Speed Racer

Speed Racer (Idem, EUA, 2008). Direção: Andy Wachowski e Larry Wachowski. Roteiro: Andy Wachowski e Larry Wachowski, baseado em série de TV criada por Tatsuo Yoshida. Elenco: Emile Hirsch, Susan Sarandon, Christina Ricci, John Goodman, Matthew Fox, Roger Allan, Nicholas Elia.  Aventura. 135 min. (Cor).

A Warner há havia conseguido os direitos para realizar a adaptação cinematográfica de Speed Racer há dezesseis anos. Nomes como Johnny Depp e Keanu Reaves estiveram cotados para viver o personagem principal do desenho animado japonês criado por Tatsuo Yoshida nos anos 60. Após todo esse tempo, finalmente decidiram entregar o comando da produção aos irmãos Andy e Larry Wachowski, que retornam à cadeira de direção depois de “Matrix” – eles produziram “V de Vingança”.

A história gira em torno do jovem Speed Racer. Quando pequeno, ele era o tipo de garoto que só pensava em corridas e não prestava atenção nas aulas. Filho de um projetista de carros de corrida (John Goodman), ele tenta seguir os passos do irmão mais velho, Rex, falecido num acidente trágico e cujos recordes ainda não foram quebrados. Racer recebe uma oferta de patrocínio feita pelo bilionário Royalton (Roger Allan) e descobre que os resultados das competições profissionais vêm sendo manipulados por interesses corporativos. Assim, ele se une ao misterioso corredor X (Matthew Fox) para tentar reverter a situação.

speedum

O filme deixa a desejar em alguns pontos. Soa um pouco arrastado no início. O ator Emile Hirsch (“Show de Vizinha”), elogiado no maravilhoso “Na Natureza Selvagem”, está certinho e simpático, porém não consegue criar a empatia necessária, afinal, ele é o herói da história.

A trama também pega carona da tendência recente de Hollywood em denunciar grandes corporações, e a vítima dessa vez são os organizadores das corridas. Já, as sequências repetidas inúmeras vezes que mostram narradores oriundos de várias nações do planeta soam desnecessárias – o espectador entenderia o recado sobre a importância das provas perante o mundo todo com uma tomada apenas. E sim, há o velho clichê do gorduchinho (como alívio cômico) e um animalzinho de estimação “inteligente”.

Mas se a platéia conseguir mergulhar na trama, irá se deparar com o exímio apelo visual criado pelos Wachowski (eles já haviam elevado o cinema a outro patamar com “Matrix”), que fizeram jus aos US$ 100 milhões do orçamento, e encontrará um ótimo entretenimento, de cenários repletos de cores fortes (beirando a psicodelia), cenas de corrida recheadas de ação que prendem a atenção do início ao fim e boas sacadas que fazem referência aos animes japoneses e à série original.

speeddois

O elenco não compromete, principalmente se for levado em consideração o fato dos atores terem atuado com aquele fundo verde, sem cenários “reais”. Susan Sarandon tem pouco tempo em cena, Christina Ricci, após aparecer nua e transando com meio mundo em “Entre o Céu e o Inferno”, e experiente em produções para a garotada (“A Família Addams” e “Gasparzinho”), surge simples e bonita na pele de Trixie, a namorada do protagonista. Mas a participação de sua personagem soa desnecessária para o desenvolvimento do enredo. E quem viu “V de Vingança” notará a presença de alguns atores presentes no filme de 2006.

No saldo geral, “Speed Racer” não incomoda, mantém a essência do seriado clássico e entretém. Só que poderia ser mais enxuto por tratar-se de uma obra infantil – e é inadmissível para um veículo do gênero que uma criança durma no cinema, como aconteceu na sessão que este jornalista esteve presente. O resultado: fracasso de bilheteria e uma das grandes decepções no cinema em 2008.

Estreia nos cinemas brasileiros: 09/05/2008.

André Azenha
Jornalista, crítico de cinema, produtor cultural, assessor de imprensa. Criou o CineZen em 2009. Escreve uma coluna semanal, aos sábados, para o jornal Expresso Popular, colabora semanalmente com a Rádio Santos FM. Escreveu entre 2012 e 2017 para o blog Espaço de Cinema no G1 Santos. Criador e coordenador do Santos Film Fest, CulturalMente Santista - Fórum Cultural de Santos, Nerd Cine Fest. Em 2016 publicou o livro "Histórias: Batman e Superman no Cinema". Já colaborou com sites, revistas e jornais de diversas partes do país. Realizou 102 sessões de um projeto de cinema itinerante, em Santos. Mestrando em Comunicação pela Universidade Anhembi Morumbi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *