Crítica | A Forma da Água (The Shape of Water, 2017)

aformadaágua4

Filmes com e sobre monstros foram e são veículos de entretenimento e, muitas vezes, metáforas para questões sociais. A Bela e a Fera, King Kong, os zumbis, e tantos outros abordam o medo do diferente. Nos dois primeiros casos, o temor inicial se transformam em afeição, amor. O caráter se sobrepõem ao preconceito. Pode ser clichê. Não menos importante: vence a tal da beleza interior.

Guillermo Del Toro aprendeu direitinho a lição em sua filmografia pontuada por personagens deslocados, a princípio assustadores, porém complexos, de bom coração. Citando alguns: A Espinha do Diabo (2001), Blade II (2002), Hellboy (2004) e a continuação, O Exército Dourado (2008), O Labirinto do Fauno (2006), seguem e melhoram a cartilha. São todos filmes ora assustadores, ora poéticos, belos, sensíveis. Nos momentos assustadores, o mal não está propriamente nas criaturas fantásticas, mas em seres humanos inescrupulosos, doentios, psicopatas. Os monstros, as criaturas, servem como observadoras do nosso comportamento errante, de altos e baixos. A Forma da Água é o ápice dessa trajetória cinematográfica praticamente perfeita em conteúdo e técnica. Eleva em grandes doses a poesia, a beleza e a sensibilidade das histórias anteriores. Traz um vilão, de objetivos compreensíveis e igualmente detestáveis.

Sally Hawkins, a irmã de Cate Blanchett em Blues Jasmine (2013), de Woody Allen, ganha personagem à altura do talento mostrado várias vezes. Interpreta Elisa Esposito. Sua rotina consiste em acordar, se masturbar durante o banho, preparar o café, levar algum quitute ao vizinho solitário Giles (Richard Jenkins) e pegar o ônibus rumo ao trabalho. É faxineira nas madrugadas de uma instalação militar. Durante a labuta, costuma trocar ideias e gestos com Zelda (Octavia Spencer). As noites seguem normais, até a protagonista descobrir e se apaixonar por uma criatura anfíbia, capturada na América do Sul e mantida em cativeiro pelos militares, sob o olhar de Richard (Michael Shannon).

aformadaágua3

Cinema é espelho do mundo. A Forma da Água chegou justamente quando Hollywood denuncia o assédio. Pouco tempo do debate sobre o racismo. Há quem diga: “o mundo ficou mais chato, o Oscar estar mais chato, somente filmes de temática social são premiados, blá, blá, blá”.

O longa não lidera as indicações e é favorito – somente – por ser uma ode à diversidade e possuir um diretor mexicano, uma protagonista mulher e muda cujos melhores amigos são um idoso gay e uma mulher negra e que se apaixona por alguém misto de peixe e homem. Mais de 60 prêmios e 200 indicações (13 aos Academy Awards) não são à toa. Lidera e é favorito por colocar o dedo na(s) ferida(s) sim, e por ser uma maravilha de filme, muito bem dirigido, escrito pelo próprio Del Toro e Vanessa Taylor (produtora e roteirista de séries como Game of Thrones), lindamente fotografado por Dan Laustsen (que trabalhou com o cineasta no anterior A Colina Escarlate, 2015), pela belíssima reconstituição de época no design de produção por Paul D. Austerberry , Shane Vieau e Jeffrey A. Melvin, e os figurinos concebidos por Luis Siqueira. A trilha sonora composta pelo experiente Alexandre Desplat (Oscar pela música de O Grande Hotel Budapeste) é um espetáculo à parte.

aformadaágua1

Tudo orquestrado por Del Toro, o único do trio de grandes diretores mexicanos contemporâneos a não ter recebido a estatueta dourada – os outros são Alfonso Cuarón (Gravidade) e Alejandro González Iñárritu (duas vezes: Birdman e O Regresso). Está mais do que na hora. Assim como Damien Chazele e La La Land (2016), o diretor homenageia filmes e séries clássicos, de Carmen Miranda e Bonanza aos musicais e insere um lindíssimo cinema de rua. Curiosamente, naqueles tempos o dono se queixava do pouco público. Homenageia, acima de tudo, O Monstro da Lagoa Negra. Tanto o cult de 1954 como A Forma da Água apresentam seres surgidos em solo sul-americano. Inspiração em Ipupiara ou Negro D`Água, figuras do folclore brasileiro? A maneira como dirige é poética. Os primeiros encontros entre Elisa e o anfíbio remetem ao “balé” de Ann (Naomi Watts) e King Kong, no gelo, da superprodução dirigida por Peter Jackson em 2005.

A cereja do bolo é o elenco. São personagens complexos. Que merecem artistas capazes de incorporar essa complexidade. Sally Hawkins cativa e encanta no gestual, nos olhares, nas expressões. Richard Jenkins retrata os anseios contidos de alguém que não pode expressar os sentimentos com medo do preconceito alheio. Octavia Spencer traz as caras e bocas e o carisma costumeiro. Michael Shannon tem a vilania e a dualidade do sujeito aparentemente pai de família tradicional. Transa com a esposa pensando em outra. É misógino. Ao mesmo tempo busca a aprovação do chefe. Representa a hipocrisia de nossa sociedade e o olhar do homem branco heterossexual à diversidade: julga, ofende, agride o que não entende. Michael Stuhlbarg vive o cientista e agente duplo. Tal qual sua atuação em outro longa de destaque na temporada, Me Chame Pelo Seu Nome, tem menor e marcante aparição.

Raras vezes me apaixonei à primeira vista por um filme. Nos últimos anos, O Grande Hotel Budapeste, La La Land e, agora, A Forma da Água. Vi, revi, me emocionei em ambas as ocasiões e pretendo ver mais vezes. Obrigado, Del Toro.

aformadaágua8

aformadaágua7

aformadaágua2

A Forma da Água
The Shape of Water
EUA / Canadá. 2017.
Direção: Guillermo Del Toro.
Com Sally Hawkins, Michael Shannon, Richard Jenkins, Octavia Spencer, Michael Stuhlbarg.
2h03min.


 

As opiniões embutidas nos textos são dos seus respectivos autores, e não refletem necessariamente a opinião do site ou de seu editor.
André Azenha
André Azenha

Jornalista, crítico de cinema, produtor cultural, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Escreve uma coluna semanal, aos sábados, para o jornal Expresso Popular, colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante, em Santos. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi.