Os rumos da humanidade

Cena do filme "Pink Floyd The Wall" dirigido por Alan Parker, 1982 (Foto: Divulgação)

Os rumos da humanidade parecem ser os mesmos de uma manada de gado estourada, desembestada…

Políticos de todo o mundo se acolhem, se acomodam dentro de princípios teóricos direitos ou esquerdos, mas são raros os que andam certo, os que se preocupam com o bem comum.

Alguns povos pregam a paz entre outros povos enquanto guerreiam com outros, sem justificativas outras que promover a harmonia, enquanto saqueiam o subsolo do vizinho e destroem riquezas culturais construídas em séculos de história.

Povos sobrevivem – quando conseguem – na mais extrema miséria, dominados pelas doenças e pela fome, enquanto seus governantes ostentam luxo descabido e imoral.

Alguns apregoam as vantagens do comunismo, enquanto vivem no luxo e no ócio proveitoso, proporcionado pelos cofres públicos. Outros defendem as vantagens do capitalismo, pregam respeito aos bens pessoais, enquanto saqueiam os mesmos cofres públicos sempre arrasados pelos ataques de mutantes grupos de corsários. Todos superfaturam obras essenciais e compartilham os lucros com financiadores de campanhas eleitorais…Imorais!

Enquanto homens públicos se fartam de caviar e champanhe com dinheiro desviado, deslavadamente furtado, os mais humildes perecem pelas necessidades mais básicas de saúde e de alimentação.

Abrem-se os jornais e as notícias que se colhem tratam de desportistas e do movimento deles para cima e para baixo, engordando as próprias contas bancárias e enriquecendo dirigentes de agremiações. Em leilão que já não é inusitado, alguém cujo dinheiro transborda pelos caminhos da insensibilidade e da inutilidade prática, arremata por míseros cento e quatro mil dólares um par de tênis de desportista famoso, quando não paga outro tanto pela calçola de uma “atriz” decadente. É indecente!

Um policial é preso por envolvimento com o jogo do bicho – essa figura de que tanto se fala e de quem as autoridades negam a existência vista em cada esquina. Resina!

A elucidação de um homicídio se arrasta no tempo, porque a principal testemunha está viajando ou o intérprete mal interpreta o seu ofício. É vício!

O clínico mal clinica e o cirurgião não intervém porque o que ganham é pouco e eles estão insatisfeitos, transferindo a conta e o protesto para a saúde mal cuidada do paciente moribundo.

E há quem espere que eu entenda  os rumos do mundo…

O CineZen é um site independente sobre cinema, DVD e Blu-ray, TV e eventualmente literatura, quadrinhos, teatro, música e artes plásticas, lançado em 29 de março de 2009. Tem o objetivo de informar, analisar obras e cobrir eventos dessas áreas (com atenção para a Baixada Santista), prestar serviços e atuar no incentivo ao cinema nacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *