A Minha Canção de Amor e seus momentos de ternura

Renée Zellweger e Madeline Zima

Olivier Dahan tem no currículo o premiado “Piaf – Um Hino de Amor”, que rendeu à Marion Cotillard o Oscar de melhor atriz. Esperava-se bastante de seu próximo projeto. Lançado direto em DVD e Blu-ray no Brasil, via Califórnia Filmes, “A Minha Canção de Amor” não conseguiu o mesmo impacto do anterior. Na verdade, é um filme irregular, mas que revela momentos de extrema ternura.

Renée Zellweger (“O Diário de Bridget Jones”, “Chicago”) faz Jane, ex-cantora paralítica que recebe notícias do filho, o qual não vê há anos. Apesar do medo em encontrar o garoto e confrontar o passado, é incentivada pelo amigo excêntrico (Forest Whitaker) a encarar a jornada. Pelo caminho, a dupla conhece a encantadora Billie (Madeline Zima).

Não faltam clichês de road movie e histórias sobre superação. Recentemente, outro longa também apresentou uma cantora precisando enfrentar os próprios defeitos e encontrar a redenção: “Onde o Amor Está” (Country Strong), com Gwyneth Paltrow. Fato que ajudou o filme de Dahan a passar quase em branco. Para superar a história manjada, seria preciso uma protagonista capaz de envolver o público. E Zellweger quase joga tudo por água abaixo. Além da falta de empatia, ela não sabe cantar – Jane é retratada como uma grande cantora. Uma Amy Adams cairia bem melhor no papel: tem carisma e voz, a exemplo de “Encantada”.

No entanto, em meio aos deslizes encontramos momentos de extrema sensibilidade, cenas que retratam seres errantes, mas que buscam acertar de alguma forma. São esses instantes e as ótimas presenças dos coadjuvantes, destacando o excelente Whitaker e a envolvente Madeline Zima, mais as rápidas participações de Nick Nolte, na pele de guru psicodélico, e Elias Koteas, como trambiqueiro, que fazem “A Minha Canção de Amor” valer à pena. É só descobrir, se emocionar e refletir a respeito dos temas abordados: amor, amizade, confiança, passado, loucura. Reconhece?

A MINHA CANÇÃO DE AMOR
(My Own Love Song, EUA / França, 2010).
Direção e roteiro: Olivier Dahan.
Elenco: Renée Zellweger, Forest Whitaker, Madeline Zima, Nick Nolte, Elias Koteas.
Drama.
102 minutos.

Lançamento direto em DVD e Blu-ray no Brasil: 16 e 17/11/2011.

André Azenha
Jornalista por formação, crítico de cinema, produtor cultural, pesquisador, curador, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Colaborou com críticas semanais nos jornais Expresso Popular e quinzenais no jornal A Tribuna. Colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest - Festival Internacional de Filmes de Santos, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest e PalafitaCon. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante. Atualmente participa do projeto Hora da Cultura, pela Secult Santos, levando sessões de filmes e bate-papos às escolas da rede municipal. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi. Escreveu sobre cinema para sites, jornais e revistas de Santos, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Limeira e Maceió. www.facebook.com/andreazenha01

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *