Oscar 2016 | Considerações sobre a cerimônia que consagrou Spotlight, O Regresso e Mad Max

Equipe de "Spotlight - Segredos Revelados" celebra prêmio máximo da Academia.
Equipe de “Spotlight – Segredos Revelados” celebra prêmio máximo da Academia.

Tinha preparado um texto para celebrar Sylvester Stallone caso ele ganhasse a categoria de Ator Coadjuvante por seu trabalho em “Creed: Nascido Para Lutar”. Não rolou. Seria muito legal ver o astro de quase 70 anos ovacionado como ocorreu no Globo de Ouro. Mas premiaram Mark Rylance por “Ponte dos Espiões” e não dá para dizer que foi injusto. Os cinco indicados nesta categoria fizeram excelente trabalhos. Rylance é um ator respeitadíssimo do teatro britânico e discursou elegantemente. Por outro lado, o 88º Oscar teve, como é costume, seus altos e baixos. Justiças e injustiças.

A noite foi aberta com um monólogo de Chris Rock sobre a questão da diversidade tão debatida nas últimas semanas em virtude da falta de atores e atrizes negros entre os indicados. Prova que a Academia entendeu a relevância do assunto. Por outro lado, o humorista e os produtores da festa meio que tentaram relevar um racismo inserido na indústria cinematográfica e que resultou em toda essa discussão. Chris Rock pediu mais oportunidades para os negros. Ok. Mas ironizou aqueles que boicotaram a premiação, como se Spike Lee, Will Smith e sua esposa Jada Pinkett Smith fossem “exagerados”. Ainda colocaram o ator R. Marcos Taylor, de “Straight Outta Compton – A História do N.W.A.” algemado. Uma alusão ao seu personagem no filme: o produtor Sugar Knight, que está atrás das grades na vida real. Talvez não fosse o momento certo para fazer a piada. A verdade é que o discurso de Chris Rock e as demais intervenções sobre o tema durante a premiação dividiram opiniões na imprensa e nas redes sociais.

Se “O Regresso” liderava os bolões e “A Grande Aposta” tinha vencido os sindicatos dos produtores, editores e roteiristas (a ausência de Brad Pitt na cerimônia, que produziu a atuou no filme, foi um sinal de que a produção não conseguiria muita coisa), “Spotlight – Segredos Revelados” correu por fora numa reviravolta final que surpreendeu muita gente e arrebatou a estatueta de Melhor Filme. Levou também Roteiro Adaptado. Somente um longa até hoje arrebatou a principal estatueta da noite tendo vencido apenas outra categoria: “O Maior Espetáculo da Terra” em 1953 ganhou Melhor Filme e a extinta Melhor Argumento.

Dá para entender a vitória de “Spotlight”. O longa foi eleito o Melhor Elenco pelo Sindicato dos Atores. Categoria que, no SAG, equivale ao Melhor Filme. Os atores formam uma das maiores classes de profissionais da Academia de Hollywood. O tema abordado pela trama, a pedofilia na igreja católica, poderia espantar alguns votantes mais velhinhos. Só que não. Preferiram valorizar um feito verídico da imprensa norte-americana.

A opção por “Spotlight” serve para comprovar que os acadêmicos ainda tendem a não priorizar filmes de ação, louvando os feitos técnicos do gênero, mas não o levando a sério a tal ponto de premiá-lo nas principais categorias. “Mad Max: Estrada da Fúria”, o melhor filme de 2015 para vários dos mais importantes veículos de imprensa estrangeiros, levou seis estatuetas – Edição, Desenho de Produção, Maquiagem e Cabelo, Edição de Som, Mixagem de Som e Figurino – e injustamente foi esquecido em Direção e Filme.

Em relação a “O Regresso”, que tinha o maior número de indicações (12), os votantes consideraram um excesso premiar novamente os mesmos produtores de “Birdman”, de 2015, porém reverenciaram, pelo segundo ano seguido, Alejandro González Iñárritu. O cineasta mexicano igualou a marca de John Ford e Joseph Mankiewicz. A vitória coloca o México como o país vencedor da categoria por três Oscars consecutivos: dois anos atrás Alfonso Cuarón levou por “Gravidade”. Outro mexicano, o diretor de fotografia Emmanuel Lubezki, fez história: ganhou a categoria pela terceira vez seguida.

A terceira estatueta de “O Regresso” provavelmente era a mais aguardada pelo público: Melhor Ator para Leonardo DiCaprio. O astro que venceu tudo na temporada confirmou o favoritismo, foi aplaudido com o público de pé e concebeu um dos melhores discursos da noite: sóbrio, elogiou as pessoas certas (inclusive seu mentor Martin Scorsese) e defendeu os cuidados com o meio ambiente, área a qual tem se enveredado e produziu um documentário sobre o tema. Kate Winslet apareceu emocionada e fez a alegria de milhões de fãs que se lembravam dos dois em “Titanic” e “Foi Apenas um Sonho”. Acompanhei a cerimônia ao vivo numa sala do Cine Roxy, em Santos, e assim que Julianne Moore anunciou a vitória de Léo dezenas de pessoas pularam e comemoraram como se fosse um gol do Brasil em final de Copa do Mundo.

Outra a ratificar seu favoritismo foi Brie Larson, Melhor Atriz por “O Quarto de Jack”. A jovem, certa do momento em que os holofotes do mundo se voltaram para ela, esteve simpática e solícita, cumprimentou cada uma das meninas vítimas de abuso que se apresentaram ao lado de Lady Gaga e sempre olhava para seu companheiro de cena, o menino Jacob Tremblay, promovendo alguns dos momentos mais fofos da noite. Em seu discurso, agradeceu ao público que prestigiou o longa. A única a fazer isso.

Alicia Vikander foi outra vitoriosa. A verdade é que ela coprotagoniza “A Garota Dinamarquesa” e acabou indicada como coadjuvante numa tática esperta de seus produtores. Rouba a cena no filme e se esqueceu de citar o namorado Michael Fassbender (indicado por “Steve Jobs”) na hora de discursar.

Para os cinéfilos, valeu mesmo a pena ver o mestre Ennio Morricone ser ovacionado ao receber o prêmio de Trilha Sonora por “Os Oito Odiados”. Ele já tinha recebido um Oscar Honorário e recentemente colocou as mãos na Calçada da Fama de Hollywood. Muito legal vê-lo sentado ao lado de outro gênio da área, John Williams, que ficou extremamente feliz pela vitória do colega. Em efeitos visuais, o independente “Ex Machina”, estrelado por Vikander e Oscar Isaac (“Star Wars: O Despertar da Força”) surpreendeu. O filme foi lançado direto em home vídeo no Brasil e pouca gente teve chance de assisti-lo, num visível erro de julgamento dos distribuidores no país.

Já para melhor canção inacreditavelmente premiaram a sem graça “Writing’s On The Wall”, de “007 Contra Spectre”, interpretada por Sam Smith. Isso minutos depois da memorável apresentação de Lady Gaga para a belíssima “Til it Happens to You”, do documentário “The Hunting Ground”. Bola fora da Academia. Em 2015, a cantora pop emocionou o mundo ao homenagear os 50 anos do clássico “A Noviça Rebelde” e ser recebida pelo mito Julie Andrews.

Infelizmente não foi dessa vez que o Brasil ganhou um Oscar. Apesar do esforço do diretor Alê Abreu em divulgar “O Menino e o Mundo”, “Divertida Mente” foi o preferido na categoria Longa de Animação. Ao menos na categoria Curta de Animação, o eleito foi o chileno “A História de um Urso”.

Dos momentos esquisitos, fica a figurinista vencedora por “Mad Max: Estrada da Fúria”, Jenny Beava, que subiu ao palco usando jaqueta de couro e atraiu olhares um tanto incrédulos dos presentes, especialmente de Iñarritu, momento que virou meme nas redes sociais.

De modo geral, a cerimônia foi concisa, enxuta, pareceu fluir mais que edições recentes e premiou bons trabalhos. Desde que o número de indicados para a principal estatueta subiu, essa provavelmente foi a que teve o melhor nível de produções indicadas. Polêmico, injusto ou não, o Oscar continua a premiação mais importante do cinema, que mexe não apenas com os filmes, mas a indústria da moda, a imprensa, e rende diversos debates nos dias seguintes: dos comentários contidos da atriz Glória Pires, que geraram piadas na internet e uma resposta muito elegante da atriz em sua página no Facebook, à tiração de sarro com o dublador da TNT que disse “boicoitar” (com “i” na segunda sílaba, isso mesmo) mais de uma vez.

Aqui em Santos a cerimônia exibida na telona do cinema reuniu centenas de pessoas que se divertiram, gritaram, sorriram e vaiaram premiações, falas e cenas da cerimônia. Só o Oscar para promover um encontro tão especial como esse. Dias antes, houve a Palestra com o amigo Waldemar Lopes, também lotada. Ano que vem, se tudo der certo, estaremos de volta.

Lista completa de vencedores:

ROTEIRO ORIGINAL
“Ponte dos Espiões”
“Ex Machina: Instinto Artificial”
“Divertida Mente
“Spotlight: Segredos Revelados” – Vencedor
“Straight Outta Comptom -– A História de N.W.A.”

ROTEIRO ADAPTADO
“A Grande Aposta” – Vencedor
“Brooklyn”
“Carol”
“Perdido em Marte”
“O Quarto de Jack”

ATRIZ COADJUVANTE
Jennifer Jason Leigh, “Os Oito Odiados”
Rooney Mara, “Carol”
Rachel McAdams, “Spotlight”
Alicia Vikander, “A Garota Dinamarquesa” – Vencedora
Kate Winslet, “Steve Jobs”

FIGURINO
“Carol” – Sandy Powell
“Cinderella” – Sandy Powell
“A Garota Dinamarquesa” – Paco Delgado
“Mad Max: Estrada da Fúria” – Jenny Beavan – Vencedora
“O Regresso” – Jacqueline West

DESIGN DE PRODUÇÃO
“Ponte dos Espiões”
“A Garota Dinamarquesa”
“Mad Max: Estrada da Fúria” – Vencedor
“Perdido em Marte”
“O Regresso”

MAQUIAGEM E CABELO
“Mad Max: Estrada da Fúria” (Lesley Vanderwalt, Elka Wardega e Damian Martin) – Vencedor
“The 100-Year-Old Man Who Climbed out the Window and Disappeared” (Love Larson e Eva von Bahr)
“O Regresso” (Siân Grigg, Duncan Jarman e Robert Pandini)

FOTOGRAFIA
“Carol” (Ed Lachman)
“Os 8 Odiados” (Robert Richardson)
“Mad Max: Estrada da Fúria” (John Seale)
“O Regresso” (Emmanuel Lubezki) – Vencedor
“Sicário: Terra de Ninguém” (Roger Deakins)

MONTAGEM
“A Grande Aposta” (Hank Corwin)
“Mad Max: Estrada da Fúria” (Margaret Sixel) – Vencedora
“O Regresso” (Stephen Mirrione)
“Spotlight: Segredos Revelados” (Tom McArdle)
“Star Wars: O Despertar da Força” (Maryann Brandon e Mary Jo Markey)

EDIÇÃO DE SOM
“Mad Max: Estrada da Fúria” – Vencedor
“Perdido em marte”
“O Regresso”
“Sicário: Terra de Ninguém”
“Star Wars: O Despertar da Força”

MIXAGEM DE SOM

“Ponte dos Espiões”
“Mad Max: Estrada da Fúria” – Vencedor
“Perdido em Marte”
“O Regresso”
“Star Wars: O Despertar da Força”

EFEITOS VISUAIS
“Ex Machina” – Vencedor
“Mad Max: Estrada da Fúria”
“Perdido em Marte”
“O Regresso”
“Star Wars: O Despertar da Força”

CURTA DE ANIMAÇÃO
“Bear Story” – Vencedor
“World of Tomorrow”
“Prologue”
“We Can’t Live Without Cosmos”
“Os Heróis de Sanjay”

ANIMAÇÃO
“Anomalisa”
“O Menino e o Mundo”
“Divertida Mente” – Vencedor
“Shaun, o Carneiro”
“As Memórias de Marnie”

ATOR COADJUVANTE
Christian Bale, “A Grande Aposta”
Tom Hardy, “O Regresso”
Mark Ruffalo, “Spotlight – Segredos Revelados”
Mark Rylance, “Ponte dos Espiões” – Vencedor
Sylvester Stallone, “Creed: Nascido Para Lutar”

DOCUMENTÁRIO EM CURTA-METRAGEM
“Body Team 12”
“Chau, beyond the Lines”
“Claude Lanzmann: Spectres of the Shoah”
“A Girl in the River: The Price of Forgiveness” – Vencedor
“Last Day of Freedom”

DOCUMENTÁRIO
“Amy” – Vencedor
“Cartel Land”
“The Look of Silence”
“O Que Aconteceu, Miss Simone?”
“Winter on Fire”

CURTA-METRAGEM
“Ave Maria”
“Day One”
“Everything Will Be Okay (Alles Wird Gut)”
“Shok”
“Stutterer” – Vencedor

FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
“O Abraço da Serpente” (Colômbia)
“Cinco Graças” (França)
“O Filho de Saul” (Hungria) – Vencedor
“Theeb” (Jordânia)
“A War” (Dinamarca)

CANÇÃO ORIGINAL
“Earned It”, de “Cinquenta Tons de Cinza” (Abel Tesfaye/Ahmad Balshe/Jason
Daheala/Stephan Moccio)
“Manta Ray”, de “A Corrida contra a Extinção” (J. Ralph/Antony Hegarty)
“Simple Song #3”, de “Juventude” (David Lang)
“Til It Happens To You”, de “The Hunting Ground” (Diane Warren/Lady Gaga)
“Writing’s On The Wall”, de “007 contra Spectre” (Jimmy Napes/Sam Smith) – Vencedor

TRILHA SONORA ORIGINAL
“Ponte dos Espiões” (Thomas Newman)
“Carol” (Carter Burwell)
“Os Oito Odiados” (Ennio Morricone) – Vencedor
“Sicário: Terra de Ninguém” (Jóhann Jóhannsson)
“Star Wars: O Despertar da Força” (John Williams)

DIREÇÃO
Adam McKay, “A Grande Aposta”
George Miller, “Mad Max: Estrada da Fúria”
Alejandro G. Iñarritu, “O Regresso” – Vencedor
Lenny Abrahamson, “O Quarto de Jack”
Tom McCarthy, “Spotlight: Segredos Revelados”

ATRIZ
Cate Blanchett, “Carol”
Brie Larson, “O Quarto de Jack” – Vencedora
Jennifer Lawrence, “Joy: O Nome do Sucesso”
Charlotte Rampling, “45 Anos”
Saoirse Ronan, “Brooklyn”

ATOR
Bryan Cranston, “Trumbo – Lista Negra”
Leonardo DiCaprio, “O Regresso” – Vencedor
Eddie Redmayne, “A Garota Dinamarquesa”
Michael Fassbender, “Steve Jobs”
Matt Damon, “Perdido em Marte”

FILME
“A Grande Aposta”
“Ponte dos Espiões”
“Brooklyn”
“Mad Max: Estrada da Fúria”
“Perdido em Marte”
“O Regresso”
“O Quarto de Jack”
“Spotlight – Segredos Revelados” – Vencedor

André Azenha
Jornalista por formação, crítico de cinema, produtor cultural, pesquisador, curador, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Colaborou com críticas semanais nos jornais Expresso Popular e quinzenais no jornal A Tribuna. Colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest - Festival Internacional de Filmes de Santos, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest e PalafitaCon. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante. Atualmente participa do projeto Hora da Cultura, pela Secult Santos, levando sessões de filmes e bate-papos às escolas da rede municipal. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi. Escreveu sobre cinema para sites, jornais e revistas de Santos, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Limeira e Maceió. www.facebook.com/andreazenha01

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *