Contra o Tempo: Interessante até certo ponto

Michelle Monaghan e Jake Gyllenhall

Parece que a tendência atual em Hollywood é aliar romance e ficção científica. Será por que ambos os gêneros, em suas essências, estão desgastados? Faltam ideias para boas histórias? Enfim, é tema para ser avaliado. O segundo longa de Duncan Jones, filho de David Bowie e que estreou na direção com o cultuado “Lunar” (lançado direto em DVD no Brasil), tem um pouco de “Tron” e “Agentes do Destino”, para citar dois filmes recentes. Do primeiro, uma realidade criada por computador, o tal código fonte do título original. Do outro, a necessidade de alterar os acontecimentos para ficar ao lado da amada. E tem muito, mas muito, de “Feitiço do Tempo”, aquela historinha bonitinha de 1993, na qual Bill Murray sempre que acordava se deparava no mesmo dia, revivendo os mesmos acontecimentos e aproveitando o que aprendia nas 24 horas repetidas para conquistar Andie MacDowell.


“Contra o Tempo” é um emaranhado dessas histórias. A ideia é a seguinte: pesquisador (Jeffrey Wright) desenvolve um programa para o governo norte-americano. Segundo ele, após a morte, o cérebro humano funciona por certo período, disponibilizando os últimos oito minutos vividos pela pessoa. O tal código fonte possibilita que o agente Colter Stevens (Jake Gyllenhaal) seja inserido nesse espaço de memória, substituindo o sujeito falecido, para tentar descobrir quem explodiu o veículo e evitar que novos atentados aconteçam. Só que ele se apaixona por Christina (Michelle Monaghan) e resolve salvá-la. E atua nesses oito minutos várias vezes. A cada uma, se aproxima do(s) objetivo(s). Falar mais pode estragar as possíveis surpresas do roteiro.

Duncan Jones confirma o talento para a direção. Acerta tanto nas sequencias de ação, como de suspense e romance. O interesse do espectador é mantido em grande parte do enredo. O elenco não compromete. Jake Gyllenhaal passa por bom momento em Hollywood. Depois de “Príncipe da Pérsia” e “Amor & Outras Drogas”, outra vez demonstra segurança ao interpretar o protagonista. Michelle Monaghan novamente encarna a mocinha de um filme que mistura sci-fi e ação, à la “Missão Impossível 3”. Apesar de bonita, parece faltar algo para a atriz brilhar. Não que seja ruim, mas dificilmente nos vemos vidrados ou admirados nela. Vera Farmiga (aquela com quem Colter se corresponde entre as “viagens” de sua missão) e Jeffrey Wright são competentes e conferem dignidade a seus personagens, da mesma forma que Michael Arden.

Vera Farmiga

Pena que a boa expectativa gerada durante a projeção não se confirme no fim. O maior problema não é que o filme nos lembre tantos outros. Apesar da impressão de déjà vu, nosso interesse continua. No ato final, porém, fica a sensação de frustração. Explicá-la, no entanto, seria revelar o desfecho. Então, na dúvida, melhor conferir.

CONTRA O TEMPO
(Source Code, EUA / França, 2011).
Direção: Duncan Jones.
Roteiro: Ben Ripley.
Elenco: Jake Gyllenhaal, Michelle Monaghan, Vera Farmiga, Jeffrey Wright, Michael Arden.
Ficção científica / Suspense / Romance.
93 minutos.

Estreia no Brasil: 29/07/2011.

Leia mais sobre e comente o filme também no Cinemaki.

André Azenha
Jornalista por formação, crítico de cinema, produtor cultural, pesquisador, curador, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Colaborou com críticas semanais nos jornais Expresso Popular e quinzenais no jornal A Tribuna. Colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest - Festival Internacional de Filmes de Santos, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest e PalafitaCon. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante. Atualmente participa do projeto Hora da Cultura, pela Secult Santos, levando sessões de filmes e bate-papos às escolas da rede municipal. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi. Escreveu sobre cinema para sites, jornais e revistas de Santos, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Limeira e Maceió. www.facebook.com/andreazenha01

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *