Crítica | Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge (The Dark Knight Rises, 2012)

Batman: O Cavaleiro das Trevas (2008) transcendeu o gênero de tal maneira, que seria praticamente impossível uma continuação superá-lo. Ao anúncio de Bane como Vilão, e a presença da Mulher-Gato na história, mais as fofocas de uma possível presença de Robin na trama, fizeram o público questionar se estava por vir algo ao estilo de Homem-Aranha 3 (2007), de Sam Raimi, no qual os produtores, empolgados pelas qualidades e grandes bilheterias dos filmes anteriores, decidiram enfiar vários personagens na trama, tornando aquele o filme mais fraco da franquia aracnídea.

Após quatro anos de expectativa, Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge mostrou-se longe de ser uma decepção. Também não chega à quase perfeição dos dois outros longas.

Christian Bale in The Dark Knight Rises (2012)

É baseado, em parte, na saga A Queda do Morcego, que apresentava um vilão extremamente estratégico e forte, Bane. Nos quadrinhos, o bandido testava os limites físicos e psicológicos de Bruce Wayne até deixar Batman exausto, para “quebrá-lo”. Tanto que Bruce ficou paralítico durante um bom tempo nas HQs. No cinema, a origem de Bane e sua relação com Batman foram alteradas, porém o personagem continuou visceral e um inimigo à altura do herói.

O Batman voltando à ativa após anos parado remete à história de O Cavaleiro das Trevas, de Frank Miller.   Na trama, passaram-se oito anos desde que o cavaleiro das trevas foi visto pela última vez. Gotham parece ter alcançado a paz desejada. Parece… Bruce vive recluso em sua mansão e com problema em uma das pernas (resquício do filme anterior). Até uma ladra, Selina Kyle (Anne Hathaway) levá-lo a vestir novamente o manto. É quando entra em cena Bane, que visa tomar Gotham como parte de um plano que remete a Batman Begins (2005).

Tom Hardy in The Dark Knight Rises (2012)

O mais longo (2 horas e 44 minutos) dos três filmes dirigidos por Christopher Nolan, Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge tem segundo ato extremamente longo, e alguns pontos do roteiro que geraram polêmica entre os fãs e críticos: a citação a Robin, a morte de Thalia (Marion Cotillard), o ressurgimento de Bruce Wayne após o exílio e a forma como Bane não sabe da volta do algoz sendo que está intimamente ligado a uma outra pessoa que vê Bruce Wayne retornar.

Anne Hathaway in The Dark Knight Rises (2012)

Mostrando que o cinema é “reflexo de seu tempo”, Nolan aborda o movimento Ocuppy Wall Street – de protesto contra a desigualdade econômica e social – na sequência da Bolsa de Valores e os “revolucionários” que fingem estar ao lado do povo, mas atuam em benefício próprio. No caso, Bane.

O Cavaleiro das Trevas Ressurge conclui satisfatoriamente (apesar do final ambíguo) a trilogia e homenageia, inclusive, o longa de 1966 estrelado por Adam West com a sequência final da bomba. Joseph Gordon-Lewitt vive com firmeza o jovem policial Blake, importante na história. O elenco é novamente bom. Tom Hardy mantém o tom ameaçador frequente de Bane, Anne Hathaway está envolvente como pede Selina Kyle (a palavra “Mulher-Gato” jamais é citada), e remete à versão de Julie Newmar de 1966, Michael Caine e Morgan Freeman são os competentes de sempre. Apenas a vencedora do Oscar, Marion Cotillard, não convence como a empresária Miranda/Thalia.

Michael Caine in The Dark Knight Rises (2012)

Se a crítica ficou dividida, o público não hesitou: o filme foi grande sucesso de bilheteria arrecadando mais de US$ 1 bilhão, o segundo em seguida a chegar à marca na trilogia – depois filmes da Marvel Studios igualariam e superariam o feito.

Pena que os produtores não desenvolveram, a partir da série, o tão aguardado universo cinematográfico da DC. Nolan criou seu universo para o Batman de forma tão “fechada” que seria uma missão e tanto para os roteiristas inserir essa versão num universo maior repleto de meta-humanos.

Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
The Dark Knight Rises.
EUA, Reino Unido. 2012.
Direção: Christopher Nolan.
Com Christian Bale, Michael Caine, Gary Oldman, Tom Hardy, Joseph Gordon-Levitt, Anne Hathaway, Marion Cotillard, Matthew Modine, Ben Mendelsohn.
164 minutos.

Christian Bale in The Dark Knight Rises (2012)

Marion Cotillard in The Dark Knight Rises (2012)

Christian Bale and Tom Hardy in The Dark Knight Rises (2012)


 

André Azenha
Jornalista por formação, crítico de cinema, produtor cultural, pesquisador, curador, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Colaborou com críticas semanais nos jornais Expresso Popular e quinzenais no jornal A Tribuna. Colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest - Festival Internacional de Filmes de Santos, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest e PalafitaCon. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante. Atualmente participa do projeto Hora da Cultura, pela Secult Santos, levando sessões de filmes e bate-papos às escolas da rede municipal. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi. Escreveu sobre cinema para sites, jornais e revistas de Santos, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Limeira e Maceió. www.facebook.com/andreazenha01

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *