A Socialdemagogia

Quando eu falo sobre a “socialdemagogia”, muitos pensam que se fala somente do regime proposto pelo atual governo federal, mas eles se enganam. Enganam-se, porque as ações da socialdemagogia são postas em prática por qualquer politiqueiro profissional, por aquele que não imagina sequer a mais remota possibilidade de deixar o úbere da rês pública.

E, é essa “gente” que vem sustentando e incentivando a baderna instituída, o desrespeito às mais simples regras de convivência social e  levando o país ao caos moral, como já se pode observar em qualquer esquina de qualquer cidade, em algum dos inúmeros desvãos palacianos, nos muitos contratos e acordos de “lesa-pátria” ou em ações de afundamento do erário, para atendimento de interesses particulares ou de grupos, através, entre outras, da prática criminosa e usual dos “aditamentos” contratuais.

“Embolsa-se” tudo, em nome do lucro fácil e da permanência no poder.

Todas as tendências políticas, todos os velhos discursos e até o mais sólido pensamento social, se corrompem em nome da nova ordem, que nada mais faz que distrair a atenção de todos os grupamentos humanos, despertando da pequena à grande cobiça, “fazendo” aliados entre os profissionais da demagogia e, até entre os demagogos de ocasião, todos de olhos postos nas entrepernas da já combalida “rês pública”.

Não; eu não me pauto pelas notícias dos jornais e nem da televisão, que não tem a minha audiência.

Eu vou dando tento ao meu espírito de observação, ao meu raciocínio e às cenas todas que me vêm aos olhos no caminhar pelas ruas e pela orla da minha cidade.

Vejo – e todos poderiam ver, se capacidade ou vontade houvesse – como “investem” em obras públicas mal intencionadas, mal estruturadas, mal acabadas e superfaturadas.

Como seguem investindo na compra do silêncio dos tolos e acomodados ou na aquisição do apoio dos “bem” intencionados .

Como “investem”, qual abutres, sobre a estrutura moral de uma política de boteco, em uma cidade que já foi tida como exemplo de politização e de luta pelo justo, sem esquecer o direito.

Hoje, vê-se apenas o avesso.

O mingau desanda, desanda em todos os níveis da estrutura federativa (feder ativa), vai do topo aos estados e se esparrama pelos municípios, como um mar de imundícies que quase todos engolimos calados; cômoda ou interesseiramente calados.

Os pequenos roubos e furtos também se evidenciam no dia-a-dia dos “escritórios” de compra de ouro, que se multiplicam como se vivêssemos em uma região aurífera. Todavia ninguém vê; e, se vê, cala.

Razões?

Ah, as razões!

As razões são as mesmas que passam pelas mesas e cadeiras invisiveis em cada calçada, em cada esquina…

Pelas areias das praias santistas – dia ou noite – o que se vê são caçadores de corruptos…

Não! Daqueles outros não se pega.

Nos “arrastos” muitos e diários, vêm peixes miúdos e outros seres do mar; nos outros “arrastos”, também tão comuns, vão celulares, brincos, anéis e até alianças… Quando não vai a vida. O crime tem aliados!

Nas noites de verão escaldante, os caminhões de coleta transitam pela areia de forma a satisfazer os sonhos vãos de pilotos profissionais em carros de corrida…Um dia acontece…Um homicídio culposo!

A culpa é de todos…Nós.

Nós-cegos e enroscos propositais, legais. Legal!

Legal, no meio de tudo isso, é você ir tomar água de coco e se deparar com um “trio exemplo”. Um pai, uma mãe e um filho adolescente, cuja educação e comportamento acabam merecendo um cumprimento.

Acabamos todos emocionados.

Enfim, nem tudo está perdido!

O CineZen é um site independente sobre cinema, DVD e Blu-ray, TV e eventualmente literatura, quadrinhos, teatro, música e artes plásticas, lançado em 29 de março de 2009. Tem o objetivo de informar, analisar obras e cobrir eventos dessas áreas (com atenção para a Baixada Santista), prestar serviços e atuar no incentivo ao cinema nacional.

2 thoughts on “A Socialdemagogia

  1. Carlos Gama, um olhar critico com uma alma cheia de sensibilidade. .. Parabéns por estar sempre atento!

  2. Bom dia, Izildinha!
    Agradeço a leitura e o comentário.
    Precisamos, mesmo, estar cada vez mais atentos.
    Infelizmente, não é o que acontece com a maioria preguiçosa ou alheada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *