Anjos da Noite – A Rebelião

 

anjosdanoitearebeliaoAnjos da Noite – A Rebelião (Underworld: Rise of the Lycans, EUA / Nova Zelândia, 2009). Direção: Patrick Tatopoulos. Roteiro: Danny McBride, Dirk Blackman e e Howard McCain, baseado em estória de Len Wiseman, Robert Orr e Danny McBride e nos personagens criados por Kevin Grevioux, Len Wiseman e Danny McBride. Elenco: Michael Sheen, Bill Nighy, Rhona Mitra. Ação / Drama / Terror. 92 min. (Cor).

Em 2003, “Anjos da Noite” chamou a atenção dos fãs de HQs e RPGs ao trazer de volta ao cinema a velha rivalidade entre vampiros e lobisomens.  Só que, diferente das habituais histórias sobre essas criaturas, sua trama se passava no leste europeu dos dias atuais, misturando clima gótico, drama shakespeareano (amor impossível entre duas pessoas de clãs rivais) e uma protagonista  (Kate Beckinsale) apertada em látex, num visual recorrente a Matrix.  A mescla de referências fez muita gente criticar negativamente a produção, acusando-a de falta de originalidade. Não era para tanto.

Havia um charme especial (principalmente em se tratar de um filme bem produzido feito fora de Hollywood, com elenco inglês – destacando ainda Michael Sheen, de “A Rainha” e “Frost/Nixon”, e  Bill Nighy, de “O Jardineiro Fiel” e “Simplesmente Amor”), e o longa foi razoável nas bilheterias.

Uma continuação obviamente foi planejada e levou três anos para ganhar as salas de projeção do planeta. “Anjos da Noite – A Evolução” trocou o cenário misterioso do anterior por uma trama de perseguição com altas doses de ação, e recebeu mais olhos tortos ainda da mídia especializada. Porém, seu desfecho deixou uma brecha para um possível terceiro filme, que se tornou dúvida devido à arrecadação mediana da obra.

anjosdois

Mas ao invés de seguir a cronologia da série, os produtores decidiram realizar um “prequel”, ou seja, uma pré-continuação – história que se passa anteriormente ao longa original, mais exatamente séculos antes. Um sinal nada animador, já que, em outras séries cinematográficas, pré-continuações revelaram-se extremamente inferiores às tramas originais e até desnecessárias (como “Hannibal – A Origem do Mal” e o segundo “Highlander”), exceto “Jornada nas Estrelas”.

Há ainda quem acuse os produtores de terem realizado o filme apenas para arrecadar uns minguados a mais, pois em “Anjos da Noite” os acontecimentos deste terceiro longa eram mostrados em um flashback. Então eis a pergunta: vale a pena ir ao cinema assistir uma história cujo final já sabemos, que praticamente repete a trama de amor impossível em meio ao conflito de diferentes espécies e que não tem Kate Beckinsale? Depende.

anjostres

“Anjos da Noite: A Rebelião” não é tão legal quando o primeiro, e nem inferior ao segundo, não foi dirigido pelo mesmo Len Wiseman, dos anteriores, substituído por um técnico em efeitos visuais, Patrick Tatopoulos, que manteve o estilo do cineasta antecessor: fotografia quase sem cores, clima gótico, muito mais batalhas e escudado por um universo intrincado por traz da ação. Sai o jeitão elegante vampiresco para dar lugar à visceralidade lycan (a raça de seres metade humanos, metade lobisomens).

Acompanhamos o romance entre a vampira, filha de Viktor (Nighy), Sonja (a gostosinha Rhona Mitra, que não chama tanta atenção quanto Backinsale) e o lycan Lucian (Michael Sheen), mantido, como tantos outros de sua espécie, como “seguranças” (escravizados, proibidos de se transformarem nas criaturas monstruosas) dos vampiros. Logo, se instala uma revolta e o conflito entre vampiros e lycans coloca o romance do casal central em jogo e a vida de Sonja passa a correr perigo nas mãos de seu próprio pai.

Longe de ser um filme excelente, “Anjos da Noite 3” recorre a alguns clichês como a ajuda inesperada no conflito para o grupo em menor número, e os lobisomens estão visualmente deslocados na tela: parecem mais animação do que uma criatura digitalizada tentando se aproximar da realidade. Problema que passará praticamente despercebido quando o longa for lançado em home vídeo.

Já os atores se esforçam. Sheen é o melhor em cena, comprovando sua versatilidade como intérprete.  Nighy se diverte no papel de vilão, e seus exageros nas caras e bocas não chegam a comprometer sua atuação. E Nitra faz o arroz com feijão. Aliás, a escolha da atriz de “O Homem Sem Sombra” (2000) e “Velozes e Mortais” entrega a intenção da produção de criar o elo entre sua personagem e a de Kate Backinsale, como podemos comprovar na última cena (notem os lábios de ambas as atrizes).

No mais, o longa é divertido, não deve alcançar grande bilheteria, mas tende a fazer carreira melhor em home vídeo. Além disso, é interessante assistir à série sob uma ótica medieval, e a volta no tempo da cronologia abre uma imensa gama de possibilidades, como uma possível série de TV, que não deverá contar com os atores principais da franquia cinematográfica (como aconteceu com “Blade”), e irá, sim, gerar uns trocados a mais para os produtores.

No saldo geral, para quem gosta de produções fantasiosas (como este jornalista), com muita testosterona (cortesia lycan), vale uma conferida.  Em home vídeo, o longa deve alcançar um público maior.

 

André Azenha
Jornalista por formação, crítico de cinema, produtor cultural, pesquisador, curador, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Colaborou com críticas semanais nos jornais Expresso Popular e quinzenais no jornal A Tribuna. Colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest - Festival Internacional de Filmes de Santos, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest e PalafitaCon. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante. Atualmente participa do projeto Hora da Cultura, pela Secult Santos, levando sessões de filmes e bate-papos às escolas da rede municipal. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi. Escreveu sobre cinema para sites, jornais e revistas de Santos, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Limeira e Maceió. www.facebook.com/andreazenha01

One thought on “Anjos da Noite – A Rebelião

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *