Santuário: tensão e claustrofobia em altos níveis


A fama e o prestígio que James Cameron ostenta hoje no mundo do cinema são consideráveis. Não é surpresa então que “Santuário”, filme onde ele assina apenas como produtor executivo, seja vinculado na mídia como se fosse uma obra sua. A estratégia certamente trará mais espectadores para assistir esse misto de drama e suspense que Alister Grierson, antigo parceiro de James Cameron em outras empreitadas, comanda com razoável competência.

O filme é inspirado em uma história real que aconteceu com o roteirista Andrew Wight, que certa vez ficou preso dentro de uma caverna por dois dias, depois de começar um mergulho. É claro que “Santuário” vai bem além disso e amplifica toda a atmosfera dramática que pode, mostrando um grupo de exploradores comandados por Frank McGuire (Richard Roxburgh, de “Missão Impossível 2”), que trabalha em uma imensa caverna inexplorada.

O projeto dispendioso da exploração é custeado por Carl Hurley (o “Sr. Fantástico” Ioan Gruffudd), que apesar de buscar fama e se preocupar bastante com a National Geographic, traz consigo também a paixão pelo desconhecido. Na sua mais recente visita à área dos serviços, Carl leva sua namorada Victoria (Alice Parkinson) e ao ser recebido pelo filho de Frank, Josh McGuire (Rhys Wakefield), vai imediatamente para junto da equipe no fundo da caverna.

http://www.youtube.com/watch?v=g-lF8w6QdhQ

Quando todos estão devidamente acomodados no imenso buraco, cai uma senhora tempestade que além de encher de água as passagens, sai detonando tudo que vê pela frente. Assim, o grupo comandado pelo consagrado explorador precisa encontrar uma saída se quiser sobreviver. Com o auxílio fundamental da tecnologia 3D, é a partir desse ponto que “Santuário” cresce e ganha amplitude, conseguindo transpor boa parte do desespero para o público.

O longa traz algumas falhas no apego a situações clássicas, como na relação entre pai e filho, que ganha novos contornos depois do drama e no deslize na parte final, já que o caminho traçado poderia ser mais impactante. Mesmo assim é um bom filme, com imagens muito bonitas e um trabalho correto dos atores. Mostra do que o ser humano pode ser capaz de fazer quando sua sobrevivência está em jogo e consegue manter a tensão e a claustrofobia em altos níveis.

*Colaboração do Coisa Pop

SANTUÁRIO
(SanctumEUA / Austrália, 2010).
Direção: Alister Grierson.
Roteiro: Andrew Wight, John Garvin.
Elenco: Richard Roxburgh, Rhys Wakefield, Ioan Gruffudd, Alice Parkinson, Dan Wylliee.
Ação / Aventura / Suspense – 12 anos.
109 minutos.

Estreia no Brasil: 04/02/2011.

Lançamento em Blu-ray: Junho/2011.

Leia mais sobre e comente o filme também no Cinemaki.

Adriano Mello Costa, apaixonado por Cultura Pop, mantêm o Coisa Pop há cinco anos, filho bastardo do antigo Cultura Direta, que hoje hiberna tranquilamente. Acha o R.E.M a melhor banda do mundo (depois dos Beatles, lógico). É viciado em cervejas escuras, pães e bandas de rock com mulheres no vocal. No mais, acredita que tudo pode sempre ser melhor do que já é...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *