Homens e Deuses retrata o bem em meio a guerra

No meio dos anos 90, em um mosteiro incrustado nas montanhas da Argélia, um pequeno grupo de monges franceses vive para ajudar a pobre população que mora nas aldeias em sua volta. Esses missionários que buscam praticar o bem, guiados pela fé, também precisam conviver diariamente no seu mundo completo e encharcado de rotina. Mesmo em uma região predominantemente muçulmana, conseguem ser aceitos e respeitados pelos habitantes.

O filme “Homens e Deuses” é o mais recente trabalho do diretor francês Xavier Beavouis (que também se aventura como ator vez ou outra) e baseado em cartas dos monges, reconstrói a obra desses homens nesse período complicado da Argélia. Enquanto praticavam seus atos, os religiosos precisam lidar com uma guerra civil e acabam se colocando na frente da linha de fogo entre os terroristas e o governo que atua de modo não menos violento.

“Homens e Deuses” foi o vencedor do Grande Prêmio do Júri de Cannes em 2010 e, apesar de não ser um filme excelente, cumpre muito bem seus objetivos e traz no corpo atuações consistentes e uma direção sóbria. Em vários momentos o longa poderia caminhar na estrada da comparação entre religiões e levantar a bandeira da paz de modo esplêndido. No entanto, opta por versar sobre a intolerância que se opõe sobre a bondade e a compaixão.

No momento em que o clima tenso se instala na película (e resolve não sair mais) e os monges se vêem acossados perante as duas frentes do conflito, a sensação de medo e desconforto consegue chegar com impacto relevante ao telespectador. A questão que se coloca não é a força em si de pessoas se opondo ao que acham injusto, mas a força de acreditar nos seus ideais e não vendê-los, por mais que a situação não seja nem um pouco favorável.

Enquanto uma boa parte do mundo continua no caminho de conflitos religiosos que não levam a nada, a não ser conquistas pessoais para um pequeno grupo de privilegiados, “Homens e Deuses” fala até poeticamente sobre como isso não faz nenhum sentido em qualquer cenário que se apresente. E em passagens como quando uma execução do “Lago Dos Cisnes”, de Tchaïkovsky, toca durante uma refeição, consegue a proeza de emocionar fortemente.


HOMENS E DEUSES

(Des hommes et des dieux, França, 2010).
Direção e roteiro: Xavier Beauvois.
Elenco: Lambert Wilson, Michael Lonsdale, Olivier Rabourdin, Philippe Laudenbach, Jacques Herlin.
Drama / História.
122 minutos.

Principais prêmios e indicações:

– Cannes: Prêmio ecumênico do júri.
– Crítica de Londres: Filme em língua estrangeira do ano.
– Indicação ao European Film Awards: Filme, Fotografia.
– Indicação ao Bafta: Filme em língua estrangeira.
– Indicação ao Independent Spirit Awards: Filme estrangeiro.

Estreia no Brasil: 15/04/2011.

Lançamento em DVD e Blu-ray: 12/01/2012.

O filme integra o acervo da Vídeo Paradiso.

Leia mais sobre e comente o filme também no Cinemaki.

Adriano Mello Costa, apaixonado por Cultura Pop, mantêm o Coisa Pop há cinco anos, filho bastardo do antigo Cultura Direta, que hoje hiberna tranquilamente. Acha o R.E.M a melhor banda do mundo (depois dos Beatles, lógico). É viciado em cervejas escuras, pães e bandas de rock com mulheres no vocal. No mais, acredita que tudo pode sempre ser melhor do que já é...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *