Michael Jackson’s This is it

Michael Jackson's "This Is It" (Foto: Divulgação)

this is itMichael Jackson’s This is it (Idem, EUA, 2009). Direção: Kenny Ortega. Documentário. 112 min. (Cor).

É bom o leitor saber. “Michael Jackson’s This is it”, documentário cujas cenas foram registradas primeiramente para constarem do acervo do astro e como extras num possível DVD da turnê que ele realizaria em Londres é um filme caça=níqueis? Sim, é. Mas se durante muitos anos MJ serviu de fonte para a mídia sensacionalista enriquecer graças a notícias jamais comprovadas, o filme ao menos o retrata como ele sempre mereceu: com respeito. Até veneração.

Também é importante saber que o longa não é um retrato dos últimos dias de vida dele e nem tem a intenção disso. É “somente”, como disseram alguns críticos, um esboço do que seria a última turnê de 50 shows que ele faria em na capital inglesa. A última de sua carreira e que teve todos os ingressos esgotados. É um veículo para os fãs. Nada além disso. Quem não conheceu (se é que existe alguém) a obra do Rei do Pop, provavelmente não irá entender o que faz os dançarinos eleitos para trabalhar com Jackson na tour chorarem em suas declarações para o filme e exaltarem cada canção ensaiada nos palcos fechados do Staples Center, de Los Angeles, e The Forum, em Inglewood, na Califórnia, onde Michael preparava a série de apresentações que faria na O2 Arena de Londres.

Logo no início, um texto de abertura diz que esta seria a mais espetacular turnê da história da música. Realmente, o pouco que vemos nas quase duas horas de projeção, selecionadas de um material de mais de 100 horas de gravações, nos leva a crer que o show em questão poderia ser inesquecível. Só que infelizmente jamais teremos certeza disso.

É mais ou menos o que aconteceu com “Smile”, o álbum “perdido” dos Beach Boys, que poderia ter feito páreo ao maior álbum de rock da história, “Stg Peppers”, dos Beatles. As gravações com músicas inacabadas do disco de Brian Wilson e companhia realmente davam a entender que se tratava de um disco muito especial. Mas Brian teve problemas psicológicos, se isolou e o disco não foi lançado. Só que o músico sobreviveu para quase quarenta anos depois finalmente dar vida à obra. Infelizmente, Michael não teve tal chance.

Dirigido por Kenny Ortega, que ficou mundialmente conhecido como coreógrafo de “Dirty Dancing” e depois faria “High School Musical“, “This is it” chega a mostrar algumas músicas prontas, como seriam exibidas no show. Da abertura com “Wanna Be Starting Something” ao encerramento com “Man On The Mirror”, somos apresentados a uma profusão de coreografias sensacionais, uma tela de cristal líquido em três dimensões, a maior do mundo, muitos dançarinos (todos excelentes, numa entrega emocionante), acrobacias, um coro de crianças e vídeos originais, que seriam projetados ao mesmo tempo que as músicas no show.

thisisit
Em “Smooth Criminal”, por exemplo, Jackson é inserido no clássico “Gilda”, de 1946, sobre a eterna mulher fatal interpretada por Rita Hayworth. Ele escapa de bandidos e interage com os personagens em preto e branco. Já em “Thriller”, nos deparamos com momentos dignos de Tim Burton. Além dos zumbis, surgem fantasmas e uma aranha gigante, de onde MJ sai para fazer a famosa coreografia. A última canção é “Earth Song”, que inclui um filminho sobre uma garotinha que tenta salvar uma planta da destruição das máquinas. É o eterno recado de Jackson para prestarmos atenção no mundo.

Michael é sempre flagrado com admiração, mergulhado em luzes, tratado com extremo respeito pelos colegas e pelo próprio Ortega, que o chama de Senhor – ainda que possamos ver o quão magro ele se encontrava. O cantor é mostrado como um profissional perfeccionista, que exige o máximo de seus músicos, dançarinos e produtores, sempre tratando-os com muita educação e respeito.

Alguns fãs reclamaram que as pessoas que trabalhavam com Michael Jackson ignoraram seu estado de saúde, e que ele jamais aprovaria um lançamento de um trabalho inacabado. Compreensível. Mas também é necessário entender que todas as pessoas que compraram os tickets para a turnê inglesa, e muitos outros milhões de fãs, desejavam ver essas imagens. Não à toa o filme (previsto para ficar somente duas semanas em cartaz, mas que já teve o prolongamento de seu período de exibição nos cinemas confirmado) estreou liderando as bilheterias nos cinemas americanos (ainda que os produtores esperassem arrecadar mais que os US$ 20 milhões conseguidos na estréia).

thisisittres
“This Is It”, o filme, (o título também é de uma música até então inédita, composta por Paul Anka, que Michael tinha gravado nos anos 80 e surge nos créditos finais do documentário) é apenas parte de um esquemão que irá faturar milhões e milhões de dólares. Inclusive até um CD duplo com as músicas do filme já foi lançado e um DVD com mais três horas de material extra chegará ao mercado ainda em 2009. E tanto como caça-níqueis, homenagem a Michael Jackson e presente para os fãs se sai bem.

Como fã do astro, eu não consegui esperar pelo DVD e pude presenciar algo raro na sala do cinema. A platéia, que lotou o local, aplaudiu emocionada o filme assim que ele acabou. Não bastasse Michael Jackson ter sido um divisor de águas na música pop, ter feito o álbum mais vendido da história (“Thriller”), introduzido a música negra nas FMs populares e videoclipes estrelados por negros na MTV, também conseguiu o feito de emocionar mais pessoas muito longe de sua Terra Natal, e sem estar presente.  Mais do que nunca, assim como Elvis, o Rei do Rock, Michael, a majestade do Pop, não morreu.

E agora, esse presente bem embalado por mais algumas horas de extras. Mais um produto do Rei indicado para fãs e colecionadores.

Lançamento em DVD simples, DVD duplo e blu-ray.

Extras do DVD duplo: Menu interativo; Seleção de cenas; Seleção de áudio e legenda; “Organizando o Retorno”; “The Gloved One”; “Memórias de Michael”; “Audições: Procurando pelo Melhores Dançarinos do Mundo”; Trailer de Cinema; Trailer (sem legendas); Formato de Tela: Widescreen Anamórfico; Áud: Ing (Dolby Digital 5.1); Leg: Português, Inglês, Espanhol, Tailandês, Coreano, Mandarim.

Confira mais imagens do filme.

thisisitdois

André Azenha
Jornalista por formação, crítico de cinema, produtor cultural, pesquisador, curador, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Colaborou com críticas semanais nos jornais Expresso Popular e quinzenais no jornal A Tribuna. Colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest - Festival Internacional de Filmes de Santos, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest e PalafitaCon. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante. Atualmente participa do projeto Hora da Cultura, pela Secult Santos, levando sessões de filmes e bate-papos às escolas da rede municipal. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi. Escreveu sobre cinema para sites, jornais e revistas de Santos, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Limeira e Maceió. www.facebook.com/andreazenha01

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *