007 Contra Goldfinger – 50 anos

“Gooooldfiiinger, his the man; the man of midas touch… A spider touch”. Assim  interpretava com  grande eloquência  Dame Shirley Bassey, grande cantora popular a convite do maestro John Barry, dando início ao filme que deu o tom, a direção de sucesso aos  filmes de James Bond.

Uma pré-sequencia de ação seguida de um clipe inicial de créditos  e uma canção-tema, lindas e estonteantes mulheres, locações exóticas ao redor do mundo e um super vilão com   um super capanga e um plano mirabolante… Foi em “Goldfinger” que tudo aconteceu e um jovem irlandês de 14 anos chamado Pierce Brosnan decidiu que queria um dia ser James Bond – fato que acabou acontecendo em  fevereiro de 1995, mas isso é assunto para depois. Porque agora  é pure gold!!

“007 Contra Goldfinger” é o terceiro filme da franquia; antes “Dr. No” (1962) e “From Russia With Love” (1963). Dirigido por Guy Hamilton, foi a base da “bondmania” junto com os dois filmes anteriores.

Os cinemas funcionavam 24 horas sem interrupção das sessões. Filas de dobrar  os quarteirões eram formadas. E é considerado até hoje um dos melhores filmes da série: ganhou Oscar em 1965 de melhor edição de som, e foi indicado também ao Grammy por melhor canção..

Coleciona momentos, cenas e diálogos antológicos. Vamos a algumas delas: a garota morta  e nua  toda pintada de tinta dourada; Odjjob, o guarda-costas  coreano impecável de terno e seu letal chapéu coco cortado a cabeça da estátua; Goldfinger explicando seu genial e mirabolante plano; o Aston  Martin DB 5, modelo criado pelo designer de produção Ken Adam recheado de gadjets, ideia  do próprio diretor do filme; e tantas outras que é difícil exemplificar.

goldfingerposterÉ considerado  um dos 50 filmes mais vistos do mundo e esse sucesso acabou gerando diversas séries de espionagem na TV, como por exemplo: “Get Smart”, “Agente da U.N.C.L.E.”, “The Saint”, “I Spy”. Diversos produtos como  bebidas, roupas, acessórios levaram a marca James Bond ao mundo. Todos queriam ser um agente secreto,  envolvido com  beldades, viajando sem parar.

Algumas curiosidades sobre a produção:

Ian Flemming,visitou o set de filmagens logo no início da produção nos estúdios Pinewood e morreu de infarto meses depois.

Gert Fröbe, intérprete do vilão Auric Goldfinger, não falava uma palavra em inglês. Por isso, os diálogos são curtos nas cenas em que aparece. E utilizaram dublador quando necessário.

Goldifinger foi o primeiro a ter um intérprete para  sua abertura de créditos, no caso  Shirley Bassey, que retornou em “Diamonds Are Forever” (1971) e “Moonraker” (1979). Recentemente no Oscar 2013, Bassey  cantou “Goldfinger”  em razão  das comemorações dos 50 anos da série.

O modelo Aston Martin DB 5, considerado um clássico, foi utilizado  em outros filmes da franquia, incluindo o mais recente “Skyfall”. “007 Contra Spectre” será o novo modelo , o DB 10.

O ex-campeão de westling Harold Sakata, interpretou Odjob, que sofreu  queimaduras em um das principais sequências do filme.

Honor Blackman foi a Bond-girl Pussy Galore, única em toda série que resistiu firmemente às cantadas do agente.

O orçamento foi de US$ 3 milhões e  arrecadou  US$ 812 milhões, sendo a segunda  maior bilheteria da série.

Encerrando:  vamos ao honorável diálogo entre James Bond e Auric Gondfinger:

Do you  expect  me to talk?

No Mr. Bond. I expect to die!!!

Por estes momentos, que acabei virando fã do personagem!

Alexandre Rodrigues Pamplona, Biólogo, gerente administrativo, coordenador do grupo Animelan, amante da sétima arte e bondmaníaco de carteirinha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *