A história do Batman no cinema: Parte I


As polêmicas em torno da criação do Batman são várias. Há quem diga que Bob Kane teria trabalhado no personagem com outros profissionais, e levou o crédito sozinho. Pois bem, 13 anos antes da primeira aparição do herói nos gibis, pela revista Detective Comics #27, de maio de 1939, foi lançado um obscuro filme mudo chamado “The Bat”.

Diferente do famoso vigilante de Gotham, o protagonista não combate o crime, mas rouba jóias. Porém, tem várias semelhanças com aquele que viria a se tornar o Cavaleiro das Trevas: registra seus feitos com um cartãozinho assinado como O Morcego, tem máscara de morcego, cinto de utilidades e anuncia a presença com um sinal luminoso no formato do mamífero voador. Ou seja, Bob Kane deve ter sido o maior cara de pau da Era de Ouro dos gibis.

O longa em preto e branco foi baseado no livro The Circular Staircase, escrito por Mary Roberts Rinehart (1876-1958), publicado em 1908 e que fora adaptado ao cinema em 1915, também como “The Bat”. No entanto, o tal homem-morcego viraria protagonista da história somente em 1920, quando a obra literária teve nova adaptação, desta vez para os palcos, onde foi encenada 867 vezes. E em todas as apresentações, o nome do vilão era omitido, com o objetivo de manter o interesse do público até o fim.

Trecho de “The Bat” disponível no YouTube:
http://www.youtube.com/watch?v=OU10KI1ouGw

Após o êxito do livro e da adaptação teatral, o cinema era o próximo passo. E “The Bat”, de 1926, dirigido por Roland West (sem ligação com Adam West, o rotundo Batman da série dos anos 60), pode ser encarado como o precursor do herói. Ou, ao menos, precursor do conceito “realizado” por Bob Kane. Também é uma pérola cult do cinema mudo norte-americano, graças às influências expressionistas de filmes alemães e a trama interessante que une mistério e terror. Obviamente, hoje em dia, a história e as atuações do elenco soam datadas, mas vale conhecê-lo. No YouTube é possível encontrar partes do longa.

O livro de Mary Roberts Rinehart ganharia ainda outras adaptações, entre elas “A Mansão do Morcego”, de 1959, estrelada por Vincent Price. Só que nessa época, o outro homem-morcego já era mais famoso, com os quadrinhos e as séries exibidas nas matinês dos anos 40, assunto da próxima parte da história…

THE BAT
(Idem, EUA, 1926).
Direção: Roland West.
Roteiro: Avery Hopwood, Julien Josephson, George Marion Jr., Roland West e Mary Roberts Rinehart.
Elenco: George Beranger, Charles Herzinger, Emily Fitzroy, Louise Fazenda, Arthur Housman.
Mistério / Terror / Comédia.
86 minutos.
Preto e branco.
Mudo.

André Azenha
Jornalista por formação, crítico de cinema, produtor cultural, pesquisador, curador, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Colaborou com críticas semanais nos jornais Expresso Popular e quinzenais no jornal A Tribuna. Colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest - Festival Internacional de Filmes de Santos, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest e PalafitaCon. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante. Atualmente participa do projeto Hora da Cultura, pela Secult Santos, levando sessões de filmes e bate-papos às escolas da rede municipal. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi. Escreveu sobre cinema para sites, jornais e revistas de Santos, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Limeira e Maceió. www.facebook.com/andreazenha01

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *