Batman – O Cavaleiro de Gotham

Batman – O Cavaleiro de Gotham (Batman – The Gotham Night, EUA, 2007). Direção: Yasuhiro Aoki, Yuichiro Hayashi, Futoshi Higashide, Toshiyuki Kubooka, Toshiyuki Kubooka, Jong-Sik Nam, Shoujirou Nishimi. Roteiro: Bob Kane, Josh Olson, Greg Rucka, Jordan Goldberg, Brian Azzarello, Alan Burnett, David S. Goyer. Elenco: Kevin Conroy, Jason Marsden, Scott Menville, George Newbern, Corey Padnos (apenas vozes). Animação. 75 min. (Cor).

Em 2003, para tapar alguns buracos na trama da série “Matrix”, a Warner Bros. lançou no mercado de home vídeo a animação “Animatrix”, cuja história se passava entre o primeiro filme da franquia e “Matrix Reloaded”. Mais ou menos da mesma forma, a empresa colocou no mesmo mercado de home vídeo, ano passado, “Batman – O Cavaleiro de Gotham”, compilação de seis curtas metragens com histórias que se desenrolam entre “Batman Begins” e “Batman – O Cavaleiro das Trevas”. Mas diferente da trilogia dos irmãos Wachowski, os dois longas de Christopher Nolan sobre o homem-morcego possuem roteiros completos, e este DVD não soa como “tapa-buraco”, mas muito mais como um brinde para os fãs.

Para tentar manter a qualidade dos filmes, foram convocados os mesmos produtores das duas últimas produções do personagem da DC Comics para o cinema, e vários roteiristas experientes em obras sobre o homem-morcego. As animações foram realizadas no estilo anime japonês, contando com quatro dos melhores estúdios do gênero no país do sol nascente: Madhouse,  que fez “Paprika”, Studio 4°C do urbano “TekkonKinkreet”, Production I.G. do clássico cyberpunk “Ghost in the Shell” e o Bee Train Inc., de “Blade of the Immortal”.

Se os seis curtas não chegam a acrescentar muito às tramas cinematográficas, ao menos os realizadores mantiveram o clima soturno dos filmes, e as explicações para cada acontecimento, no intuito de tornar verossímil as trajetórias dos personagens.

Desse modo podemos assistir como Bruce Wayne aprendeu a superar tanta dor em combate e como teria surgido um de seus maiores inimigos, o Crocodilo. Os desenhos mantém características dos atores Christian Bale e Morgan Freeman, respectivamente Bruce Wayne e Lucious Fox. Apenas o mordomo Alfred não mantém nenhuma característica de Michael Caine, lembrando muito mais o desenho dos gibis. Aliás, nenhum deles dublou nesta edição. Mas vale assistir, principalmente se você é fã do “cruzado de capa” e está disposto a conferi-lo sob uma perspectiva diferente.

André Azenha
Jornalista, crítico de cinema, produtor cultural, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Escreve uma coluna semanal, aos sábados, para o jornal Expresso Popular, colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante, em Santos. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *