Crítica | Malasartes e o Duelo com a Morte (2017)

malasartes1

“Malasartes e o Duelo com a Morte” é uma positiva incursão pela fábula e a fantasia no cinema nacional.

Paulo Morelli, cujo currículo inclui a boa versão longa-metragem da série “Cidade dos Homens” (2007), e o premiado drama “Entre Nós” (2013), entrega ao espectador um filme leve. Pode soar ingênuo. Em sua sutileza entrega boas reflexões: valorizarmos quem amamos enquanto estão vivos, aproveitar os pequenos momentos, e também a linha tênue entre termos fé e nos deixarmos levar por charlatões. Mais: o que distingue a bondade da maldade?

Essas questões são apresentadas a partir do personagem título, figura tradicional dos contos populares da Península Ibérica. Aqui mostrado em meio a fazendas, rios, gado, floresta, as lendas e tradições do povo brasileiro.

Pedro Malasartes (Jesuíta Barbosa), gaiato fanfarrão, vive de pequenos golpes. Pelo caminho precisa escapar de Próspero (Milhem Cortaz), que lhe cobra uma dívida de família e não quer ver a própria irmã, Áurea (Isis valverde), nos braços do sujeito preguiçoso. Malasartes precisa também fugir da própria Morte (Júlio Andrade) encarnada: ninguém menos que seu padrinho na vida real e em busca de férias após dois mil anos ceifando vidas.

Inicialmente, o espectador poderá se lembrar de “O Auto da Compadecida”. Há certas semelhanças entre este filme e o de 2000: personagens malandros, a forma de atuar do elenco, em tom farsesco, condizente com o tom da história, o folclore.

malasartes2

A diferença é que “Malasartes e o Duelo com a Morte” traz bem vindos efeitos visuais em computação gráfica durante grande parte da trama. Algo raro em nosso cinema.

Orçado em R$ 7 milhões, bastante para uma produção local, apresenta um mundo rico, onde reside a Morte, que remete à obra de Tim Burton, à animação “Festa no Céu” (2014), produzida por Guillermo Del Toro, trabalhos todos herdeiros do Expressionismo Alemão e seus contrastes entre luz e sombra, as figuras grotescas, deslocadas na sociedade. No entanto, tem personalidade própria. Ver todas as velas, de cima, é lindo, uma imagem impressionante e de bom gosto.

Alguém poderá reclamar das cenas de voo: em algumas é perceptível que os atores estão sendo levantados por cabos de aço, principalmente pela maneira como movimentam as pernas. Um detalhe técnico e que jamais depõe contra o longa. Pelo contrário, é extremamente necessário e importante que o cinema nacional se enverede por gêneros diferentes. Diretores, atores e demais profissionais da área, assim, podem se especializar, aperfeiçoar. A plateia ganha novas opções. E, a longo prazo, podemos, finalmente, sonhar em ter uma indústria de cinema no país.

Infelizmente ainda a maior parte do público está refém dos filmes estrangeiros. Há quem ainda guarde o “complexo de vira-lata” proposto por Nelson Rodrigues e tenha preconceito contra filmes nacionais. E para um longa-metragem como esse virar, quem sabe, uma franquia, é preciso ir bem nas bilheterias enquanto blockbusters dominam as salas de projeção. Missão difícil. Porém louvável.

Particularmente me diverti com o humor, as sacadas ligeiras e o carisma do elenco. Milhem Cortaz e Julio Andrade são figuras conhecidas de quem acompanha os lançamentos brasileiros. Intérpretes versáteis. Isis Valverde não se deixa fazer apenas telenovelas e tem apostado sua carreira nas telonas também. Jesuíta Barbosa carrega bem a história e ainda há coadjuvantes tarimbados como Leandro Hassum (o assistente da Morte) e Vera Holtz. Espero poder ver mais filmes desse universo.

Malasartes e o Duelo com a Morte
Brasil, 2017.
Direção: Paulo Morelli.
Com Jesuíta Barbosa, Isis Valverde, Julio Andrade, Milhem Cortaz, Vera Holtz, Leandro Hassum, Luciana Paes, Julia Ianina, Augusto Madeira.
1h49min.


 

As opiniões embutidas nos textos são dos seus respectivos autores, e não refletem necessariamente a opinião do site ou de seu editor.
André Azenha
André Azenha

Jornalista, crítico de cinema, produtor cultural, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Escreve uma coluna semanal, aos sábados, para o jornal Expresso Popular, colabora quinzenalmente com a Rádio CBN Santos e assina o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. É membro da Abraccine - Associação Brasileira dos Críticos de Cinema. Ministra cursos e palestras sobre crítica de cinema e jornalismo cultural. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante, em Santos.