O Jogo da Imitação, de Morten Tyldum

Durante a segunda guerra mundial os alemães inventaram uma forma indecifrável de se comunicar usando um código chamado Enigma para criptografar suas mensagens que prenunciavam ataques e repassavam informações táticas entre os altos escalões. Só que o código não era tão indecifrável assim e depois de muito estudo e provações das mais distintas categorias uma equipe britânica liderada pelo matemático Alan Turing conseguiu a proeza de descodificar, sendo que de acordo com estudos atuais isso diminuiu a guerra em pelo menos dois anos.

“O Jogo da Imitação” (The Imitation Game, originalmente) narra essa história, além de se aprofundar na vida do personagem principal elucidando fatos tanto do seu passado quanto do futuro. O longa abocanhou oito indicações para o Oscar 2015, com destaque para categorias pesadas como melhor filme, melhor direção, melhor ator e melhor roteiro adaptado (baseado em livro de Andrew Hodges). Dirigido pelo norueguês Morten Tyldum (de “Headhunters”) é de se esperar com tantas indicações que o trabalho seja daqueles que beiram a perfeição. Mas não é bem assim.

“O Jogo da Imitação” é um filme razoável que trata de uma história espetacular. O roteiro feito pelo quase inexperiente Graham Moore é eficiente e questões técnicas como a edição nas mãos do veterano William Goldenberg (de “Argo” e “A Hora Mais Escura”) e a direção de arte com Nick Dent (“A Dama de Ferro”) alcançam o esperado nível de magnificência. Contudo, o formato escolhido pela direção para expor a trama é óbvio, redondinho, todo certinho e feito sob medida para agradar espectadores menos críticos. Isso, somado a decepção da maioria das atuações principais dificulta ainda mais a justificativa para tanto alarde.

Alan Turing é interpretado pelo excelente Benedict Cumberbach, destaque da ótima série “Sherlock” e atual queridinho da crítica. Em “O Jogo da Imitação” no entanto, ele está em grande parte apenas repetindo o papel que faz em “Sherlock”, o papel do gênio brilhante e irascível com boas quantidades de arrogância e falta de traquejo social. Keira Knightley que faz Joan Clarke, amiga de Turing, também apenas repete papéis anteriores no meio dos seus sorrisos, assim como Charles Dance como um comandante da Marinha duplica expressões e gestos do Lorde Tywin de “Game Of Thrones”.

O elenco tem outros desempenhos melhores como o de Matthew Goode como Hugh Alexander, um dos envolvidos no projeto de decodificação, e Mark Strong como Stewart Menzies, o chefe do MI6, o serviço de espionagem britânico, mas isso apenas ameniza a atuação robótica e repetitiva dos demais e a história espetacular acaba também perdendo por conta disso. Alan Turing, considerado hoje como um dos pais da computação moderna e um dos primeiros a esboçar o conceito de inteligência artificial, tinha 27 anos quando entrou na guerra e mesmo sendo fundamental para a vitória dos aliados recebeu um tratamento vergonhoso por parte do seu governo.

ojogodaimitaçãoposterHomossexual que era, foi processado por atentado ao pudor em 1952, já que ser homossexual no Reino Unido era crime na época (tal absurdo só acabou em 1967). Para fugir da prisão aceitou um tratamento de hormônios femininos e castração química, mas faleceu em 1954 com apenas 40 anos o que para muitos foi suicídio e até hoje permanece mal explicado, privando assim o mundo de muitas outras descobertas. “O Jogo da Imitação” poderia desenvolver mais esse aspecto ou a questão de “brincar de Deus” na hora da guerra, mas opta apenas em ser palatável e acaba sendo na verdade um produto bem menor do que aquilo que ambiciona demonstrar.

P.S: Nos últimos anos Alan Turing recebeu postumamente um pedido público de desculpas do governo britânico assim como um perdão oficial da Rainha Elizabeth II.

Adriano Mello Costa, apaixonado por Cultura Pop, mantêm o Coisa Pop há cinco anos, filho bastardo do antigo Cultura Direta, que hoje hiberna tranquilamente. Acha o R.E.M a melhor banda do mundo (depois dos Beatles, lógico). É viciado em cervejas escuras, pães e bandas de rock com mulheres no vocal. No mais, acredita que tudo pode sempre ser melhor do que já é...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *