Crítica | A Chegada (Arrival)

arrival

O que nos torna, realmente, humanos? A capacidade de discernir o certo do errado? Ou de ter empatia ou compaixão por alguém? O respeito ao próximo? Ou seriam todas essas alternativas?

“A Chegada”, sci-fi do canadense Denis Villeneuve narra a chegada de 12 naves alienígenas que pousam em diversos pontos dos EUA. Sem saber o que fazer com a bizarra situação, o governo americano convoca a jovem, mas experiente linguista Louise Banks (Amy Adams, em atuação digna de um Oscar) para tentar compreender o que os alienígenas, realmente, querem. Ela conta com a ajuda de um geólogo, Ian (o péssimo Jeremy Renner) na empreitada.

O filme poderia ser como muitos outros do gênero, repleto de naves, explosões, ataques alienígenas, mas o que se vê é uma ficção científica que fala muito mais ao humano e às emoções do que se imagina.

Baseado no conto de Ted Chiang, “Story of Your Life”, “A Chegada”  é uma elaborada história sobre como lidar com o desconhecido, sobre como compreender o outro e a si mesmo.

arrival-movie-2016-amy-adams

Se os militares norte-americanos, por um lado são céticos, por outro, a doutora e seu colega tentam, ao máximo, “ouvir” o que os “outros” realmente querem na Terra. Mas será que nós estamos realmente preparados para lidar com o desconhecido e respeitar o que – ainda – não compreendemos por completo?

Sou grande admirador de livros e filmes de ficção científica. Mesmo o gênero sendo maltratado nas telas desde sempre (é só lembrar, por exemplo, o que fizeram com best-sellers como “Tropas Estelares” e “John Carter: Entre Dois Mundos” – esse último baseado no primeiro livro de uma trilogia, intitulado “Uma Princesa de Marte”, quando ganharam suas versões cinematográficas.

É claro que não é sempre que se tem um clássico como “2001: Uma Odisseia no Espaço”, “Blade Runner”, “Contato” ou “Gravidade” para se assistir, mas se analisarmos bem, não são os robôs ou os extraterrestres que fazem desses filmes clássicos do gênero, mas sim, o fator humano.

O ser humano sendo colocado à prova de suas crenças e se abrindo ao novo, ao que é incompreensível, num primeiro momento, mas que com a sua intuição e fé saberá o que está por vir ou como agir na hora certa.

Se “A Chegada”, ao final da projeção parecer incompreensível para você, lembre-se de que nem tudo na vida se tem respostas. Pelo contrário: a vida é feita de perguntas a serem respondidas nesse plano, nesse planeta ou nessa vida.

A Chegada
Arrival
EUA. 2016.
Direção: Denis Villeneuve.
Com Amy Adams, Jeremy Renner, Forest Whitaker, Michael Stuhlbarg, Mark O’Brien, Tzi Ma.
1h56min.


 

As opiniões embutidas nos textos são dos seus respectivos autores, e não refletem necessariamente a opinião do site ou de seu editor.
Marcelo Reis
Marcelo Reis

Marcelo Reis nasceu no finalzinho dos anos 70, É jornalista por formação, assistente administrativo por ocupação e cinéfilo de coração. Apaixonado por cinema desde os 13 anos (quando uma cirurgia o obrigou a ficar 6 meses de cama), tem um carinho todo especial por musicais, dramas, comédias românticas (‘Harry & Sally – Feitos um para o Outro” é sua favorita), romances e filmes do Woody Allen. Quase sempre, se identifica do lado de cá com algum(a) personagem da telona ou da telinha.