A Educação e a Falta Dela

O problema maior talvez nem seja a falta, mas as conseqüências que já se vêem no dia a dia.

Depois de sairmos de um longo período de controle militar sobre o país e suas instituições, a maioria daqueles que militava para mudar o regime político e que acabou justificando a tomada do poder, decidiu viver a fase do “oba-oba”, do permissivismo e tal prática se disseminou, tendo como justificativa os anos de “repressão”.

Repressão essa, que eu e meus amigos não sentimos; ainda falávamos sobre isso há alguns meses, durante uma reunião da turma de nossa juventude, quando relembramos a liberdade com que portávamos até as nossas espingardas, viajando de trem, de Santos para Nova Peruíbe.

Íamos para o trabalho e para a escola noturna ou voltávamos, com a mesma liberdade e segurança com que também caminhávamos a qualquer hora do dia ou da noite, fosse por onde fosse…

Os serviços de informação eram eficientes e nunca tomaram gato por lebre. Ou seria o inverso?

Os militares sabiam quem era quem e reprimiam as manifestações ou os movimentos subterrâneos, que pretendiam impor um novo regime político.

Algo semelhante ao que gerou aquele movimento, mas vindo de dentro para fora, também se observa agora e a maioria dos que hoje apóia a baderna, ainda nem tinha chegado às fraldas naquela época ou, se já andasse sobre as próprias pernas, não foi capaz de ir além do oba-oba, talvez pensando que ainda fosse carnaval.

Parece que sempre andamos na contramão da história da humanidade; quando os outros estão saindo, nós estamos tentando entrar… Talvez pelo cano.

O CineZen é um site independente sobre cinema, DVD e Blu-ray, TV e eventualmente literatura, quadrinhos, teatro, música e artes plásticas, lançado em 29 de março de 2009. Tem o objetivo de informar, analisar obras e cobrir eventos dessas áreas (com atenção para a Baixada Santista), prestar serviços e atuar no incentivo ao cinema nacional.

2 thoughts on “A Educação e a Falta Dela

  1. Prezado Gama, Com sua capacidade de síntese, o amigo conseguiu, mais uma vez, produzir um texto objetivo e contundente. Sem muitas adjetivações, ele reflete um período da nossa história que, apesar dos erros cometidos, nos traz boas lembranças de liberdade e de segurança. Parabéns!

  2. Meu caro amigo Bonat

    Agradeço a sua presença, a leitura e o comentário amigo.
    Grandes verdades parecem estar ficando no esquecimento proposital ou nas tentativas de mudar o visual.
    Fraterno abraço,

    Gama.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *