Oscar 2010 consagra Guerra ao Terror

Se alguém achava que a disputa entre “Guerra ao Terror” e “Avatar”, cada um com nove indicações, no Oscar 2010, definiria um novo rumo ao cinema de Hollywood, ou seja, cinema independente versus blockbuster, a primeira opção, a princípio, levou a melhor.

Como era esperado, em virtude dos prêmios conseguidos nos Sindicatos dos Produtores, Diretores e Roteiristas, “Guerra ao Terror” tornou-se o grande vencedor do 82ª Oscar. Foram seis prêmios – Filme, Direção, Roteiro, Edição de Som, Mixagem de Som e Montagem – perante três de “Avatar” (Direção de Arte, Fotografia, e Efeitos Visuais).

A cineasta Kathryn Bigelow superou o ex-marido James Cameron, diretor de “Avatar”, na briga pelas estatuetas, mas, o mais importante, entrou para a história do cinema como a primeira mulher a ser agraciada pela Academia na categoria Melhor Direção.

“Preciosa – Uma História de Esperança”, “Coração Louco” e a animação “Up – Altas Aventuras” dividiram a medalha de bronze  com duas estatuetas cada. O primeiro, em Atriz Coadjuvante para Mo’Nique e um surpreendente Roteiro Adaptado (deixando “Amor sem Escalas” de mãos vazias). O segundo, agraciado com o prêmio de Ator para Jeff Bridges e Canção – “The Weary Kind (Theme from Crazy Heart)”. Já o último foi o vencedor entre os longas animados e premiado em Trilha Sonora.

Steve Martin e Alan Baldwin arrancaram gargalhadas do público

Entre os atores não houve surpresa. Os já citados Jeff Bridges e Mo’Nique esquentaram a plateia. Ele porque é querido no meio cinematográfico e possui uma carreira sensacional, que merecia há tempos o devido reconhecimento. E ela, a maior barbada da festa, concedeu um dos melhores discursos dos últimos anos. “Às vezes é necessário esquecer o popular, e fazer o que é certo”, disse ela, referindo-se ao fato de “Preciosa” ser um drama independente, que foge aos padrões de Hollywood. Ambos receberam aplausos inflamados dos presentes.

Christoph Waltz confirmou seu favoritismo como Ator Coadjuvante (único prêmio de “Bastardos Inglórios”) e Sandra Bullock ratificou o grande momento na carreira, premiada como Melhor Atriz por sua interpretação em “Um Sonho Possível”.

A maior surpresa aconteceu na categoria Filme Estrangeiro. Quando grande parte da mídia apostava no alemão “A Fita Branca”, o argentino “O Segredo dos Seus Olhos” levou a melhor.

Como curiosidade, vale lembrar que o “Borat” Sacha Baron Cohen estava proibido de aparecer no Teatro Kodak.  de Los Angeles, porque pretendia se fantasiar de na’vi, a espécie alienígena retratada em “Avatar”. E Ben Stiller, que apresentou o vencedor de Melhor Maquiagem (merecidamente “Star Trek”), surgiu como… um na’vi, com rosto azul e direio a rabinho.

Sem contar com a execução ao vivo das músicas finalistas e recompensado pelo bom desempenho dos apresentadores Steve Martin e Alan Baldwin, o Oscar 2010 teve um ritmo mais espontâneo, acelerado, e por isso, menos entediante que os anteriores. Porém alguns detalhes não podem passar em branco. A homenagem a Lauren Bacall e Roger Corman não teve o tamanho merecido. Eles mal foram filmados quando a plateia os aplaudia de pé. Ao menos John Hughes, que faleceu ano passado, teve uma homenagem sensível realizadas por atores revelados pelo cineasta.

A mudança de “the Oscar goes to…” para novamente “the winner is…” é uma bobagem. E a Kate Winslet não se ligou na alteração do protocolo e emendou um “the Oscar goes to…” ao anunciar o Melhor Ator. O número musical no início da premiação também foi fraquinho fraquinho. Já dá para esperar mais transformações para a premiação de 2011.

Quanto ao futuro do cinema, “Guerra ao Terror” apontou um caminho para cineastas que desejam filmar de forma independente, sem grandes orçamentos. Mas ao mesmo tempo, “Avatar” (a Academia mandou seu recado à indústria e ignorou o principal blockbuster de sua história nas principais categorias) não pode ser considerado um fracasso e fez do 3D a bola da vez em Hollywood. Viva a diversidade cinematográfica.

Abaixo, a lista com todos os vencedores (em negrito) e indicados do Oscar 2010:

 

Melhor Filme
– ”Avatar”
– “Um Sonho Possível”
– “Distrito 9″
– “Educação”
– “Guerra ao Terror”
– “Bastardos Inglórios” 1 oscar (Ator Coadjuvante)
– “Preciosa” 2 oscar (roteiro adaptado e atriz coadjuvante)
– “A Serious Man”
– “Amor sem Escalas”
– “Up – Altas Aventuras” 2 oscar (Animação e Trilha Sonora)

Melhor Diretor
– Kathryn Bigelow (“Guerra ao Terror”)
– James Cameron (“Avatar”)
– Jason Reitman (“Amor Sem Escalas”)
– Quentin Tarantino (“Bastardos Inglórios”)
– Lee Daniels (“Preciosa”)

 

Melhor Ator
– Jeff Bridges (“Crazy Heart”)
– Morgan Freeman (“Invictus”)
– Jeremy Renner (“Guerra ao Terror”)
– George Clooney (“Amor Sem Escalas”)
– Colin Firth (“A Single Man”)

Melhor Atriz
– Sandra Bullock (“Um Sonho Possível”)
– Meryl Streep (“Julie & Julia”)
– Carey Mulligan (“Educação”)
– Helen Mirren (“The Last Station)
– Gaboury Sidibe (“Preciosa”)

Melhor Ator Coadjuvante
– Christoph Waltz (“Bastardos Inglórios”)
– Woody Harrelson (“O Mensageiro”)
– Matt Damon (“Invictus”)
– Stanley Tucci (“Um Olhar do Paraíso”)
– Christopher Plummer (“The Last Station”)

Melhor Atriz Coadjuvante

Sandra Bullock ratificou grande momento na carreira com Oscar de Melhor Atriz

– Mo’Nique (“Preciosa”)
– Anna Kendrick (“Amor Sem Escalas”)
– Vera Farmiga (“Amor Sem Escalas”)
– Maggie Gyllenhaal (“A Single Man”)
– Penelope Cruz (“Nine”)

Melhor Roteiro Original
– Quentin Tarantino (“Bastardos Inglórios”)
– Mark Boal (“Guerra ao Terror”)
– Joel e Ethan Coen (“Um Homem Sério”)
– Alessandro Camon e Oren Moveman (”O Mensageiro”)
– Bob Peterson e Pete Docter (“Up – Altas Aventuras”)

Melhor Roteiro Adaptado
– Jason Reitman e Sheldon Turner (“Amor Sem Escalas”)
– Neill Blomkamp (“Distrito 9″)
– Nick Hornby (“Educação”)
– Geoffrey Fletcher (“Preciosa”)
– Jesse Armstrong, Samon Blackwell, Armando Iannucci e Tony Roche (“In the Loop”)

Melhor Animação

O premiado ator coajuvante Christoph Walts rendeu a única estatueta para “Bastardos Inglórios”

– “Coraline e o Mundo Secreto”
– “O Fantástico Sr. Raposo”
– “A Princesa e o Sapo”
– “The Secret of Kells”
– “Up – Altas Aventuras”

Melhor Direção de Arte
– Rick Carter, Robert Stromberg, Kim Sinclair (“Avatar”)
– Dave Warren, Anastasia Masaro, Caroline Smith (“O Mundo Imáginário do Dr. Parnassus”)
– John Myhre, Gordon Sim (“Nine”)
– Sarah Greenwood, Katie Spencer (“Sherlock Holmes”)
– Patrice Vermette, Maggie Gray (“The Young Victoria”)

Melhor Fotografia

– Mauro Fiore (“Avatar”)
– Bruno Delbonnel (“Harry Potter e o Enigma do Príncipe”)
– Barry Ackroyd (“Guerra ao Terror”)
– Robert Richardson (“Bastardos inglórios”)
– Christian berger (“A Fita Branca”)

Melhor Figurino
– Janet Patterson (“Bright Star”)
– Catherine Leterrier (“Coco Antes de Chanel”)
– Monique Prudhomme (“O Mundo Imaginário do Dr. Parnassus”)
– Colleen Atwood (“Nine”)
– Sandy Powell (“The Young Victoria”)

 

Melhor Documentário
– “Burma VJ”, de Anders Østergaard and Lise Lense-Møller
– “The Cove”
– “Food, Inc.”, de Robert Kenner and Elise Pearlstein
– “The Most Dangerous Man in America: Daniel Ellsberg and the Pentagon Papers”, de Judith Ehrlich and Rick Goldsmith
– “Which Way Home”, de Rebecca Cammisa

Melhor Documentário de Curta-metragem
– “China’s Unnatural Disaster: The Tears of Sichuan Province”, de Jon Alpert e Matthew O’Neill
– “The Last Campaign of Governor Booth Gardner”, de Daniel Junge e Henry Ansbacher
– “The Last Truck: Closing of a GM Plant”, de Steven Bognar e Julia Reichert
– “Music by Prudence”, de Roger Ross Williams e Elinor Burkett
– “Rabbit à la Berlin”, de Bartek Konopka e Anna Wydr

Melhor Montagem
– Stephen Rivkin, John Refoua e James Cameron (“Avatar”)
– Julian Clarke (“Distrito 9″)
– Bob Murawski e Chris Innis (“Guerra ao Terror”)
– Sally Menke (“Bastardos Inglórios”)
– Joe Klotz (“Preciosa”)

 

Melhor Maquiagem
– Aldo Signoretti e Vittorio Sodano (“Il Divo”)
– Barney Burman, Mindy Hall e Joel Harlow (“Star Trek”)
– Jon Henry Gordon e Jenny Shircore (“The Young Victoria”)

Melhor Trilha Original
– James Horner (“Avatar”)
– Alexandre Desplat (“O Fantástico Sr. Raposo”)
– Marco Beltrami e Buck Sanders (“Guerra ao Terror”)
– Hans Zimmer (“Sherlock Holmes”)
– Michael Giacchino (“Up – Altas Aventuras”)

Melhor Canção Original
– “Almost There”, de “A Princesa e o Sapo” (Música e Letra de Randy Newman
– “Down in New Orleans”, de “A Princesa e o Sapo” (Música e Letra de Randy Newman
– “Loin de Paname”, de “Paris 36″ (Música de Reinhardt Wagner; Letra de Frank Thomas)
– “Take It All”, de “Nine” (Música e Letra de Maury Yeston)
– “The Weary Kind (Theme from Crazy Heart)”, de “Louco Amor” (Música e Letra de Ryan Bingham e Tibone Burnett)

Melhor curta de animação
– “French Roast”, de Fabrice O. Joubert
– “Granny O’Grimm’s Sleeping Beauty”, de Nicky Phelan e Darragh O’Connell
– “The Lady and the Reaper (La Dama y la Muerte)”, de Javier Recio Gracia
– “Logorama”, de ­Nicolas Schmerkin
– “A Matter of Loaf and Death”, de Nick Park

Melhor Curta-metragem de Ficção
– “The Door”, de Juanita Wilson e James Flynn
– “Instead of Abracadabra”, de Patrik Eklund e Mathias Fjellström
– “Kavi”, de Gregg Helvey
– “Miracle Fish”, de Luke Doolan e Drew Bailey
– “The New Tenants”, de Joachim Back e Tivi Magnusson

Melhor Edição de Som
– Christopher Boyes e Gwendolyn Yates Whittle (“Avatar”)
– Paul N.J. Ottosson (“Guerra ao Terror”)
– Wylie Stateman (“Bastardos Inglórios”)
– Mark Stoeckinger e Alan Rankin (“Star Trek”)
– Michael Silvers and Tom Myers (“Up – Altas Aventuras”)

Melhor Mixagem de Som

– Christopher Boyes, Gary Summers, Andy Nelson e Tony Johnson (“Avatar”)
– Paul N.J. Ottosson e Ray Beckett (“Guerra ao Terror”)
– Michael Minkler, Tony Lamberti e Mark Ulano (“Bastardos Inglórios”)
– Anna Behlmer, Andy Nelson e Peter J. Devlin (“Star Trek”)
– Greg P. Russell, Gary Summers e Geoffrey Patterson (“Transformers: A Vingança dos Derrotados”)

Melhores Efeitos Visuais
– Joe Letteri, Stephen Rosenbaum, Richard Baneham e Andrew R. Jones (“Avatar”)
– Dan Kaufman, Peter Muyzers, Robert Habros e Matt Aitken (“Distrito 9″)
– Roger Guyett, Russell Earl, Paul Kavanagh e Burt Dalton (“Star Trek”)

Melhor Filme Estrangeiro
– Ajami (Israel)
– O Segredo dos Seus Olhos (Argentina)
– O Leite da Amargura (Peru)
– O Profeta (França – estreia prevista para 30 de abril)
– A Fita Branca

André Azenha
Jornalista, crítico de cinema, produtor cultural, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Escreve uma coluna semanal, aos sábados, para o jornal Expresso Popular, colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante, em Santos. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi.

2 thoughts on “Oscar 2010 consagra Guerra ao Terror

  1. Acho que na verdade o fiasco em si é o Oscar, por favor eleger aquela porcaria de Guerra ao Terror, como melhor filme, acho que o pessoal da acadêmia são todos adeptos de Bush, já vi filmes melhores de Guerra, como : Os Gritos do Silêncio, Platoon, Nascido Para Matar (Full Metal Jacket), então não me venham falar que essa droga é um otímo filme

    1. Olá Rivaldo, obrigado pela visita. Não sei se os membros da Academia são favoráveis ao Bush, mas o fato de Guerra ao Terror ter vencido, não diz respeito à qualidade do filme, que, na minha opinião, não era o melhor entre os finalistas. Mas sim como recado à indústria cinematográfica, que tem investido em blockbusters e filmes 3D, e deixado de financiar filmes independentes sobre temas incômodos, como as guerras que os EUA se envolvem. Mas com certeza, os longa que você citou são bem melhores que Guerra ao Terror.

      Grande abraço,
      André Azenha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *