X-Men 2 consolidou os mutantes no cinema


O primeiro, lançado em 2000, marcou o início de uma nova era do cinema baseado em comics. “X-Men: O Filme” provou ser possível a realização de filmes inteligentes sobre super-heróis, capazes de atrair o grande público, sem fugir à essência dos personagens nos gibis. E o que havia de bom no primeiro, melhorou em “X-Men 2”.

Na trama, com o Professor Xavier nas mãos do cientista militar William Stryker (Brian Cox), que busca vingança contra os mutantes, os X-Men precisam se unir a Magneto para evitar a destruição dos mutantes.

Inspirado em parte na história do gibi X-Men: O Conflito de Uma Raça, o segundo episódio da saga mutante nas telonas ganhou mais dramaticidade e tensão. Muito pela presença de um angustiado e bem desenvolvido Noturno, que fez sua única aparição na trilogia, e ainda pela busca de Wolverine (novamente encarnado pelo carismático Hugh Jackman) em descobrir seu passado. Tudo, claro, sem abrir mão das altas doses de ação, e contando com a sempre presença marcante de Sir Ian McKellen como Magneto.

[youtube width=”696″ height=”401″]http://www.youtube.com/watch?v=dX5E0NUmQFo&feature=player_embedded[/youtube]

O diretor Bryan Singer teve à disposição um maior orçamento em relação ao filme anterior, o qual também dirigiu, e pôde ampliar os poderes mutantes, utilizando ótimos efeitos visuais.

|A crítica de X-Men – O Filme, por André Azenha
|A crítica de X-Men – O Confronto Final, por André Azenha
|A crítica de X-Men Origens: Wolverine, por André Azenha

Ao equilibrar de forma competente ação, drama e boas atuações, Singer, autor do argumento que deu origem ao roteiro, fez uma das melhores adaptações dos quadrinhos para o cinema, aproximando fantasia da realidade, fator que seria aprofundado nos longas do Batman, dirigidos por Christopher Nolan.

“X-Men 3 – O Confronto Final”, sem Singer (que foi dirigir “Superman – O Retorno” e deu lugar à Brett Ratner, de “A Hora do Rush”) no comando, manteria o nível da série, tornando a franquia mutante, até então, a melhor trilogia cinematográfica inspirada nos quadrinhos.

X-MEN 2
(X2, Canadá / EUA, 2003).
Direção: Bryan Singer.
Roteiro: Zak Penn (argumento), David Hayter (argumento e roteiro), Bryan Singer (argumento), Michael Dougherty (roteiro), Dan Harris (roteiro).
Elenco: Patrick Stewart, Hugh Jackman, Ian McKellen, Halle Berry, Famke Janssen, James Marsden, Anna Paquin, Rebecca Romijn-Stamos, Brian Cox, Alan Cumming, Bruce Davison, Aaron Stanford, Shawn Ashmore, Kelly Hu, Katie Stuart.
Ação / Drama / Ficção-científica.
133 min.

– Saturn Award: Melhor filme de ficção-científica.

Disponível em diferentes versões de DVD e Blu-ray.

André Azenha
Jornalista, crítico de cinema, produtor cultural, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Escreve uma coluna semanal, aos sábados, para o jornal Expresso Popular, colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante, em Santos. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *