Cobra Kai e o revival de Karatê Kid

Johnny e Daniel se reencontram.
Johnny e Daniel se reencontram.

.
Hoje não escrevo sobre filmes. Nem sobre estreias, sejam do cinema, TV ou streaming. Mas sobre um seriado do Youtube Red, plataforma de conteúdo exclusivo do Youtube.

Cobra Kai retomará, em 2 de maio, a franquia Karatê Kid. Iniciada em A Hora da Verdade (1984), teve mais três continuações: A Hora da Verdade Continua (1986), O Desafio Final (1989), fechando até então o ciclo do personagem Daniel LaRusso (Ralph Macchio), e Uma Nova Aventura (1984).

Este último apresentou ao mundo a atriz duas vezes vencedora do Oscar Hilary Swank. Foi, também, a última aparição do célebre Mr. Miyagi (Pet Morita, 1932-2005).

Houve ainda um remake de 2010 estrelado por Jaden Smith, filho de Will, e Jackie Chan, reprisando sob outros nomes os papéis originais vividos por Macchio e Morita.

Quando o novo programa ganhou os holofotes da mídia, fãs ficaram receosos. Principalmente pelos primeiros materiais divulgados: as sinopses ressaltavam o tom de comédia. Afinal, os responsáveis pelo roteiro são Josh Heald (A Ressaca 2), Jon Hurwitz (American Pie: o Reencontro) e Hayden Schlossberg (American Pie: o Reencontro). Logo os primeiros vídeos chegam à internet, o que era dúvida virou empolgação.

No maior trailer lançado vemos que o destino não foi muito bom para Johnny Lawrence: o cara bebe pacas, tem subemprego. Até ver luz para rendição ao ajudar um garoto (Miguel, interpretado por Xolo Maridueña), vítima de valentões. Alguém relembrou do primeiro filme da saga? Pois é. Johnny, antes vilão, buller, terá a função de Miyagi. Ajudar o jovem perdido a encontrar o caminho, defender-se. Para tanto, buscará reabrir o dojo Cobra Kai, aquele criado por John Kreeze (Martin Kove) e que ensinava os alunos a não terem misericórdia dos oponentes.

Pelo caminho, Johnny cruzará seu velho rival e vítima Daniel, agora casado, pai de família e dono de uma rede vendedora de automóveis. Detalhe: se na adolescência Daniel era ensinado por Miyagi que Karatê é equilíbrio e torneios de luta não traduzem a essência da arte marcial, agora faz até propaganda fingindo golpes e mostrando o bonsai. O sensei deve revirar-se no túmulo ao ver o pupilo não seguindo os preceitos.

Mais teasers chegaram às redes sociais. Daniel tem uma filha igualmente adolescente, Samantha (Mary Mouser). Ela ficará interessada em Miguel. É a nova Ali (Elisabeth Shue), a menina rica que se interessa pelo menino pobre sofredor de bullying. Algumas cenas de Miguel e Samantha repetem quase que igualmente a ida de Daniel e Ali ao centro de diversões. Não faltam fan services!

Nos anos 80, eu e muitos colegas nos espelhávamos em Daniel. Todos queriam ser o sujeito desacreditado que era provocado pelos valentões, dava uma surra neles e ficava com a garota dos sonhos no final. A intolerância parece, era muito maior. Hoje, acredito, os jovens sentem-se mais livres para expressar suas opiniões, as turmas são mais diversificadas, ser nerd ou geek não é mais vergonha. Pelo contrário. Mesmo assim, sempre haverá no mundo um garoto sentindo-se deslocado dos demais, que se sentirá representado por Daniel ou Miguel.

Em determinado momento do trailer, Johnny diz para Miguel: “o método que me foi ensinado é perfeito para a sua geração de ‘amor perfeito’”. Na refilmagem de 2010, na famosa sequência em que o mestre salva o garoto dos valentões, Jackie Chan não bate nos garotos. Aqui, Johnny dá chutes e golpes sem nó nos adolescentes malas. Talvez algo chocante para o politicamente correto. Talvez uma resposta ou reflexão a todo o contexto que vemos online e na vida real. Mas interessante sob todos os pontos. Já teve quem brincou e chamou o seriado de Karate “Creed”. Alusão ao filme de 2015 no qual Rocky Balboa treina o filho de Apollo. Não importa.

Quem era criança nos anos 80, como eu, deve estar amando essas retomadas e atualizações. Cobra Kai, além disso, pode propor um panorama da juventude atual e como um pouco de influência dos mais velhos pode dar um novo prisma das coisas. Ah, o Youtube Red não está disponível no Brasil. Alguém duvida que a série mesmo assim será bastante vista por aqui?



 

André Azenha
Jornalista, crítico de cinema, produtor cultural, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Escreve uma coluna semanal, aos sábados, para o jornal Expresso Popular, colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante, em Santos. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *