Bubble

Por: André Azenha

bubble

Bubble/A Bolha (Ha-Buah, Israel, 2006). Direção: Eytan Fox. Roteiro: Gal Uchovsky e Eytan Fox. Elenco: Ohad Knoller, Alon Friedman, Daniela Virtzer, Yousef “Joe” Sweid, Miki Kam, Shredi Jabarin. Drama. 90 min. (Cor).

6,5

“Bubble”, que significa “bolha” é a forma como os israelenses chamam Tel Aviv. Muita da cidade gente se exclui voluntariamente da realidade social e política do país, e essa atitude é constantemente julgada como superficial e irresponsável por quem mergulha fundo nas questões políticas, mas também pode ser encarada como um mecanismo de sobrevivência. Dirigido por Eytan Fox, de “Delicada Relação”, a trama é um pequeno panorama da juventude daquela região.

Três jovens levam a vida numa boa em Tel Aviv. Trabalham, se divertem e mesmo não sendo tããããooo preocupados com os problemas políticos de Israel, se consideram contra a ocupação. A vida do trio, composto por dois rapazes e uma garota (Daniela Virtzer, ótima atriz, linda, carismática e sexy), irá mudar quando Noam se apaixona por Ashraf, um jovem palestino. O rapaz árabe logo é acolhido pelo grupo israelense que decide abrigá-lo ilegalmente. Começam aí, então, as mudanças que irão afetar a vida dessa turma para sempre.

Apesar do tema batido “amor proibido”, o longa não é propriamente um drama, pois tem uma história até certo ponto leve – exceto a primeira cena, quando uma mulher palestina perde o bebê na fronteira, vítima da demora causada pela burocracia. O filme mostra o cotidiano de pessoas normais em meio a um conflito armado antigo. Eles gostam de rock, bandas inglesas, saem para dançar… e resolvem “protestar” numa rave. O problema é que os personagens são praticamente caricaturais. Tem o cara cafajeste, a menina que nunca se dá bem com os homens numa relação amorosa e se surpreende quando é tratada bem por um rapaz, o gay sensível e o parceiro “machão”, enfim… Perfis já abordados inúmeras vezes no cinema.

bolhadois

Os toques de humor desaparecem completamente no ato final, quando finalmente o espectador é colocado frente a frente com uma possível tragédia. “Bubble” acaba sendo um filme razoável, nem tão intenso quanto “Paradise Now”, por exemplo, no quesito conflito político, ou dramático quanto “A Espiã”, no sentido de “amor impossível”, mas vale ser conferido.

Destaque para a trilha sonora, repleta de canções em inglês de artistas bacanas como Belle and Sebastian, a magnífica e sensível “First Day of my Life”, do Brigth Eyes, Nada Surf e até a brasileira Bebel Gilberto. Porém, essa trilha pode ser entendida de duas maneiras: algo completamente deslocado, pois seria muito mais plausível canções judaicas e árabes para ambientar a história; ou uma metáfora para a influência ocidental por aqueles lados. No final, dá pra sair apaixonado por Daniela Virtzer. Prestem atenção na parte que ela se finge de repórter, e fala inglês com sotaque francês. Impagável!

André Azenha
Jornalista por formação, crítico de cinema, produtor cultural, pesquisador, curador, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Colaborou com críticas semanais nos jornais Expresso Popular e quinzenais no jornal A Tribuna. Colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest - Festival Internacional de Filmes de Santos, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest e PalafitaCon. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante. Atualmente participa do projeto Hora da Cultura, pela Secult Santos, levando sessões de filmes e bate-papos às escolas da rede municipal. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi. Escreveu sobre cinema para sites, jornais e revistas de Santos, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Limeira e Maceió. www.facebook.com/andreazenha01

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *