Jornalista e crítico André Azenha lança livro Meu Namoro com o Cinema durante festival em Santos

O que faz alguém escrever sobre cinema? Deve-se manter apenas o olhar distante na hora de analisar um filme? Ou é preciso escrever com paixão? O famoso crítico musical norte-americano Lester Bangs aconselhava a segunda opção. “Meu Namoro com o Cinema” (Edições Caiçaras) traz uma compilação de textos do jornalista e editor do www.cinezen.net, André Azenha, que dão ao leitor exatamente isso: textos passionais sobre filmes igualmente intensos. São obras que miram o amor e desamor em várias possibilidades. A sessão de autógrafos acontecerá na sexta-feira, 21 de setembro, a partir das 18h30, no café do Cine Roxy 5, um dos cinemas de rua mais antigos do país, durante a programação do 10º Curta Santos.

Tal qual um namoro longo, de altos e baixos, essa é a relação entre o crítico e a arte, e os casais mostrados nos filmes aqui abordados. “A comparação é mais do que coerente: crítica de cinema e relacionamentos amorosos têm tudo a ver. Tanto em um, quanto no outro, não existem fórmulas que funcionem sempre. Pauline Kael, da revista New Yorker, talvez a maior crítica norte-americana, disse uma vez que ‘você deve usar tudo o que é e sabe’ em uma crítica. Ou seja: se doar, se colocar sempre, se mostrar por inteiro”, escreve o jornalista Gustavo Klein – editor de cultura do jornal A Tribuna, principal diário do litoral paulista – no prefácio. “Claro que, dentro desse conceito, sempre haverá os galinhas, que traem sua preferida com outras artes e deixam a sensibilidade de lado, e os românticos incorrigíveis. André Azenha demonstra, neste ‘Meu Namoro Com o Cinema’, que faz parte do segundo grupo. Um apaixonado eterno pela sétima arte, que enxerga a sua magia e a reverencia. É uma paixão que compartilho. O bom, aqui, é que não a precisamos disputar. O cinema é de todos…”, diz.

“Nesta compilação de resenhas, Azenha nos brinda com as várias fases de seu namoro, da infância em que queremos bater nos valentões da escola e ficar com a garota mais bonita (‘Karatê Kid’), passando pela adolescência festeira e pra lá de sensível (e os filmes de John Hughes), a idealização da musa inatingível (Marilyn Monroe), a dor do fim (o japonês ‘A Partida’ ou ‘Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças’) e os eternos recomeços (em ‘Rocky Balboa’). Fala também de declarações de amor impossíveis de esquecer (caso de ‘Nova York, Eu Te Amo’)”, ressalta Klein.

“O crítico, ao passar dos anos, tornou-se uma figura enxergada com olhares tortos por boa parte do público: um sujeito ‘frustrado’, ‘chato’, ‘ranzinza’, para muitos. A postura destrutiva de alguns colegas pode ter contribuído para esse olhar. Porém, antes de tudo, é preciso entender que, ao decidir tornar-se crítico, uma pessoa está se entregando de corpo e alma a algo o qual se apaixonou perdidamente. O ‘crítico’ é, primeiramente, um apaixonado”, afirma André Azenha na apresentação do livro.

——-

Trecho da obra:

(…) Meu amor ajudou inclusive nisso. Não importa se usávamos óculos, fôssemos gordinhos, CDFs. Quando nos sentíamos deslocados em relação ao que era ditado aos quatro cantos do mundo, eis que nos deparamos com uma pessoa capaz de mostrar que podíamos crescer, seguir em frente.

Existe quem nos entenda
Obrigado John Hughes, o cineasta dos adolescentes

14/08/2009

“Twist and Shout”, música de Phil Medley e Bert Russell, que ficou mundialmente conhecida na gravação dos Beatles, talvez seja mais lembrada por muita gente graças a uma cena antológica de um certo filme, que mostra um garoto em cima de um carro alegórico, durante desfile alemão por uma avenida de Chicago, e que leva milhares de pessoas a cantarem junto a canção.

O rapaz chama-se Ferris Bueller e “o” filme “Curtindo a Vida Adoidado”, clássico do cinema adolescente lançado em 1986, reprisado tantas vezes nas Sessões da Tarde e que, apesar de ter sido realizado durante os anos 80, conseguiu atrair a atenção de todas as gerações teen subsequentes.(…)

——-

“O livro é, antes de tudo, uma celebração à sétima arte. Por isso, o lançamento em um cinema e como parte de um festival”, explica.

Entre cada resenha, depoimentos de um personagem que vai amadurecendo conforme sua relação amorosa com o cinema segue em frente.

A tiragem é curta e os livros produzidos de forma artesanal. As capas, por exemplo, são feitas a partir de pôsteres de filmes cedidos pela Vídeo Paradiso.

Serviço:
Lançamento do livro Meu Namoro com o Cinema, de André Azenha

Quando: 21 de setembro, sexta, 18h30
Onde: Café do Cine Roxy 5, Av. Ana Costa, 465, Gonzaga, Santos
Valor do livro: R$ 25

André Luiz de Albuquerque Azenha é jornalista, formado em 2001. Estudou Roteiro na Escola de Cinema, na capital paulista. Foi repórter e colunista de sites, revistas e jornais de São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Limeira e Maceió. Desde 2007 é repórter da Veja Litoral Paulista. Em 2008, publicou seu primeiro livro, Poesia a Quatro Mãos”, escrito em parceria com sua mãe e poetisa Regina Azenha. Trabalhou com o crítico de cinema Rubens Ewald Filho entre 2008 e 2009. Em 2011, fez críticas de filmes para a revista Época São Paulo. Participa de e organiza oficinas de jornalismo e crítica de cinema. Trabalhou quatro anos em agências de comunicação em São Paulo. Mediou, em 2011, o ciclo Documentários Comentados, no Sesc. Ministra o projeto Cine Comunidade, pela Secretaria de Cultura de Santos, no bairro continental Caruara, com crianças carentes. É editor dos sites www.cinezen.net e www.santoscultural.net e assessor de imprensa. Lançou, em janeiro de 2011, a 1ª “Coletânea CINEZEN” – o objetivo é lançar um volume por ano.

A Edições Caiçaras, dirigida por Márcio Barreto, é uma pequena editora independente artesanal inspirada nas cartoneras da América Latina, principalmente na Sereia Ca(n)tadora de Santos e na Dulcinéia Catadora de São Paulo.  É uma forma de reavivar o ideal punk do “faça você mesmo”, incentivando a autogestão e o uso da habilidade manual. Assim,  interessa-nos ousar na forma e no conteúdo. Na forma é um aprimoramento das técnicas das cartoneras – os livros são feitos com capa dura, costurados com sisal e presos com detalhes em bambu, e no conteúdo, priorizamos um diálogo profundo com a Internet e com as literaturas locais do Brasil.

O CineZen é um site independente sobre cinema, DVD e Blu-ray, TV e eventualmente literatura, quadrinhos, teatro, música e artes plásticas, lançado em 29 de março de 2009. Tem o objetivo de informar, analisar obras e cobrir eventos dessas áreas (com atenção para a Baixada Santista), prestar serviços e atuar no incentivo ao cinema nacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *