Delta Time, de Hans Theessink & Terry Evans – 2012

Hans Theessink nasceu na cidade de Enschede na Holanda. Já Terry Evans chegou ao mundo em Vicksburg no estado do Mississipi nos EUA. Ambos percorreram seus caminhos tendo a música – mas especificamente o blues – como sustento e força motriz. Foi essa música que em 2008 uniu os dois em um bonito disco chamado “Visions”. E foi essa mesma música que em 2012 reativou esse pacto para a gravação de mais um álbum, dessa vez intitulado “Delta Time”. Isso e a admiração por Ry Cooder.Ry Cooder foi uma espécie de motivador para esse novo trabalho, ainda que indiretamente. Seus discos nos anos 70 serviram de inspiração básica, o que levou a dupla a convidá-lo para participar de“Delta Time” em três faixas. Terry Evans, que já havia trabalhado com Ry Cooder em alguns discos mais antigos, assiste novamente a classe dele destilada em acordes inspirados, como aqueles que elaboram o solo de slide em “Blue Stay Away From Me”, composição dos irmãos Delmore.

Primordialmente em formato acústico, o blues demonstrado por Theessink e Evans é forjado a partir de elementos da melhor safra do estilo. Com bandolins e banjos no meio dos violões, guitarras e harmônicas, a dupla principal ainda conta com o auxílio de Arnold McCuller e Willie Green Jr. nos vocais de fundo. Esses vocais, aliás, são tão importantes quanto os instrumentos em si. São vários os momentos em que se sobressaem, como em “Build Myself a Home” e a clássica “Honest I Do” de Jimmy Reed.

Das 13 canções que perfilam os poucos mais de 58 minutos do registro, algumas merecem um destaque especial, como a faixa-título (composição de Hans Theessink) e “The Birds And The Bees”, uma releitura para o primeiro sucesso de Terry Evans quando ainda fazia parte dos Turnarounds nos anos 60. Some-se também o petardo lamurioso e dramático de “Down In Mississippi” de J. B. Lenoir e a homenagem de mais de 10 minutos que “Mississipi” (mais uma composição do holandês) insere no final.

Com lançamento pela Blue Groove Records, “Delta Time” é um trabalho garboso e elegante, trazendo para os dias atuais um pouco da magia do velho blues, ainda envolto em nuances com tônicas acústicas. Hans Theessink com seu vocal forte e acentuado combina com requinte esse estilo com o jeito brando e mais espiritual de Terry Evans. O resultado é um disco que envolve o ouvinte na própria atmosfera e mostra que para a música não existem barreiras presunçosas como fronteiras, cores e raças.

http://www.youtube.com/watch?v=zJb7dh71kKo Assista a uma bela execução de “Delta Time”, a música que dá nome ao disco 
Adriano Mello Costa, apaixonado por Cultura Pop, mantêm o Coisa Pop há cinco anos, filho bastardo do antigo Cultura Direta, que hoje hiberna tranquilamente. Acha o R.E.M a melhor banda do mundo (depois dos Beatles, lógico). É viciado em cervejas escuras, pães e bandas de rock com mulheres no vocal. No mais, acredita que tudo pode sempre ser melhor do que já é...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *