Oscar 2013 | Como foi a premiação

Ben Affleck e o time de "Argo"
Ben Affleck e o time de “Argo”

A cerimônia do Ooscar 2013 confirmou algumas das previsões e reservou algumas surpresas. O anfitrião, Seth MacFarlane, agradou com suas piadas politicamente incorretas e um número musical, mas pegou um pouco pesado quando fez uma piada de mau gosto com Lincoln e uma canção sem graça sobre os seios das atrizes concorrentes. O número de abertura dele teria sido mais enxuto, sem abusar dos diálogos repetitivos com o capitão Kirk. de “Star Trek”.

Este foi sem dúvida o mais musical dos Oscars de todos os tempos! Empolgados com a indicação de “Os Miseráveis”, os produtores do show decidiram homenagear os musicais premiados da última década, ou seja, dois, pois esse é um gênero pouco lembrado na história da premiação. Para se ter uma ideia, na década de 60, só receberam o Oscar de melhor filme “Amor, Sublime Amor”, “My Fair Lady”, “A Noviça Rebelde”, “Oliver!” e depois, só em 2002, “Chicago” foi premiado. Então, foi feito um número musical com as ganhadoras do Oscar de atriz coadjuvante Catherine Zetta-Jones – repetindo seu número “All That Jazz” (“Chicago”) e Jennifer Hudson cantando “And I’m Telling You” (“Dreamgirls”). Terminando em grande estilo, o elenco de “Les Miserables” cantou um medley que incluiu a canção indicada “Suddenly”, e emocionou a plateia.

Ang Lee venceu o Oscar de Melhor Diretor por 'As Aventuras de Pi' (Foto: AFP PHOTO / JOE KLAMAR)
Ang Lee venceu o Oscar de Melhor Diretor por ‘As Aventuras de Pi’ (Foto: AFP PHOTO / JOE KLAMAR)

Brilharam também as divas Shirley Bassey, com a icônica “Goldfinger”, na homenagem ao 50 anos de James Bond, e Barbra Streisand, cantando uma de suas canções-assinatura, a belíssima “The Way We Were”, de “Nosso Amor de Ontem”, homenageando seu amigo, o grande maestro Marvin Hamlish, no final do In Memorium. A última vez que Barbra tinha se apresentado cantando na premiação foi em 1976, quando recebeu o Oscar pela canção que compôs para “Nasce uma Estrela”, o hit “Evergreen”. A excelente Norah Jones cantou a canção de “Ted” composta pelo anfitrião Seth e Adele arrasou com sua “Skyfall” e levou o Oscar de melhor canção. Este foi o primeiro dos dois Oscars para o filme de James Bond, o segundo foi de edição de som, num raríssimo empate com “A Hora Mais Escura”.

Como se esperava, “Argo” sagrou-se o grande vencedor da noite, derrotando o superindicado “Lincoln” (12 categorias), confirmando a tradição de que o filme que leva o Oscar de edição ganha o de melhor filme também. Jack Nicholson, sempre uma figura, chamou Michelle Obama, da Casa Branca, para anunciar o mais aguardado prêmio da noite. Um emocionado Ben Affleck discursou lindamente no final da festa, afirmando que não importa os tombos que se leva na carreira e sim a força para se reerguer (fazendo uma alusão aos seus fracassos na carreira, e quem sabe ao seu casamento com J Lo), lembrando que tinha estado no pódio 18 anos atrás com seu amigo Matt Damon para receber o Oscar de melhor roteiro por “Gênio Indomável” e que não tinha ideia que poderia voltar ali para tamanha honraria. Affleck, que tinha sido esnobado ao não ser indicado como diretor, teve sua doce vingança vencendo todos os prêmios do ano – Globo de Ouro, SAG, BAFTA e dos sindicatos, entra para o seleto hall dos premiados com dois Oscars.

http://www.youtube.com/watch?v=SRS9yra7UTw& Adele canta a premiada “Skyfall”

Spielberg viu seu “Lincoln” ser coroado com o Oscar de melhor ator para o incrível Daniel Day-Lewis, que bateu um recorde na categoria de melhor ator, com três prêmios – os dois anteriores foram por “Meu Pé Esquerdo” e “Sangue Negro”. Também a bela cenografia do longa foi reconhecida. E só. Spielberg teve que aplaudir de pé o igualmente grande Ang Lee, escolhido como melhor diretor pelo maravilhoso “As Aventuras de Pi”. Essa obra fantástica recebeu mais três Oscars: melhor trilha sonora, efeitos visuais e fotografia, todos merecidos.

Como se esperava, a jovem  e talentosa Jennifer Lawrence, de “O Lado Bom da Vida”  levou a melhor sobre suas colegas: a fantástica Naomi Watts em “O Impossível”; Jessica Chastain em “A Hora Mais Escura”; a mais idosa indicada da história do prêmio, a extraordinária Emannuelle Riva, em “Amor”, aniversariando na noite – 86 joviais aninhos, e a mais jovem, com somente 9 anos, a encantadora Quvenzhené Wallis, em “Indomável Sonhadora”. Jennifer ficou tão surpresa que acabou tropeçando na escada, mas nem ligou para o mico, tirou de letra com muito bom humor, disparando: “Vocês só estão me aplaudindo de pé porque caí!”

Daniel Day-Lewis vence Oscar de melhor ator por 'Lincoln' (Foto: AFP PHOTO/Robyn Beck)
Daniel Day-Lewis vence Oscar de melhor ator por ‘Lincoln’ (Foto: AFP PHOTO/Robyn Beck)

As maiores surpresas foram as vitórias – merecidas por sinal – de Christoph Waltz em “Django Livre”, novamente dirigido por Quentin Tarantino, também premiado pelo roteiro, exatamente como aconteceu com a dupla há pouco tempo atrás em “Bastardos Inglórios”. Muitos achavam, inclusive eu, que os dois não ganhariam só por terem vencido recentemente. Mas felizmente o Oscar tem essas deliciosas surpresas.

Dizia-se que ninguém tirava o Oscar de atriz coadjuvante de Anne Hathaway, e assim foi. Aplaudidíssima, a linda e jovem atriz parecia mesmo uma “princesa” que vestia Prada.  Muito emocionada, exclamou: “Finalmente!”. O Oscar de Anne foi um dos três que “Les Miserables” acabou levando. Também esperados, o Oscar de melhor filme estrangeiro ficou mesmo com o maravilhoso e difícil “Amor” e, o de animação, foi para “Valente”. Outro prêmio justo foi o de figurino para “Anna Karenina”. Concluindo, não houve aquela concentração de prêmios para um só filme como “O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei” com suas 13 estatuetas, mas o Oscar 2013 será lembrado pela democrática distribuição de estatuetas num ano muito disputado por filmes de alto nível.

Abaixo, a lista completa de premiados, destacados em negrito:

Filme
“Indomável sonhadora”
“O lado bom da vida”
“A hora mais escura”
“Lincoln”
“Os miseráveis”
“As aventuras de Pi”
“Amor”
“Django livre”
“Argo

Jennifer Lawrence vence o Oscar de Melhor Atriz por 'O Lado Bom da Vida' (Foto: AFP PHOTO/Robyn Beck)
Jennifer Lawrence vence o Oscar de Melhor Atriz por ‘O Lado Bom da Vida’ (Foto: AFP PHOTO/Robyn Beck)

Diretor
Michael Haneke (“Amor”)
Benh Zeitlin (“Indomável sonhadora”)
Ang Lee (“As aventuras de Pi”)
Steven Spielberg (“Lincoln”)
David O. Russell (“O lado bom da vida”)

Ator
Daniel Day-Lewis (“Lincoln”)
Denzel Washington (“Voo”)
Hugh Jackman (“Os miseráveis”)
Bradley Cooper (“O lado bom da vida”)
Joaquin Phoenix (“O mestre”)

Atriz
Naomi Watts (“O impossível”)
Jessica Chastain (“A hora mais escura”)
Jennifer Lawrence (“O lado bom da vida”)
Emmanuelle Riva (“Amor”)
Quvenzhané Wallis (“Indomável sonhadora”)

O ator Christoph Waltz agradece o Oscar de melhor ator coadjuvante vencido no Oscar 2013 por 'Django Livre' (Foto: Chris Pizzello/Invision/AP)
O ator Christoph Waltz agradece o Oscar de melhor ator coadjuvante vencido no Oscar 2013 por ‘Django Livre’ (Foto: Chris Pizzello/Invision/AP)

Ator coadjuvante
Alan Arkin (“Argo”)
Christoph Waltz (“Django livre”)
Philip Seymour-Hoffman (“O mestre”)
Robert De Niro (“O lado bom da vida”)
Tommy Lee Jones (“Lincoln”)

Atriz coadjuvante
Amy Adams (“O mestre”)
Anne Hathaway (“Os miseráveis”)
Helen Hunt (“The sessions”)
Jacki Weaver (“O lado bom da vida”)
Sally Field (“Lincoln”)

Roteiro original
Michael Haneke (“Amor”)
Quentin Tarantino (“Django livre”)
John Gatins (“Voo”)
Wes Anderson e Roman Coppola (“Moonrise kingdom”)
Mark Boal (“A hora mais escura”)

Quentin Tarantino recebe, das mãos de Charlize Theron, o Oscar de melhor roteiro original por 'Django Livre' (Foto: Robyn Beck/AFP)
Quentin Tarantino recebe, das mãos de Charlize Theron, o Oscar de melhor roteiro original por ‘Django Livre’ (Foto: Robyn Beck/AFP)

Roteiro adaptado
Chris Terrio (“Argo”)
Lucy Alibar e Benh Zeitlin (“Indomável sonhadora”)
David Magee (“As aventuras de Pi”)
Tony Kushner (“Lincoln”)
David O. Russell (“O lado bom da vida”)

Filme estrangeiro
“Amor” (Áustria)
“Kon-tiki” (Noruega)
“O amante da rainha” (Dinamarca)
“No” (Chile)
“War witch” (Canadá)

Animação
“Detona Ralph”
“Frankenweenie”
“ParaNorman”
“Piratas pirados!”
“Valente”

Curta-metragem de animação
“Adam and dog”
“Fresh guacamole”
“Head over heels”
“Maggie Simpson in ‘The Longest Daycare’”
“Paperman”

Edição
“Argo”
“As aventuras de Pi”
“A hora mais escura”
“O lado bom da vida”
“Lincoln”

Fotografia
“007 – Operação Skyfall”
“Anna Karenina”
“As aventuras de Pi”
“Django livre”
“Lincoln”

http://www.youtube.com/watch?v=PKM0V0L6-Lg O elenco de “Os Miseráveis” reunido na cerimônia

Efeitos visuais
“As aventuras de Pi”
“Branca de Neve e o caçador”
“O hobbit: Uma jornada inesperada”
“Prometheus”
“Os Vingadores”

Figurino
“Anna Karenina”
“Branca de Neve e o caçador”
“Espelho, espelho meu”
“Lincoln”
“Os miseráveis”

Maquiagem
“Hitchcock”
“O hobbit: Uma jornada inesperada”
“Os miseráveis”

Canção original
“Before my time”, de “Chasing ice” – J. Ralph (música e letra)
“Everybody needs a best friend”, de “Ted” – Walter Murphy (música) e Seth MacFarlane (letra)
“Pi’s lullaby”, de “As aventuras de Pi” – Mychael Danna (música) e Bombay Jayashri (letra)
“Skyfall”, de “007 – Operação Skyfall” – Adele (música e letra)
“Suddenly”, de “Os miseráveis” – Claude-Michel Schönberg (música), Herbert Kretzmer (letra) e Alain Boublil (letra)

Trilha sonora original
Dario Marianelli (“Anna Karenina”)
Alexandre Desplat (“Argo”)
Mychael Danna (“As aventuras de Pi”)
John Williams (“Lincoln”)
Thomas Newman (“007 – Operação Skyfall”)

Mixagem de som
“007 – Operação Skyfall”
“As aventuras de Pi”
“Argo”
“Lincoln”
“Os miseráveis”

Edição de som
“007 – Operação Skyfall”
“Argo”
“As aventuras de Pi”
“A hora mais escura”
“Django livre”

Nosso colaborador Waldemar Lopes foi o mestre de cerimônias na exibição ao vivo do Oscar 2013, no Cine Roxy, em Santos (Foto: Carlos Oliveira)
Nosso colaborador Waldemar Lopes foi o mestre de cerimônias na exibição ao vivo do Oscar 2013, no Cine Roxy, em Santos (Foto: Carlos Oliveira)

Design de produção
“Anna Karenina”
“As aventuras de Pi”
“O hobbit: Uma jornada inesperada”
“Os miseráveis”
“Lincoln”

Melhor curta-metragem
“Asad”
“Buzkashi boys”
“Curfew”
“Death of a shadow (doos van een schaduw)”
“Henry”

Documentário em longa-metragem
“5 broken cameras”
“The gatekeepers”
“How to survive a plague”
“The invisible war”
“Searching for Sugar Man”

Documentário em curta-metragem
“Inocente”
“Kings point”
“Mondays at Racine”
“Open heart”
“Redemption”

Waldemar Lopes é artista plástico, engenheiro mecânico, professor, cinéfilo. Anualmente realiza em Santos uma palestra beneficente sobre o Oscar, que se tornou tradicional na cidade. Também já realizou encontros sobre cinema para a Universidade Católica de Santos, Universidade Monte Serrat, Secretaria de Cultura de Santos e Rotary. Escreve para o CineZen e o 50 Anos de Cinema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *