Oscar 2017, um rápido olhar sobre os indicados

oscar1

Depois de conferir os nove indicados a melhor Filme, resolvi montar o meu TOP 7, pois um deles eu achei a indicação um tanto exagerada – o “faroeste urbano” “A Qualquer Custo” é um filme bem feito, com bons atores, onde Ben Foster, Chris Pine e Jeff Bridges têm boas atuações, mas não achei nada especial.

Já “Um Limite Entre Nós” (Fences), dirigido pelo astro Denzel Washington, apesar da história ser interessante, dura e com algumas surpresas, não foi bem transportado do palco para as telas. O filme ficou teatral (no mau sentido da palavra) e verborrágico demais. É praticamente um teatro filmado. Ainda assim, Denzel Washington e Viola Davis brilham – em especial, ela, pois o diretor e protagonista do filme inventou um sotaque bem esquisito para o seu personagem.

Enfim.. .chega de falar mal de “Um Limite entre Nós” e vamos ao TOP 7 dos indicados a melhor Filme:

1º Manchester À Beira-Mar (Manchester by the Sea), de Kenneth Lonnergan
ManchesterbytheSea_TrailerUm filme que trata da dor da perda, da dificuldade em lidar com conflitos internos e com a culpa é o meu favorito dentre os 9 indicados. Um filme que mexeu demais comigo e que me fez refletir sobre como lidamos com a perda de quem amamos e como lidamos com as pessoas à nossa volta. Esse filme me deu um aperto no coração: a última cena entre Casey Affleck e Michelle Williams é das mais belas, tristes e cheia de verdade que vi em algum tempo. Concorre ao Oscar 2017 em 6 categorias: Filme, Direção, Ator (Andrew Garfield), Ator Coadjuvante (Lucas Hedges), Atriz Coadjuvante (Michelle Williams) e Roteiro Original.

2º A Chegada (Arrival), de Denis Villeneuve
arrivalSou doido por ficção científica, tanto no cinema como na literatura e esse sci-fi, baseado num conto de Ted Chiang vai além: não aborda apenas extraterrestres, naves espaciais, etc. Ele trata de como o ser humano tem dificuldade em li dar com o desconhecido, o que não compreende num primeiro momento e como é preciso darmos uma oportunidade ao que não entendemos logo de cara. Concorre ao Oscar 2017 em 8 categorias: Filme, Direção, Roteiro Adaptado, Fotografia, Edição/Montagem, Edição de Som, Mixagem de Som e Design de Produção.

3º Moonlight: Sob a Luz do Luar (Moonlight), de Barry Jenkins
moonlightUm filme sensível, duro e necessário, pois aborda temas tabu como: homossexualismo, homofobia, racismo, buliyng e dependência química com muita verdade e talento. Vale lembrar que foi adaptado de uma peça teatral e ficou bem cinematográfico (ao contrário de “Um Limite entre Nós”). O elenco é uma preciosidade: desde os 3 atores que interpretam o protagonista Chirón aos coadjuvantes (Mahershala Ali e Naomie Harris estão soberbos). Concorre ao Oscar 2017 em oito categorias: Filme, Direção, Ator Coadj. (Mahershala Ali), Atriz Coadj. (Naomie Harris), Roteiro Adaptado, Edição/Montagem, Fotografia e Trilha Sonora.

4º Lion: Uma Jornada para Casa (Lion), de Garth Davis
lion-trailer-dev-patel-759O filme trata da busca por raízes. A busca de um menino de 5 anos para voltar para sua família é uma história delicada, triste e com uma mensagem de esperança. O menino Sunny Pawar é uma revelação, mas Dev Patel (que interpreta o protagonista já adulto) e Nicole Kidman (despida de vaidade nesse filme) emocionam o espectador. Pena que só tenha chances de levar melhor Fotografia (ganhou o prêmio do sindicato da categoria). Concorre ao Oscar 2017 em 6 categorias: Filme, Ator Coadj. (Dev Patel), Atriz Coadj. (Nicole Kidman), Roteiro Adaptado, Fotografia e Trilha Sonora.

5º La La Land: Cantando Estações (La La Land), de Damien Chazelle
lalalanddestaqueMusical é um gênero que sou apaixonado (vide “A Noviça Rebelde”, “Cantando na Chuva”, West Side Story”, entre tantos outros) e esse filme é uma bela homenagem à Hollywood do passado e aos musicais de outrora. Os protagonistas Ryan Gosling e Emma Stone têm uma ótima química em cena e o filme está repleto de momentos musicais marcantes. Só acho a parte final um tanto estendida (demora uns 14 ou 15 minutos para se chegar à resolução). Num ano em que os concorrentes são quase todos com temas muito tristes, “La La Land” é o franco favorito e vai dar um ar alegre e musical à premiação. Concorre ao Oscar 2017 em 13 categorias (mas tem 14 indicações, pois tem duas canções indicadas): Filme, Direção, Ator (Ryan Gosling), Atriz (Emma Stone), Roteiro Original, Trilha Sonora, Canção (“Audition (The Fools Who Dream” e “City of Stars”), Edição/Montagem, Fotografia, Design de Produção, Figurino, Edição de Som e Mixagem de Som.

6º Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures), de Theodore Melfi
HiddenFotoA história de três incríveis mulheres negras que ajudaram a NASA na corrida espacial nos anos 60 é um filme que trata de preconceito não só contra as mulheres, mas racial, também. O trio de atrizes é ótimo: Taraji P. Henson (da série “Empire”), a cantora Janelle Monáe e Octavia Spencer. Só a última que foi lembrada nas indicações, mas as 3 estão muito bem em cena. Apesar de tratar de preconceito (como disse no início), o filme é daqueles que a gente fica sempre na torcida pelos personagens e tem um tom “pra cima”, não é triste. Concorre ao Oscar 2017 em 3 categorias: Filme, Atriz Coadj. (Octavia Spencer) e Roteiro Adaptado.

7º Até o Último Homem (Hacksaw Ridge), de Mel Gibson
Andrew-Garfield-Hacksaw-RidgeFilmes de guerra não costumam me atrair, devido à extrema violência de muitos no gênero, mas como esse estava indicado, eu conferi e foi uma grata surpresa: não é apenas um filme anti-guerra, mas trata de solidariedade, coragem e amor ao próximo diante do combate. Andrew Garfield vive Desmond Doss, um rapaz que se alista para lutar na 2ª Guerra Mundial, mas que não quer usar armas. Ele deseja apenas salvar vidas. É uma história emocionante e quase que inacreditável, que mostra que a fé do personagem está em Deus e não em um dos lados do conflito. Concorre ao Oscar 2017 em 6 categorias: Filme, Direção, Ator (Andrew Garfield), Edição/Montagem, Mixagem de Som e Edição de Som.

As opiniões embutidas nos textos são dos seus respectivos autores, e não refletem necessariamente a opinião do site ou de seu editor.
Marcelo Reis
Marcelo Reis

Marcelo Reis nasceu no finalzinho dos anos 70, É jornalista por formação, assistente administrativo por ocupação e cinéfilo de coração. Apaixonado por cinema desde os 13 anos (quando uma cirurgia o obrigou a ficar 6 meses de cama), tem um carinho todo especial por musicais, dramas, comédias românticas (‘Harry & Sally – Feitos um para o Outro” é sua favorita), romances e filmes do Woody Allen. Quase sempre, se identifica do lado de cá com algum(a) personagem da telona ou da telinha.