Alma Perdida


Por: André Azenha

alma-perdidaAlma Perdida (The Unborn, EUA, 2009). Direção e roteiro: David S. Goyer. Elenco: Odette Yustman, Gary Oldman, Meagan Good, Carla Gugino. Terror. 87 min. (Cor).

6,5

Garota começa a ter visões assustadoras de uma criança e, ao investigar o evento paranormal, descobre que se trata de um espírito maligno ligado ao passado de sua família. Para dar cabo do terror, ela conta com a ajuda de homem que fará o exorcismo no intuito de lhe devolver a paz.

Se lembrou de algum filme de terror ao ler a sinopse acima? Pois é, apesar de ter sido dirigido e escrito por David S. Goyer, especialista no gênero (foi diretor do primeiro “Blade” e roteirizou toda a trilogia baseada nas HQs do personagem), que também participou dos ótimos roteiros de “Batman Begins” e sua continuação, “O Cavaleiro das Trevas”, “Alma Perdida” é a prova da falta de criatividade que tem sido recorrente aos longas de terror ocidentais.

almaperdidaum

Todos os clichês estão lá: sustos em espelhos, a pessoa que surge de repente atrás de outra, a trilha sonora que vai num crescendo nos momentos de tensão, sustos fáceis, etc, etc. E uma atriz central gostosinha: Odette Yustman (“Cloverfield”), cópia menos abundante de Megan Fox, mas que dá para o gasto – seu par romântico é Cam Gigandet, o vilão do fraquíssimo “Quebrando Regras”.

Goyer seguiu tão a risca o que a cartilha do gênero manda que, se o filme soa como “dejà vu” de tantos outros, também escapa da mediocridade de “O Grito” e congêneres. Esperto, escalou o veterano Gary Oldman (com quem trabalhou nos dois últimos “Batman”), que serve para dar credibilidade à produção. O ator britânico vive Sendak (cujo nome faz referência a Maurice Sendak, autor do livro ”Where the Wild Things Are”), o rabino encarregado de realizar o exorcismo. O elenco ainda tem a deliciosa Carla Gugino, praticamente imperceptível na pele da mãe da protagonista.

almaperdidadois

“Alma Perdida” passou quase em branco nos cinemas e talvez encontre um público maior no mercado de home vídeo. Ao menos, não é um filme de terror que faz rir e talvez sirva para entreter quem não liga de conferir os mesmos sustos de outras produções. 

Conteúdo relacionado:

Batman Begins

Batman – O Cavaleiro das Trevas

Quebrando Regras

André Azenha
Jornalista por formação, crítico de cinema, produtor cultural, pesquisador, curador, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Colaborou com críticas semanais nos jornais Expresso Popular e quinzenais no jornal A Tribuna. Colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest - Festival Internacional de Filmes de Santos, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest e PalafitaCon. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante. Atualmente participa do projeto Hora da Cultura, pela Secult Santos, levando sessões de filmes e bate-papos às escolas da rede municipal. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi. Escreveu sobre cinema para sites, jornais e revistas de Santos, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Limeira e Maceió. www.facebook.com/andreazenha01

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *