Cinema e poesia: Romeu e Julieta

Por: Regina Azenha

romeuejulieta

Romeu e Julieta (Romeo and Juliet, Itália, 1968). Direção: Franco Zeffirelli. Roteiro: Franco Brusati, Maestro D’Amico e Franco Zeffirelli, baseado em peça teatral de William Shakespeare. Elenco: Leonard Whiting, Olivia Hussey, John McEnery. Drama. 138 min. (Cor).

Sinopse: Em Verona, o jovem Romeu (Leonard Whiting) fica apaixonado e é correspondido por Julieta (Olivia Hussey), que pertence a uma família rival. Para levarem adiante o amor que sentem um pelo outro, os dois terão que enfrentar a incompreensão de suas famílias.

Nota da autora: Perdoem-me a ousadia de tentar expressar através da minha pretensa poesia, essa obra maravilhosa escrita por um dos maiores gênios da literatura.

Toda história,
que versa sobre rivalidade ou preconceito,
nem sempre tem um final feliz
pois nem todos conseguem entender,
porque tem que ser assim…
 
Romeu e Julieta,
quantos existem, e são reais
impedidos de vivenciarem um amor,
por pertencerem a famílias rivais.
 
Quando o ser, que se diz humano, entender
que para sentimentos verdadeiros,
 não existem barreiras,
(pois ele habita n’alma e  no coração)
 certamente, teremos um mundo melhor,
sem tragédias, sem tristezas,
onde possamos viver por amor,
e não por amor, morrer…

                            Nota do editor: O filme ganhou duas estatuetas no Oscar, em Fotografia e Figurino.

romeujulietadois

Santista e faz poesia desde criança. Escreveu três livros: Mulher: Amor e Poesia, em 1986 (pelo qual ganhou o prêmio Robalo de Ouro Brasil 1989), Fragmentos & Mutações, em 1997 e Poesia a quatro mãos (2008), realizado em parceria com seu filho André. É admiradora do poeta e escritor J. G. de Araújo Jorge, e de autores como Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meirelles, Paulo Leminski, Mário Quintana, Fernando Pessoa, José Saramago, entre outros tantos. Entre os novos poetas, Pergentino Jr, poeta de Guarulhos muito talentoso, além dos santistas Valdir Alvarenga, Guida Linhares, Edilza de Souza Fernandes e Paulo Schiff. Amante da música, teve uma composição classificada entre as dez finalistas de um festival. Na Bienal do Livro do Sesc-Santos, Mulher: Amor e Poesia foi um dos livros mais vendidos entre os autores independentes. Amante das artes, atualmente exerce a atividade de artesã. Parte de seu trabalho pode ser conferido no blog. No CineZen, estará colaborando com poemas, crônicas, textos sobre os filmes que é apaixonada e apontando poetas que estejam despontando na cena literária.

3 thoughts on “Cinema e poesia: Romeu e Julieta

  1. Esse foi o primeiro filme romantico que assisti !!chorei muito,porque esperamos sempre um final feliz…Mas amei o filme!!!…Mas como voce disse…Temos que viver por amor,naõ morrer…………….

  2. Se amanhã pensares em me deixar, deixa-me. Mas deixa-me acompanhado do sono eterno de todos os mortais.
    (para todos aqueles que não conhecem o limite do amor).

  3. adorei a poesia mexeu muito dentro de mim me levou a persistir em um amor literalmente impossivel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *