Os 15 melhores filmes de animação da DC Comics

"Liga da Justiça Vs. Novos Titãs".
“Liga da Justiça Vs. Novos Titãs”.

 

Foram divulgados recentemente pela DC Entertainment imagens e vídeos de seu novo longa-metragem animado: “Liga da Justiça Vs. Jovens Titãs”. Se no cinema teremos o confronto de gigantes dos quadrinhos em “Batman V. Superman”, em home vídeo o público poderá conferir o duelo entre as equipes de heróis mais populares da editora.

A expectativa é alta: a produção reunirá dubladores conhecidos dos fãs. Jerry O’Connell (“Piranha 3D”) é Superman, Jason O’Mara (“Terra Nova”) faz Batman, Rosario Dawson (“Demolidor” e “Jessica Jones”) dá voz à Mulher Maravilha, entre outros nomes famosos das telinhas.

Pessoas questionam a Warner/DC por não ter conseguido, ainda, conceber um universo cinematográfico como fez a Marvel, e reclamam de “Lanterna Verde” (2011) e “Superman, O Retorno” (2006). Mas não podem se queixar quando o assunto é animação em home vídeo. No segmento, a empresa desenvolveu um selo de qualidade. Herança das animações que marcaram época nos anos 90 produzidas por Bruce Timm,  um orquestrador de filmes antes de Kevin Feige fazer algo parecido com o Marvel Studios no cinema.

A seguir, um guia daqueles que são os 15 melhores filmes de animação da DC Comics. Nos anos 80, longas animados de He-Man e Transformers foram lançados nas telonas. Com a evolução tecnológica, a computação gráfica, a captura de performance, animações “artesanais” passaram a ser lançadas diretamente em home vídeo. No entanto, as indicações abaixo não fariam feio se fossem exibidas em salas de projeção. Uma delas, inclusive, passou e até hoje é lembrada como uma das melhores versões do Batman fora dos gibis: “A Máscara do Fantasma”.

Há filmes que não entraram na lista, mas poderiam: “Batman: O Mistério da Mulher-Morcego” (2003), “Superman Contra a Elite” (2012), “Crise nas Duas Terras” (2009), “Lanterna Verde: Primeiro Voo” (2009), “Superman & Batman: Apocalipse” (2010), “Batman Contra o Capuz Vermelho” (2010) e “Liga da Justiça: Ponto de Ignição” (2013). “A Morte do Superman” (2007) é exceção à regra e não agradou com suas diversas reviravoltas.

Veja o top 15:

batmanmrfreezeBatman e Mr. Freeze: Abaixo de Zero (1998)
Mr. Freeze vive no ártico com sua esposa conservada criogenicamente. Quando um submarino destrói a cápsula que a mantinha congelada, ele enlouquece com a ideia de perdê-la e sai à procura de uma doadora de tipo sanguíneo compatível para substituir seu coração. O alvo é Barbara Gordon, filha do comissário Gordon, também conhecida como Batgirl. Sequestrada, fica a mercê de Batman e Robin resgatá-la. O bom roteiro faz o espectador entender as motivações do vilão, que luta por seu amor. Mesmo que, para salvá-la, precise ferir inocentes.

Batman – A Máscara do Fantasma (1993)
Os sucessos dos filmes de Tim Burton fizeram a Warner/DC planejarem a famosa e celebrada série animada do Batman. Também foi produzido um longa de animação distribuído em circuito selecionado nos EUA, para o Natal: “Batman – A Máscara do Fantasma”, de 1993. Mais sombria, a animação, por incrível que pareça, conseguiu captar melhor o espírito das histórias do personagem que os filmes live-action. A trama apresenta um misterioso vilão que assassina os mafiosos de Gotham. Enquanto isso, o Coringa também está à solta. Com flashbacks que mostram sua origem e o treinamento para Bruce Wayne se tornar o herói, o longa inclui um interesse amoroso e antecipa um pouco do que seria mostrado em “Batman Begins”. Até hoje, é uma das histórias preferidas dos fãs fora dos quadrinhos.

Batman Ano Um (2011)
A Warner passou a produzir longas animados, que adaptam fielmente histórias em quadrinhos que marcaram época. “Ano Um” é um deles e segue passo a passo a obra criada por Frank Miller (roteiro) e David Mazzucchelli (Demolidor) nas HQs, mostrando os primeiros doze meses de atividades do homem-morcego.

Batman: Ataque ao Arkham (2014)
Muito se tem falado sobre o vindouro filme do “Esquadrão Suicida”, formação que reúne supervilões da editora DC Comics que aceitam missões quase impossíveis propostas pelo governo dos EUA em troca da redução de suas penas. Um episódio da série “Arrow” já mostrou um pouco do grupo, dentro do universo televisivo proposto pelo canal CW – o mesmo de “Flash”. No entanto, há um longa de animação que traz uma bela versão do esquadrão: é “Batman: Assalto ao Arkham”, baseado nos games do Cavaleiro das Trevas. Apesar do homem-morcego aparecer e estar no título, ele é coadjuvante na trama. O protagonista é o Pistoleiro, que lidera o time de vilões completado por Arlequina (com quem ele passa uma noite, deixando o Coringa furioso), Capitão Bumerangue, Tubarão Rei, Nevasca e Aranha-Negra. Todos sob o comando de Amanda Waller.  Não é um desenho para crianças. Há sensualidade em boas doses e violência. Tudo bem amarrado numa história que envolve ainda o Charada.

gothamknight_05Batman: O Cavaleiro de Gotham (2008)
Em 2003, para tapar alguns buracos na trama da série “Matrix”, a Warner Bros. lançou no mercado de home vídeo a animação “Animatrix”, cuja história se passava entre o primeiro filme da franquia e “Matrix Reloaded”. Mais ou menos da mesma forma, a empresa colocou no mesmo mercado de home vídeo  “Batman – O Cavaleiro de Gotham”, compilação de seis curtas-metragens com histórias que se desenrolam entre “Batman Begins” e “Batman – O Cavaleiro das Trevas”. Para tentar manter a qualidade dos filmes, foram convocados os mesmos produtores das duas últimas produções do personagem da DC Comics para o cinema, e vários roteiristas experientes em obras sobre o homem-morcego. As animações foram realizadas no estilo anime japonês, contando com quatro dos melhores estúdios do gênero no país do sol nascente: Madhouse,  que fez “Paprika”, Studio 4°C do urbano “TekkonKinkreet”, Production I.G. do clássico cyberpunk “Ghost in the Shell” e o Bee Train Inc., de “Blade of the Immortal”. Se os seis curtas não chegam a acrescentar muito às tramas cinematográficas, ao menos os realizadores mantiveram o clima soturno dos filmes, e as explicações para cada acontecimento, no intuito de tornar verossímil as trajetórias dos personagens. Desse modo podemos assistir como Bruce Wayne aprendeu a superar tanta dor em combate e como teria surgido um de seus maiores inimigos, o Crocodilo. Os desenhos mantém características dos atores Christian Bale e Morgan Freeman, respectivamente Bruce Wayne e Lucious Fox. Apenas o mordomo Alfred não mantém nenhuma característica de Michael Caine, lembrando muito mais o desenho dos gibis. Aliás, nenhum deles dublou nesta edição. Mas vale assistir, principalmente se você é fã do “cruzado de capa” e está disposto a conferi-lo sob uma perspectiva diferente.

Batman: O Cavaleiro das Trevas – Partes 1 e 2 (2012)
Apesar do título, “O Cavaleiro das Trevas” de Christopher Nolan exibido nos cinemas não tinha quase nada das HQs. A adaptação fiel ficou para este longa dividido em duas partes e que transporta para a tela tudo o que levou a versão impressa a fazer sucesso. Dos traços ao roteiro à animação, a obra satisfaz os fãs e apresenta o Batman voltando da aposentadoria para acabar com o caos em Gotham City. Não é indicada para crianças, pois não faltam momentos violentos e mortes.

batmanvrobinBatman Vs. Robin (2015)
Damian, filho de Bruce Wayne, não é uma criança comum. Agora sob o manto de Robin, o garoto que foi criado na Liga das Sombras tenta atuar ao lado de Batman. Ainda que seja teimoso e tenha acessos de fúria. Enquanto investiga uma cena do crime, Robin encontra uma figura misteriosa, Talon, que o conduz às profundezas da sociedade secreta de Gotham, conhecida como A Corte das Corujas. Cabe ao homem-morcego descobrir a organização e impedir que o filho retorne ao mundo do crime. Violenta, a animação que dá sequência a “O Filho do Batman” adapta dois arcos famosos dos quadrinhos.

O Filho do Batman (2014)
O Exterminador assassina Ra’s al Ghul, líder da Liga das Sombras. Thalia, filha da vítima, teme pela vida de Damian, seu filho com ninguém menos que Batman. Cabe ao homem-morcego compreender a nova situação e lidar com o ímpeto violento da criança. Repleto de ação, o filme tem momentos bem humorados – Bruce esboça um sorriso ao ver a habilidade do filho – e presenças de outros personagens conhecidos: Comissário Gordon e Asa Noturna.

Grandes Astros: Superman (2011)
Adaptação da aclamada história em quadrinhos criada por Grant Morrison e Frank Quitely. Lex Luthor planeja matar o seu maior rival: ao tentar resgatar um grupo de pesquisa prestes a ser consumido pelo Sol, Superman tem suas células sobrecarregadas de energia solar. Resta ao último filho de Krypton pouco tempo de vida. Nesse período, ele precisará preparar o mundo para sua ausência e lidar com uma série de fatores, inclusive dois outros kryptonianos. Não faltam momentos dramáticos e até poéticos nesta animação, cujo desfecho emociona os fãs.

cavaleirosesmeraldaLanterna Verde: Cavaleiros Esmeralda (2011)
Hal Jordan prepara uma jovem pupila para seguir seus passos, relatando a ela as aventuras de diversos outros Lanternas Verdes espalhados pela galáxia, em seis contos. Superior a “Primeiro Voo”, essa compilação mostra mais sobre outros cavaleiros da Tropa, inclusive Mogo, o planeta vivo.

Lego Batman: O Filme – Super Heróis se Unem (2013)
Antes de “Uma Aventura Lego” conquistar os cinemas em 2014, Batman apareceu nesta paródia dos filmes de super-heróis, que mostra o homem-morcego atuando ao lado de Robin e chamando atenção do menino prodígio a todo momento. Divertida, transforma clichês das HQs em piadas e gags inteligentes, descontraídas, capaz de alegrar crianças e envolver os fãs das HQs. A relação entre Batman e Superman é hilária e outros personagens da Liga aparecem. Depois seriam produzidas outras animações nestes moldes, colocando os heróis contra o Bizarro e a Legião do Mal.

Liga da Justiça: A Nova Fronteira (2008)
O filme não tem ligação alguma com a cronologia nem com a forma como são desenhados os personagens da Liga da Justiça na antiga e elogiada série de tevê, que já rendeu outros DVDs. Inspirada na graphic novel de Darwyn Cooke, a animação possui traços de acordo como eram desenhados os personagens nos anos 50 e é um verdadeiro presente para os fãs da DC, mas também pode ser apreciada pelo público geral – a história tem começo e fim (não precisamos esperar pela continuação para entender tudo). Quem dirige é Dave Bullock, que também foi diretor na série “Star Wars – The Clone Wars”, episódios da série animada do Homem-Aranha e já havia trabalhado no departamento de arte de seriados de animação sobre heróis, como Batman (1997-98), Superman (1997-99), He-Man (2002), Os Novos Titãs (2003-05), a própria Liga da Justiça (2005-06) e Mulher-Gato (09). A trama narra a origem do principal grupo de super-heróis da DC Comics. Estamos nos anos 50, e a paranoia com a Guerra Fria faz os militares temerem inclusive os seres super poderosos que atuam ao lado do bem. Além disso, uma criatura alienígena surge para devastar o planeta e some com o Superman. Tal situação já foi abordada de forma parecida em outras ocasiões, inclusive a série. Ou seja, o grupo nasce após Super-Homem não dar conta sozinho dos vilões. Assim, reúnem-se Batman, Mulher-Maravilha, Flash, Aquaman, Lanterna Verde, o marciano Ajax, e tantos outros. Outro destaque dessa bela edição é o documentário “Super-Heróis unidos: A História completa da Liga da Justiça”, que tem depoimentos de profissionais que trabalharam em todas as fases do grupo nos gibis.

Liga da Justiça: Guerra (2014)
Baseada na linha do tempo dos Novos 52, segue a origem da Liga da Justiça, criada, assim como em outras versões, para deter um inimigo maior. No caso, Darkseid. É mantida a tradição de que inicialmente heróis se desentendem para depois se unir. A formação traz Superman, com personalidade mais decidida e até irônica, Batman, Mulher Maravilha, Flash, Lanterna Verde, Cyborg e Shazam.

wwoman_12_capaMulher-Maravilha (2009)
Para dar vida à trama, foi escalada uma diretora experiente em animações da DC, Lauren Montgomery, que já fez episódios dos desenhos animados da Legião de Super-Heróis e do Superman, e um bom elenco para dublar os personagens, destacando Keri Russell (ganhadora do Globo de Ouro pela sua atuação na série de tevê “Felicity”), como a protagonista, e Alfred Molina, que comprova ser ideal para viver vilões ao dar voz ao inimigo Ares (ele já havia interpretado um vilão oriundo das HQs, no segundo filme live action do Homem-Aranha). A trama que mescla bem ação e comédia romântica tem início na mística ilha de Themyscira, onde as Amazonas, guerreiras fortes e orgulhosas, vivem sem a presença dos homens, a quem julgam corruptos. Mas uma traição dentro da ilha liberta Ares, o Deus da Guerra, e a Princesa Diana precisa capturá-lo antes que ele destrua o mundo. Com a ajuda do piloto Steve Trevor, que sofreu um acidente aéreo e foi parar na ilha, Diana segue Ares até os EUA, e lá se torna a Mulher-Maravilha. Curiosamente, Mulher-Maravilha já tivera sua origem contada na estréia da elogiada série de tevê animada da Liga da Justiça, pois era a única dos três heróis mais famosos da DC (os outros são Superman e Batman), que, até então, ainda não fora retratada em seus primeiros passos numa animação. Mas os equívocos daquela origem são corrigidos aqui.

Superman & Batman: Inimigos Públicos (2009)
Versão em animação da história em quadrinhos de Jeph Loeb e Ed McGuiness. A trama reúne os melhores do mundo sendo caçados por um grupo de superpoderosos reunidos por Lex Luthor. Presidente dos EUA, o vilão joga a opinião pública contra o homem de aço, culpando-o pela aproximação de um asteroide de kryptonita.  A ação é quase ininterrupta e vale a pena ver tantos personagens juntos. Teve uma continuação: “Superman & Batman: Apocalipse” (2010), que mostra a Supergirl manipulada por Darkseid.

"Superman e Batman: Inimigos Públicos".
“Superman e Batman: Inimigos Públicos”.

 

André Azenha
Jornalista, crítico de cinema, produtor cultural, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Escreve uma coluna semanal, aos sábados, para o jornal Expresso Popular, colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante, em Santos. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *