Em Teu Nome, de Paulo Nascimento

Ainda que filmes sobre o período de ditadura militar no Brasil – devido à demasiada exploração do tema – contenham muitos clichês sobre a atuação das pessoas que se rebelaram contra o sistema vigente, “Em Teu Nome” consegue romper com alguns modelos e apresentar novos ângulos.

A partir de uma história real, o diretor Paulo Nascimento narra a trajetória de Boni (Leonardo Machado), um jovem de classe média, estudante de engenharia, que disposto a lutar contra o sistema, resolve participar, da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

A Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) foi fundada em 1966 por membros dissidentes da POLOP e por militares remanescentes do Movimento Nacionalista Revolucionário (MNR) com o objetivo de instaurar no Brasil um governo do tipo soviético. Tinha no seu leque de ações práticas de guerrilha urbana e de terrorismo para alcançar o objetivo maior que era a derrubada do governo dos militares. Seu modelo de política socialista seguia uma linha marxista-leninista.” (InfoEscola.com.br)

Na trama, cinco personagens sintetizam uma situação que aconteceu em diversos pontos do país, em que jovens, universitários, operários, dentre outros, organizaram-se para reestabelecer a liberdade, a democracia e, em alguns casos, propondo a luta armada para quebrar o “status quo” e instaurar no país um novo sistema político.

A primeira ação do grupo é realizar um assalto para levantar fundos para a estruturação da luta armada. Despreparados e desorganizados, assaltam, no entanto, deixam rastros, revelam seus rostos, o que ocasiona a prisão do grupo. Neste ponto, Paulo Nascimento quebra um clichê dos filmes do gênero, já que muitos apresentam uma visão romântica dos “guerrilheiros urbanos”, como se fossem super-heróis.

O protagonista do filme também é retratado com mais humanidade. É um jovem considerado burguês pelos outros integrantes do grupo, estuda engenharia, tem sua “namoradinha alienada” e constantemente se encontra num dilema sobre as pessoas, a luta armada e os rumos em que sua vida está tomando, diferente das outras películas do tema, em que todos parecem ter nascido para a revolução.

Depois do assalto brancaleonesco, Boni e o grupo são detidos, experimentam todo o repertório de tortura dos militares e posteriormente são encaminhados para um presídio em uma ilha, de onde são libertados, após serem trocados (junto com mais 65 companheiros), pelo embaixador da Suíça, que havia sido sequestrado.

Inicia-se, então, uma nova saga. Os 70 revolucionários trocados são obrigados a partir para fora do Brasil. Os amigos da VPR gaúcha rumam para o Chile, que está sob o governo de Salvador Alliende, presidente com ideais socialistas, amigo de Pablo Neruda e que os recebem. Ali, longe das torturas, Boni repensa seu “estado” revolucionário, deseja retomar sua vida. Cecília, namorada que ficou no Brasil, parte para o Chile, reencontra Boni, que repensa sua vida, constitui-se como família e, lá, têm seu primeiro filho.

Quando tudo parece se encerrar, um golpe de Estado, Alliende é deposto no dia 11 de setembro de 1973. Com isso, abrem-se as portas para os militares brasileiros/chilenos caçarem os revolucionários exilados. Assim, têm de partir, para a Argélia, com a ajuda de Miguel Arraes, país que há poucos anos havia se libertado do colonialismo francês.

O novo recomeço, novamente com outro novo choque cultural Boni e Cecília tentam se encontrar como família; mas também quanto a uma pátria física. Os ideais de luta não perecem, assim como o amor do casal, que enfrentou inúmeras situações para ficarem juntos e, ao mesmo tempo, lutarem pela democratização do Brasil.

O casal ainda ficou exilado na França, de onde iniciam o movimento pela anistia, que veio a acontecer em 1979, quando retornam às suas terras.

Outro ângulo da luta apresentado no filme “Em Teu Nome”, além da luta coletiva, o diretor Paulo Nascimento, mantém como núcleo da história o romance de Boni e Cecília, sem perder a força, nem o foco, do enredo principal que é mostrar o embate entre as forças militares versus as frentes de resistência pela democracia.

em-teu-nome-cartaz“Em teu Nome” apresenta estereótipos, mas também tem a capacidade de ampliar a visão e propor novos pensamentos sobre o período histórico no Brasil, sendo essencial para muitos jovens, que desconhecem o que e como foram os “Anos de Chumbo” no Brasil, na América Latina e as repercussões no mundo.

FICHA TÉCNICA
Direção e roteiro : Paulo Nascimento
Produtor: Diana Almeida
Ano: 2009
Gênero: Drama
Duração: 102’

ELENCO
Leonardo Machado (Boni), Fernanda Moro (Cecília), César Troncoso (Leo), Nelson Diniz (Professor), Silvia Buarque (Lenora), Marcos Paulo (Delegado PS), Julia Feldens (Dinha), Sirmar Antunes (Higino), Marcos Verza (Onório), Gilberto Perin (Major) e Jeffersonn Silveira (Sérgio).

Ricardo Flaitt (Alemão) é colunista do Cinezen Cultural, historiador e assessor de imprensa do Sindicato Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos. Autor do livro “O Domesticador de Silêncios”. Contato: ricardoflaitt@hotmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *