” e ainda é apresentado à barata mais carismática da história.


 

André Azenha
Jornalista, crítico de cinema, produtor cultural, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Escreve uma coluna semanal, aos sábados, para o jornal Expresso Popular, colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante, em Santos. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *