Johnny Cash – Uma Biografia


Quando o filme “Johnny e June” foi lançado em 2005, uma nova onda de revisitação ocorreu com a obra do cantor norte americano Johnny Cash. Enquanto o ícone do country e admirado por outros públicos a partir da série “American” nos anos 90 era visto na grande tela, lá na Alemanha, mais ou menos um ano depois, o quadrinista Reinhard Kleist lançava um álbum cujo intuito também era contar a vida cheia de altos e baixos do “Homem de Preto”.

“Johnny Cash – Uma Biografia” (“Cash – I See a Darkness” no original) foi lançado aqui no Brasil em 2009 pela editora gaúcha 8inverso (com tradução de Augusto Paim), depois de receber vários prêmios na Alemanha. O autor Reinhard Kleist inclusive passeou no país para o lançamento da mesma durante algumas semanas. Nas 224 páginas da obra, temos uma visão interessante sobre a vida do músico que vendeu mais de 50 milhões de discos na carreira.

É claro que os fatos marcantes que guiaram sua vida estão presentes. Está lá a infância e a morte do irmão, a saída para a cidade grande, o sucesso inicial, o começo da relação com as anfetaminas que quase lhe custaram tudo, o envolvimento com June Carter, a queda e o renascimento com dois discos ao vivo gravados em penitenciárias em 1968 e 1969. Depois dá um salto para a época das gravações com Rick Rubin nos anos 90 que novamente o ressuscitaram.

O autor da HQ, Reinhard Kleis

Enquanto o filme de James Mangold se concentrou bastante na relação com June Carter, Reinhard Kleist opta por um caminho mais escuro e denso. Com traço forte e marcante, olha para a vida de Johnny Cash por visões diversas como a do próprio músico e seu envolvimento pesado com drogas que o faz oscilar e alterar seu humor, como também do preso Glen Sherley que consegue fazer uma canção sua ser tocada no show na penitenciária de Folsom.

Esse olhar mais pesado que o filme preferiu não se aprofundar, guia um roteiro que poderia perfeitamente também dar um ótimo longa. Mesmo deixando a fase dos anos 70 e 80 de fora (que convenhamos não teve assim tantas histórias), consegue ser bem completo. As páginas finais com uma livre interpretação de uma conversa entre o músico e Rick Rubin é ao mesmo tempo poética e carregada de tristeza, retratada belamente nos desenhos do autor.

“Johnny Cash – Uma Biografia” tinha tudo para parecer oportunista, tendo em vista a coincidência de datas com o lançamento do filme, mas traz um brilho próprio que supera várias vezes o longa. O músico que nos anos 90 lançou cinco discaços com gravações de Beck, U2, Soundgarden e Trent Reznor, entre outros, tem sua vida contada novamente. E como está escrito no álbum: “São as histórias que permanecem (…). E histórias precisam ser contadas”. Concordo.

*Colaboração do Coisa Pop

JOHNNY CASH – UMA BIOGRAFIA
Autor: Reinhard Kleist.
224 páginas.
Editora 8inverso.

Adriano Mello Costa, apaixonado por Cultura Pop, mantêm o Coisa Pop há cinco anos, filho bastardo do antigo Cultura Direta, que hoje hiberna tranquilamente. Acha o R.E.M a melhor banda do mundo (depois dos Beatles, lógico). É viciado em cervejas escuras, pães e bandas de rock com mulheres no vocal. No mais, acredita que tudo pode sempre ser melhor do que já é...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *