Capitão América: O Primeiro Vingador é bom, mas prejudicado pelo projeto da Marvel


Depois da série dos anos 40, dois telefilmes (de 1979) e um longa para o cinema (1990), toscos e hoje obscuros, o Sentinela da Liberdade ganha uma adaptação bem produzida. A trama é de época, à la “Indiana Jones”, acompanha a origem do herói, inicialmente um sujeito fraco e com problemas de saúde, mas honesto e corajoso, escolhido para ser cobaia do programa supersoldado, cujo soro confere habilidades especiais ao ser humano, como superforça, grande velocidade, maior resistência, etc.

Chris Evans vive Steve Rogers/Capitão América

Chris Evans, o Tocha Humana de “Quarteto Fantástico”, sai-se melhor que o esperado na pele do herói. Confere dignidade e certo carisma ao personagem. Tommy Lee Jones, Hugo Weaving e Sebastian Stan (que atuou em “Cisne Negro”, na cena da casa noturna) também acertam respectivamente como Coronel Chester, Caveira Vermelha e Bucky Barnes, aqui retratado de forma diferente dos gibis, onde é ajudante do Capitão. Stanley Tucci deixa sua marca em pequena participação, vivendo o Doutor Abraham Erskine, criador do soro. Mesmo os atores que integram o Comando Selvagem divertem. Somente Hayley Atwell não dá qualquer traço interessante à Peggy Carter, interesse romântico do protagonista. Aliás, “O Primeiro Vingador” repete o mesmo problema de “Thor”: tem romance mal desenvolvido, sem química.

O diretor Joe Johnston, que já fez um filme de visual retrô inspirado em HQs (“Rockteer”, 1991), é eficiente nas cenas de ação. Os efeitos visuais são corretos e a transformação de Chris Evans em alguém pequeno e bastante magro é tão ou mais realista que a de Brad Prit em “O Curioso Caso de Benjamin Button”. A direção de arte reconstrói o período de maneira convincente, mas o visual do Caveira Vermelha deixa a desejar. Parece ter sido feito por alunos de colégio. Ainda bem que souberam trabalhar as vestimentas do herói, inspiradas no gibi “Os Supremos”.

O roteiro acertadamente evita o patriotismo exacerbado (vale lembrar que o Capitão América veste um uniforme baseado na bandeira dos Estados Unidos). No entanto, é refém dos planos do Marvel Studios. Concentrados no objetivo de interligar o filme aos do Homem de Ferro, Hulk e Thor, os produtores e roteiristas perderam a chance de adaptar para as telas uma das trajetórias mais dramáticas dos quadrinhos. Inclusive o desfecho não causa o impacto que deveria, apressando as informações para “Os Vingadores”.

No saldo geral, principalmente para quem cresceu lendo as aventuras de Steve Rogers nos quadrinhos, a trama diverte e até emociona. Inclusive, estreou bem nas bilheterias norte-americanas e provavelmente dará lucro. O problema é que, depois dos “Batman” de Christopher Nolan, a exigência com produções do gênero aumentou.

Agora, resta esperar por “Os Vingadores” em 2012. Com todos os personagens devidamente apresentados, o Marvel Studios tem condições de pensar no filme como um todo. Espere o fim dos créditos e confira o trailer da superprodução.

CAPITÃO AMÉRICA: O PRIMEIRO VINGADOR
(Captain America: The First Avenger, EUA, 2011).
Direção: Joe Johnston.
Roteiro: Christopher Markus, Stephen McFeely.
Elenco: Chris Evans, Hugo Weaving, Hayley Atwell, Sebastian Stan, Dominic Cooper, Tommy Lee Jones, Stanley Tucci, Richard Armitage, Toby Jones, Neal McDonough, Derek Luke, Kenneth Choi, JJ Feild, Bruno Ricci, Lex Shrapnel, Michael Brandon, Martin Sherman, Natalie Dormer.
Aventura / Ação / Guerra.
124 minutos.

Estreia no Brasil: 29/07/2011.

Leia mais sobre e comente o filme também no Cinemaki.

André Azenha
Jornalista por formação, crítico de cinema, produtor cultural, pesquisador, curador, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Colaborou com críticas semanais nos jornais Expresso Popular e quinzenais no jornal A Tribuna. Colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest - Festival Internacional de Filmes de Santos, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest e PalafitaCon. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante. Atualmente participa do projeto Hora da Cultura, pela Secult Santos, levando sessões de filmes e bate-papos às escolas da rede municipal. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi. Escreveu sobre cinema para sites, jornais e revistas de Santos, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Limeira e Maceió. www.facebook.com/andreazenha01

2 thoughts on “Capitão América: O Primeiro Vingador é bom, mas prejudicado pelo projeto da Marvel

  1. Concordo com tua análise do filme, realmente não houve exacerbação patriótica, mas parece-me que houve uma falha na transformação (a calça do magrelo não caberia no atlético Capitão).Gostaria de saber se os livros O Afgão e O Buraco da Agulha foram adaptados ao cinema.Abraços

    1. Olá João! obrigado pela presença e sua análise procede… é como o Hulk… que as calças do Bruce Banner continuam quando ele se transforma hehe. Quanto aos filmes, O Buraco de Agulha tem edições em DVD no exterior. Aqui não encontrei ainda. Já o Afgão não… Abração

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *