Laços, de Vitor Cafaggi e Lu Cafaggi

turmadamonicaÉ simplesmente inegável o poder que as criações de Mauricio de Sousa exerceram sobre a maior parte das crianças que viveram nos anos 80 e 90. Sim, esse fascínio também se estendeu por décadas anteriores e posteriores, mas pode-se afirmar que foi nessa faixa de anos citada que os personagens realmente se consolidaram. Depois foi cada vez mais necessário se adequar a novos tempos (e isso foi feito sabiamente, cabe ressaltar) e transformar um pouco a linha evolutiva de cada um.

Usando essas décadas como referência básica é que os irmãos Vitor e Lu Cafaggi (de “Puny Parker” e “Mixtape”, respectivamente) criaram “Laços”, o segundo álbum do projeto Graphic MSP, que objetiva dar uma oxigenada nos cinquentões personagens transferindo essa releitura para novos artistas. “Astronauta Magnetar” trouxe o viajante espacial como protagonista no ano passado sob a batuta de Danilo Beyruth alcançando um ótimo resultado. Agora é a vez de Cebolinha, Mônica, Cascão e Magali entrarem na onda.

“Laços” é uma aventura por essência e ao acabar de ler é impossível não tecer comparações com a atmosfera de filmes como “Os Goonies” de 1985 dirigido por Richard Donner ou “Conta Comigo” de 1986 dirigido pelo Rob Reiner. Remete-se até mesmo a coisas mais recentes como o excelente longa “Super 8” de 2011, onde o diretor J. J. Abrams, não por acaso, usa esse clima oitentista com bastante propriedade como um dos principais ingredientes. Contudo, “Laços” ainda consegue ir bem além.

Lançado pela Panini Comics com 82 páginas e formato grande em versões de capa dura e brochura, a história retrata um tempo diferente, um tempo que hoje ainda só se encontra vivo em grandes proporções em cidades menores. Um tempo em que as crianças brincavam e corriam pela rua arrumando confusões e não ficavam o dia todo vidradas em computadores e games. Sim, os tempos são outros e diversas situações atuais levam a isso, porém o charme desse tipo de ambientação ainda promove boas emoções.

“Laços” narra o início da amizade do quarteto de ferro de Mauricio de Sousa e os envolve em uma missão para encontrar o Floquinho, o cachorro do Cebolinha, que sumiu do nada. Com uma arte extremamente viva e capaz e um roteiro que dosa muito bem tanto a aventura em si quanto a formação de uma amizade duradora, os autores conseguem a proeza de fazer adultos sentirem uma leve e prazerosa nostalgia no coração, assim como envolver novos leitores nos meandros da turminha mais carismática do país.

P.S: Gustavo Duarte (de “Taxi”) será responsável pelo próximo álbum em quadrinhos da série, com o Chico Bento como personagem principal e que até agora é intitulada de “Pavor Espaciar”.

Adriano Mello Costa, apaixonado por Cultura Pop, mantêm o Coisa Pop há cinco anos, filho bastardo do antigo Cultura Direta, que hoje hiberna tranquilamente. Acha o R.E.M a melhor banda do mundo (depois dos Beatles, lógico). É viciado em cervejas escuras, pães e bandas de rock com mulheres no vocal. No mais, acredita que tudo pode sempre ser melhor do que já é...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *