Os 35 anos de Taxi Driver


Poucas vezes o caos e a alienação de uma metrópole foram retratados de forma tão poderosa como em “Taxi Driver”. Na época de seu lançamento, o filme impressionou, entre outros fatores, por apresentar uma Nova York sem glamour: suja, barulhenta, o inferno na Terra. Com o lançamento do Blu-ray do longa no Brasil, eis a chance do público conferir mais detalhadamente todas as qualidades que levaram o trabalho a ser considerado o grande clássico de Martin Scorsese.

Jodie Foster e De Niro

Robert De Niro, que já havia trabalhado com o diretor em “Caminhos Perigosos” (1973), vive com intensidade Travis Bickle. Dispensado do Corpo de Fuzileiros Navais e frustrado, o jovem de 26 anos passa a trabalhar como taxista e sofre de insônia, virando as noites. E é ao trabalhar incessantemente que descobre todos os buracos sujos e a decadência social da “Big Apple”. Segundo ele, a cidade é um “esgoto a céu aberto” e a “escória” precisa ser eliminada. Alienação e frustração fazem-no viver apenas em seu mundo particular, e não consegue enxergar nada além daquilo.

Cansado do que vê e de si mesmo, tenta voltar à sociedade. “Não acredito que alguém deva passar a vida centrado em si mesmo, morbidamente. É preciso tornar-se uma pessoa como outra qualquer”, diz. A busca por redenção inicia com a tentativa de conquistar a auxiliar de campanha Betsy (Cybill Shepherd). Mas Travis é tão deslocado que a convida para o cinema, numa sessão pornô. Ao ser desprezado, resolve se vingar da sociedade, começando com a tentativa de matar um candidato à presidência. Quando esse plano também dá errado, decide resgatar uma prostituta menor de idade (Jodie Foster, com 12 anos na época das filmagens) do cafetão abusivo (Harvey Keitel). Ou seja, uma jornada quase suicida.


Scorsese, a partir do texto primoroso de Paul Schrader, renomado roteirista de Hollywood, mostra a realidade nua e crua de uma metrópole superpovoada, tomada por preconceito, intolerância, paranoia, medo e como tudo isso pode excluir e destruir o ser humano. Quando percebemos que 35 anos se passaram, o impacto ao conferir a trama é ainda maior. Nada mudou. Pelo contrário.

Harvey Keitel

Cinematograficamente, “Taxi Driver” é uma pérola. A ambientação remete ao cinema noir. Há a trilha sonora jazzística composta por Bernard Herrmann (última de sua vida), a narração em off de De Niro, o clima soturno. A jornada do personagem é digna de um faroeste. Trata-se do sujeito que ruma, sozinho, no limite entre a tragédia e a redenção. Tudo embalado pelo suspense perturbador e o elenco excelente.

Repleto de cenas memoráveis, como o monólogo em que o protagonista, de frente ao espelho, se pergunta: – “Tá falando comigo?!”, o projeto transformou o ator (que havia recebido o Oscar de Coadjuvante por “O Poderoso Chefão – Parte II”) em estrela, apresentou ao mundo a então garota Jodie Foster, levou a Palma de Ouro em Cannes e influenciou tantas outras produções.

Sua influência, no entanto, ultrapassou os limites do cinema. O corte de cabelo moicano de Travis foi imitado pelos punks. Em 1981, John Hinckley, afirmando querer impressionar Jodie Foster, foi onde Travis não conseguiu e atirou no então presidente dos EUA, Ronald Reagan.

Outros fatos ajudaram a tornar o filme uma lenda. A derrota no Oscar para “Rocky – Um Lutador” é comentada até hoje. E Cybill Shepherd, que estrelaria junto com Bruce Willis a série “A Gata e o Rato”, na década seguinte, era detestada por De Niro e membros da equipe.

Mas provavelmente o maior legado de “Taxi Driver” seja, com sua reviravolta final, gerar com gosto amargo no espectador, o velho questionamento: os fins justificam os meios? Assista e pense a respeito.

TAXI DRIVER
(Taxi Driver, EUA, 1976).
Direção: Martin Scorsese.
Roteiro: Paul Schrader.
Elenco: Robert De Niro, Jodie Foster, Cybill Shepherd, Harvey Keitel.
Drama / Suspense.
113 minutos.

Especificações do Blu-Ray: Formato de Tela: Widescreen Anamórfico; Áudio: Inglês, Português, Japonês (Dolby Surround 2.0); Legendas: Português, Inglês, Espanhol, Japonês, Coreano.

Extras do Blu-Ray: Comentários de Robert Kolker e Paul Schrader; Roteiro Original com link para o filme; Especiais de Taxi Driver; Comparação Filme/Storyboard; Galeria de Fotos.

Principais prêmios e indicações:

– Festival de Cannes: Palma de Ouro.
– Bafta: Trilha sonora, Atriz coadjuvante (Jodie Foster), Promessa para futuros papeis principais no cinema (Jodie Foster).
– Indicação ao Oscar: Filme, Trilha sonora, Ator (De Niro), Atriz coadjuvante (Jodie Foster).
– Indicação ao Globo de Ouro: Filme dramático, Roteiro.
– Crítica de Los Angeles: Ator (De Niro), Trilha sonora.
– Crítica de Nova York: Ator (De Niro).

Lançamento em blu-ray no Brasil: Abril/2011.

Leia mais sobre e comente o filme também no Cinemaki.

André Azenha
Jornalista por formação, crítico de cinema, produtor cultural, pesquisador, curador, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Colaborou com críticas semanais nos jornais Expresso Popular e quinzenais no jornal A Tribuna. Colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest - Festival Internacional de Filmes de Santos, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest e PalafitaCon. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante. Atualmente participa do projeto Hora da Cultura, pela Secult Santos, levando sessões de filmes e bate-papos às escolas da rede municipal. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi. Escreveu sobre cinema para sites, jornais e revistas de Santos, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Limeira e Maceió. www.facebook.com/andreazenha01

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *