Bom te ver

antesdopordosolEu poderia contar quase meia dúzia de nossos segredos, mas ninguém acreditaria. Poderia dizer que quase tudo é uma dança tranquila, luzes de uma festa ou teu sorriso beijando o copo de uma bebida.

Quando meu ritmo te leva para uma dança que quase sempre resgata memórias das coisas que sempre queremos perto da gente e tudo o que temos é cheiro, corpo, vontade.

Mesmo quando longe, assim tão longe que se está perto, perco-me do mundo para ver se consigo me encontrar em você. E talvez, só dessa vez, aquela vontade muda de te arrancar um beijo na frente de todo o mundo, cada fibra do corpo querendo o teu, me faça acalmar teus sonhos de menina e minha vontade de homem feito.

Bom ver teu sorriso enfeitando um varal de sentimentos. Enfeitando a rua cheia de dores. Teu aceno do outro lado da rua, se despedindo mais do que me convidando. Teus passos quase contados para irem sem rumo para longe daquela imagem que ainda guardo comigo de quando tudo isso começou. Teu talento nos registrando, nos enfeitando. Mas eu não nego que queria eu mesmo enfeitar você. Cobrir tua boca, teu corpo… Bom te ver.

Foi colunista da extinta revista digital Acerto Crítico, do ano de 2000 até seu término em 2006. Foi colunista fixo dos blogs Jovem Repórter e CulturaNI , onde abordava cultura pop, música, cinema e cotidiano cultural da Baixada Fluminense. Escreve contos no seu blog pessoal “Se Nada Mais Der Errado”. Colabora com o CineZen desde 2010. É roteirista por formação – e, por orgulho – da HQ “Cotidiano”, pela editora “Maustouche”. Escreveu o roteiro dos curtas-metragens ” Ainda bem que estamos aqui” e ” Se nada mais der errado”. É autor de “Pequenos botões e grandes blusas”, distribuído digitalmente de forma gratuita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *