Crítica | Esquadrão Suicida (Suicide Squad, 2016)

Um chef de cozinha tem à disposição a receita e os melhores ingredientes e produtos para fazer o prato ideal, saboroso, daqueles que deixa o cliente com um sorriso de ponta a ponta. No meio do processo algo sai errado. Quando experimentamos a refeição sentimos um misto de gosto amargo, algo fora de tom e, de vez em quando, o sabor daquele item especial.

Essa é a sensação ao ver Esquadrão Suicida, terceiro filme do universo cinematográfico da DC Comics concebido pela Warner.

O estúdio teve à disposição o diretor David Ayer, do elogiado Corações de Ferro (2014). No elenco, o carismático Will Smith, os premiados Viola Davis (Emmy pela série How to Get Away With Murder, 2014) e Jared Leto (Oscar de coadjuvante por Clube de Compras Dallas, 2013), Dois atores em ascensão: Joel Kinnaman (House of Cards) e Margot Robbie (A Lenda de Tarzan). Canções de Queen, Rolling Stones e Creedence Clearwater Revival.

Seria o Guardiões da Galáxia da Warner: filme aparentemente sem maiores pretensões, com a maioria dos personagens desconhecidos do grande público, que poderia surpreender positivamente, colorido, repleto de músicas legais e fazer muito dinheiro.

Conforme noticiado, os realizadores mexeram na montagem. Foram exibidas versões diferentes nas sessões testes nos EUA. Todas dividiram o público. O medo era que houvesse rejeição como aquela de Batman V. Superman: A Origem da Justiça. As dúvidas por onde seguir ficam evidentes na tela.

A trama acompanha a criação de um supergrupo de vilões usado pelo governo dos EUA caso alguém poderoso tipo Superman se volte contra a pátria. Em troca, os bandidos terão as sentenças reduzidas. Se não concordarem em fazer parte da “força tática”, morrem.

O resultado final é uma salada maluca entre drama, comédia e ação. Will Smith, por exemplo, faz o Pistoleiro, assassino de aluguel. Porém é impossível olhar para o ator e acreditar que ele fará ou já fez mal a alguém. A Arlequina de Margot Robbie encanta, não assusta. Em tempos de discussão sobre a diversidade em Hollywood, sobram punições para o latino e o indígena. O Coringa (Jared Leto) recebe sua pior versão nas telonas. E Magia (a fraquinha Cara Delevingne) é uma bruxa que mistura trejeitos – e uma dancinha esdrúxula – da Maligna do He-Man e da Kiusa do Jaspion. Davis e Kinnaman conseguem se sobressair em meio ao caos.

O Batman, claro, precisa aparecer. Afinal, pelo jeito a Warner considera que só assim seus filmes podem gerar bilheteria. Lembremos que Batman V. Superman originalmente seria Homem de Aço 2.

Com histórico positivo e franquias de credibilidade no currículo (Harry Potter, trilogia Batman de Christopher Nolan), a Warner parece bater um pouco de cabeça para dar um rumo ao seu DC Universe. Há diversão, poucos bons momentos. Os fãs em geral perdoam os equívocos. Até quando?

Esquadrão Suicida 
Suicide Squad. 
EUA. 2015. 
Direção: David Ayer. 
Com Will Smith, Margot Robbie, Jared Leto, Viola Davis, Cara Delevingne, Joel Kinnaman. 
123 minutos. 


 

André Azenha
Jornalista por formação, crítico de cinema, produtor cultural, pesquisador, curador, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Colaborou com críticas semanais nos jornais Expresso Popular e quinzenais no jornal A Tribuna. Colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest - Festival Internacional de Filmes de Santos, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest e PalafitaCon. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante. Atualmente participa do projeto Hora da Cultura, pela Secult Santos, levando sessões de filmes e bate-papos às escolas da rede municipal. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi. Escreveu sobre cinema para sites, jornais e revistas de Santos, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Limeira e Maceió. www.facebook.com/andreazenha01

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *