Amélie Poulain: As pequenas grandes coisas da vida


A vida compõe-se e revela-se em sua plenitude nos pequenos gestos, nos pequenos atos, em pequenos momentos que se entrelaçam em meio ao turbilhão mecânico do cotidiano.

“O Fabuloso Destino de Amélie Poulain” narra a história de uma menina que desenvolve uma sensibilidade enorme pelo fato de viver sempre isolada das pessoas. Esse distanciamento estabeleceu uma relação diferente com as coisas e os seres, desenvolvendo um jeito especial de enxergar e lidar com o mundo.

Amélie (Audrey Tautou) leva uma vida aparentemente insossa. Sem namorado, sem amigos, com um pai indiferente e uma mãe neurótica, trabalha como garçonete ao lado de pessoas comuns, com seus problemas rotineiros, neuras, carências e decepções.

Mas a vida de Amélie rompe a monotonia ao encontrar uma caixinha atrás do azulejo do seu banheiro, contendo “pequenas” lembranças de um menino que lá morara por volta de 1950. Diante disso, resolve encontrar esse menino, agora já um homem, para lhe entregar seu tesouro de infância.

A reação do homem ao encontrar a caixinha com suas recordações desencadeia em Amélie uma nova percepção e um novo sentido para sua vida.

Amélie sente que pode ajudar também as pessoas a “quebrarem” o ritmo insosso e insano do cotidiano. Com essa nova relação com o mundo, acaba expandido seu universo particular e descobre o Amor. Amélie apaixona-se pelo jovem Nino Quincampoix (Mathieu Kassovitz), que também possui uma vida à margem do que é estabelecido como certo nesse mundo mercadológico.

Ao mesmo tempo em que o encontro gera um sentido para sua vida, Amélie começa a tentar mudar o destino das pessoas ao seu redor. Faz, de forma sutil, de tudo para que as pessoas encontrem sua felicidade.

Numa fronteira entre o conto de fadas e a realidade, “O Fabuloso Destino de Amélie Poulain”, embalado pela excelente trilha sonora de Yann Thiersen, revela que o valor da vida está nas pequenas grandes coisas do cotidiano. Um filme para ver e rever ao longo da vida…

Curiosidades: O namorado de Amelie no filme é, na vida real, o diretor de cinema Mathieu Kassovitz, autor do ótimo filme “O Ódio” (La Haine, 1995), que narra a história de três imigrantes tentando sobreviver numa Paris racista.

Os tons verdes, vermelhos e azuis que predominam e dão um ar ainda mais de fábula ao filme. Os tons são inspirados na obra do artista plástico brasileiro Juarez Machado.

Veja também outros filmes de Jean-Pierre Jeunet: “Delicatessen” (1991) e “Ladrão de Sonhos” (1995).

O FABULOSO DESTINO DE AMÉLIE POULAIN
(Le Fabuleux Destin d’Amélie Poulain / Amélie, França / Alemanha, 2001).
Direção: Jean-Pierre Jeunet.
Roteiro: Guillaume Laurant, Jean-Pierre Jeunet.
Elenco: Audrey Tautou, Mathieu Kassovitz, Rufus, Lorella Cravotta, Serge Merlin, Jamel Debbouze, Isabelle Nanty.
Romance / Fantasia / Comédia / Drama.
122 min.

Principais prêmios e indicações:

– César: Filme, Diretor, Trilha sonora, Direção de arte.
– Indicação ao César: Atriz (Audrey Tautou), Figurino, Fotografia, Montagem, Som, Ator coadjuvante (para Rufus e Jamel Debbouze), Atriz coadjuvante (Isabelle Nanty), Roteiro.
– Indicação ao Oscar: Roteiro original, Filme estrangeiro, Fotografia, Direção de arte, Som.
– Bafta: Roteiro, Direção de arte.
– Indicação ao Bafta: Filme, Diretor, Montagem, Fotografia, Filme estrangeiro, Atriz (Andrey Tautou), Trilha sonora.
– Indicação ao Grande Prêmio do Cinema Brasileiro: Filme estrangeiro.
– Crítica de Chicago: Filmes estrangeiro.
– Festival Internacional de Chicago: Prêmio da audiência.
– European Film Awards: Filme, Fotografia, Diretor, Prêmio da audiência de melhor diretor.
– Sindicato dos Críticos de cinema da França: Melhor filme.
– Indicação ao Globo de Ouro: Melhor filme estrangeiro.
– Goya: Melhor filme europeu.
– Independent Spirit Awards: Filme estrangeiro.
– Crítica de Londres: Filme estrangeiro do ano.
– Festival de Toronto: Prêmio da audiência.

Disponível em DVD e Blu-ray.

As opiniões embutidas nos textos são dos seus respectivos autores, e não refletem necessariamente a opinião do site ou de seu editor.
Ricardo Flaitt
Ricardo Flaitt

Ricardo Flaitt (Alemão) é colunista do Cinezen Cultural, historiador e assessor de imprensa do Sindicato Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos. Autor do livro “O Domesticador de Silêncios”. Contato: ricardoflaitt@hotmail.com