Crítica | Justiceiro (2017)

justiceiro2

Já está no Netflix a primeira série solo do anti-herói criado em 1974 e adaptado para as telas em três filmes estrelados por diferentes atores e que não alcançaram resultados positivos de crítica e público.

Ano passado ele esteve na segunda temporada do seriado Demolidor, pelo mesmo serviço de streaming.

A encarnação de Jon Bernthal finalmente correspondeu às expectativas dos fãs e da mídia especializada ao apresentar um Frank Castle visceral, perturbado, e ao mesmo tempo frágil. Um vigilante pronto para vingar a morte da família.

Agora, os 13 episódios expandem a mitologia do vingador, fruto dos anos 70, quando despontaram filmes como Perseguidor Implacável (1971), com Clint Eastwood, e a franquia Desejo de Matar (a partir de 1974), com Charles Bronson. Nova York era terreno fértil em violência e deu margem para criação de “heróis” dispostos a fazerem justiças com as próprias mãos.

Os tempos são outros, mas o mundo em constante insegurança e o Justiceiro da parceria entre Marvel e Netflix funciona como o vigilante do bairro disposto a ultrapassar as barreiras.

Há ainda alguma discussão sobre o porte de armas, vigilância e boas cenas de ação.

Justiceiro – 1ª Temporada
The Punisher
2017. EUA.
Criador: Steve Lightfoot.
Com Jon Bernthal, Amber Rose Revah, Ebon Moss-Bachrach, Ben Barnes, Jaime Ray Newman, Paul Schulze, Kelli Barrett, Daniel Webber, Jason R. Moore, Deborah Ann Woll.
14 episódios. Média de 53 minutos.


 

André Azenha
Jornalista, crítico de cinema, produtor cultural, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Escreve uma coluna semanal, aos sábados, para o jornal Expresso Popular, colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante, em Santos. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *