Kind Of Blue – Miles Davis e o álbum que reinventou a música moderna – Richard Williams

Muito provavelmente “Kind Of Blue” é o disco de jazz mais conhecido de todos os tempos. Com ele, Miles Davis recondicionou o estilo e a própria carreira e desde que foi lançado nos Estados Unidos, em 17 de agosto de 1959, recebeu reedições diversas, além de textos e livros que permeiam sua concepção como o ótimo “Kind Of Blue – A história da obra-prima de Miles Davis”, de Ashley Kahn, que a Editora Barracuda lançou por aqui em 2007.

Em “Kind Of Blue – Miles Davis e o álbum que reinventou a música moderna”, o inglês Richard Williams opta por outro caminho. Antes de falar sobre o álbum, tenta estabelecer paradigmas sobre o antes e conjecturas sobre o depois. Visa não somente explanar como o músico foi se dirigindo ao momento da criação que resultou no registro, mas também tratar dos efeitos que essa obra exerceu na época, assim como posteriormente foi demonstrando a cada ano.

Com 288 páginas, tradução de Fal Azevedo e publicação pela Casa da Palavra em 2011, o livro atravessa os momentos anteriores ao “Kind Of Blue” como a fase dentro do bebop, a primeira turnê pela Europa, o envolvimento com a heroína e o encarceramento na Riker’s Island. Ao desembarcar em “Miles Ahead”, de 1957, mostra uma mudança significativa quando ocorre a troca (nesse disco) do trompete em favor do flugelhorn, pavimentando assim importantes estradas.

Na busca por uma nova forma de abordar a harmonia, Davis foi propositalmente atenuando o ritmo e desacelerando o estilo de tocar em uma época onde era crescente o interesse pela arte em geral, se colocando assim na vanguarda do período. E no porão de uma igreja ortodoxa armênia com reverberação de três segundos convertida em estúdio em Nova York, gravou um álbum onde as vozes nunca se erguem e o timbre de cada instrumento é unicamente realçado.

http://www.youtube.com/watch?v=6w4FI0Jq0lI Apresentação ao vivo de “So What”, que abre o “Kind Of Blue” 

Richard Williams então de modo técnico e extensivo mostra como as cinco peças foram previamente construídas na cabeça de Davis e depois executadas por um timaço que contava com Julian “Cannonball” Adderley no saxofone alto, John Coltrane no saxofone tenor, Bill Evans no piano, Paul Chambers no contrabaixo e Jimmy Cobb na bateria, sendo que em “Freddie Freeloader” é Wynton Kelly quem assume a missão de conduzir o piano durante a faixa.

Usando a palavra “azul” como parâmetro, o autor mergulha bastante em direção a correlações e explicações, o que em parte do livro parece mais um exercício de conhecimento, do que propriamente didático ou narrativo. Organizados como se fossem ensaios, os capítulos se sobressaem em “O Momento Azul”, onde versa sobre o disco em si, “Azul Escuro” onde usa o Velvet Underground como extensão de influência e “Código Azul”, onde faz o mesmo com Brian Eno.

Aliás, na viagem de influências que o autor busca alcançar partindo de “Kind Of Blue” é que a obra fica mais interessante e se descentraliza em uma lista que mesmo sendo diversa, aparece repleta de boas razões para o entendimento. A paixão por Miles Davis fica evidente no texto, o que acaba atrapalhando um pouco e resulta em ligações às vezes imprecisas e outras magistrais como quando utiliza o existencialismo em relação à obra dos cineastas italianos Fellini e Antonioni.

Com um conhecimento evidente sobre o tema, Richard Williams explora a música de “Kind Of Blue” e o poder que este álbum exerceu nas camadas mais profundas da música, baseado em uma ampla lista de referências que demonstra no final. Adotando uma linguagem especializada que às vezes se volta contra si, não se abstêm em traçar seus panoramas usando levemente os mesmos moldes experimentais que esse belo de registro de 1959 se baseou e fez história.

Adriano Mello Costa, apaixonado por Cultura Pop, mantêm o Coisa Pop há cinco anos, filho bastardo do antigo Cultura Direta, que hoje hiberna tranquilamente. Acha o R.E.M a melhor banda do mundo (depois dos Beatles, lógico). É viciado em cervejas escuras, pães e bandas de rock com mulheres no vocal. No mais, acredita que tudo pode sempre ser melhor do que já é...

One thought on “Kind Of Blue – Miles Davis e o álbum que reinventou a música moderna – Richard Williams

  1. Bela matéria, Adriano. O livro é excepcional. Fundamental para quem não é músico de jazz e quer entender o porque de Miles ser uma figura tão seminal no jazz pós-bebop. Parabéns.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *